Em carta, Lula pede desculpas à China pelas agressões da família Bolsonaro

No texto, o ex-presidente critica o governo brasileiro por sua atitude “servil” a Donald Trump. Documento foi entregue à embaixada da China em Brasília na sexta-feira e chegou às mãos do presidente Xi Jinping neste domingo 22

(Foto: Ricardo Stuckert)
Em meio a um estremecimento da relação entre os governos brasileiro e chinês, após ataques publicados contra o país pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou uma carta ao presidente da China, Xi Jinping.

No texto, Lula pede desculpas pelo comportamento do filho de Jair Bolsonaro e critica o governo federal por sua postura “servil” ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, informa o jornalista Jamil Chade, do UOL.

O documento foi entregue à embaixada da China em Brasília na sexta-feira 20. Neste domingo 22, chegou às mãos do presidente Xi Jinping.

“Bolsonaro rebaixa as relações do Brasil com países amigos e se rebaixa como reles bajulador do presidente Donald Trump”, apontou Lula.

“Este governo passará, sem ter estado à altura do Brasil, mas nada poderá apagar os laços de amizade e cooperação que vimos construindo desde 1974, quando o então presidente Ernesto Geisel restabeleceu as relações entre o Brasil e a República Popular da China”, disse.

Ele lembrou ainda que “praticamente todos os presidentes brasileiros, desde então, fortaleceram nossa relação nos mais diversos campos”.


Leia a íntegra da carta, divulgada nesta tarde pela assessoria do ex-presidente:

São Bernardo, Brasil,

20 de março de 2020


Caro presidente Xi Jinping,

     Em nome da amizade entre os povos do Brasil e da China, cultivada por sucessivos governos dos dois países ao longo de quase cinco décadas, venho repudiar a inaceitável agressão feita a seu grande país por um deputado que vem a ser filho do atual presidente da República do Brasil.

     Tal atitude, ofensiva e leviana, contraria frontalmente os sentimentos de respeito e admiração do povo brasileiro pela China. Creio expressar o sentimento de uma Nação, que tive a responsabilidade de presidir por dois mandatos, ao pedir desculpas ao povo e ao governo da China pelo comportamento deplorável daquele deputado.

     Como é de seu conhecimento, setores expressivos da sociedade brasileira condenaram aquela agressão, incluindo os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal do Brasil.

     Lamento, entretanto, que o atual governo brasileiro não tenha feito ainda esse gesto pelos canais diplomáticos e por meio do próprio presidente da República, Jair Bolsonaro, que deveria ter sido o primeiro a tomar tal atitude. Seu silêncio envergonha o Brasil e comprova a estreiteza de uma visão de mundo que despreza a verdade, a Ciência, a convivência entre os povos e a própria democracia.

      Lamento especialmente que esta agressão tenha ocorrido na conjuntura de um contencioso comercial entre a China e os Estados Unidos, país ao qual a política externa brasileira vem sendo submetida de maneira servil por este governo. Bolsonaro rebaixa as relações do Brasil com países amigos e se rebaixa como reles bajulador do presidente Donald Trump.

     Este governo passará, sem ter estado à altura do Brasil, mas nada poderá apagar os laços de amizade e cooperação que vimos construindo desde 1974, quando o então presidente Ernesto Geisel restabeleceu as relações entre o Brasil e a República Popular da China.

     Praticamente todos os presidentes brasileiros, desde então, fortaleceram nossa relação nos mais diversos campos. Recordo que, ainda em 1988, o presidente José Sarney assinou os acordos para a construção do satélite sino-brasileiro, que viria a ser lançado no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso.

     Em 1994, os presidentes Itamar Franco e Jiang Zemin estabeleceram a Parceria Estratégica Brasil e China, que tem frutificado em benefício mútuo. Desde 2009 a China é o maior parceiro comercial do Brasil. Em meu governo, o Brasil reconheceu a China como economia de mercado e construímos juntos os BRICs, inaugurando um novo capítulo na ordem mundial.

    Recentemente, expressei minha solidariedade ao povo e ao governo da China no enfrentamento ao coronavírus. Recebo agora a notícia de que os esforços admiráveis nesse combate resultaram na interrupção, pelo segundo dia consecutivo, da transmissão do vírus em seu país. Parabéns por esta vitória e sigam lutando.

     Esta é a verdadeira imagem da China que nós, brasileiros e brasileiras, aprendemos a admirar, numa convivência de mútuo respeito. Um país com o qual desejamos manter e aprofundar as melhores relações de amizade e cooperação, inclusive no combate à grave pandemia que também nos atinge.

     Receba minha saudação respeitosa e fraterna, que se estende a todo o povo chinês,

      Luiz Inácio Lula da Silva
___
Em carta, Lula pede desculpas à China pelas agressões da família Bolsonaro Em carta, Lula pede desculpas à China pelas agressões da família Bolsonaro Reviewed by DMM on domingo, março 22, 2020 Rating: 5

Nenhum comentário


SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.

O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não há necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD