Header AD

A pedido do GEA, desembargador suspende greve dos trabalhadores da educação

Governo do Estado ajuizou a ação ordinária contra o Sinsepeap visando impedir a deflagração da paralisação e conseguiu, através do desembargador Rommel Araújo, a suspensão da greve dos trabalhadores da educação


O desembargador Rommel Araújo, do Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), deferiu pedido de tutela provisória de urgência - em ação ordinária promovida pelo governo do Amapá,  nesta sexta-feira (24), para determinar que o Sindicato dos Servidores Públicos em Educação do Estado do Amapá (Sinsepeap) se abstenha de realizar greve, a contar da intimação da decisão, garantindo-se, portanto, a regularidade e continuidade na prestação dos serviços públicos de educação, sob pena de multa diária, em caso de descumprimento, de R$ 300 mil.

O governo do Estado ajuizou a ação ordinária contra o sindicato visando impedir a deflagração de greve noticiada para ocorrer por 15 dias a iniciar de 27 de maio. Segundo a defesa do governo, o Sinsepeap não comprovou o preenchimento dos requisitos legais para a realização do movimento grevista, em especial demonstração de que foram esgotadas as negociações e do número de servidores que fizeram a opção pela paralisação e daqueles que manterão a prestação dos serviços públicos.

Após destacar, o risco de grave prejuízo à formação educacional dos alunos afetados, o Estado requereu tutela provisória de urgência para determinar que o sindicato, por seus sindicalizados, se abstenha de promover greves/paralisações, sob pena de multa diária de R$ 300 mil por dia de descumprimento.

Para Rommel Araújo, embora os servidores públicos possuam direito de greve, deve-se atentar para o fato de que o seu exercício pode se tornar arbitrário e ilegítimo quando puser em risco o princípio da continuidade da prestação dos serviços públicos realizados pela categoria. Assim, os movimentos grevistas deflagrados pelos servidores públicos deve pautar-se em requisitos específicos, tomadas por base as Leis de números 7.701/88 e 7.783/1989, em respeito ao interesse público e à continuidade dos serviços prestados pela Administração.

“Nesse sentido, vislumbro ofensa ao disposto no artigo 4º da lei de greve, na medida em que a ata da assembleia geral não retrata a posição dos profissionais representados pelo sindicato para a deflagração de greve, na medida em que nela constam apenas duas assinaturas. Além disso, considerando a educação como serviço essencial à população, também não se vislumbra nos autos, informação acerca do percentual mínimo de servidores que darão continuidade na prestação dos serviços. Diante desse cenário, entendo estarem presentes os pressupostos da tutela provisória de urgência; ressaltou o desembargador na decisão. Em seguida haverá audiência de conciliação a ser marcada por Rommel Araújo.

Com informações do jornalista Paulo Silva.
___
A pedido do GEA, desembargador suspende greve dos trabalhadores da educação A pedido do GEA, desembargador suspende greve dos trabalhadores da educação Reviewed by DMM on sábado, maio 25, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário


SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.

O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não há necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD