Header AD

Heverson Castro critica escolha do vice-governador na aliança PT-PSB.

O radialista Heverson Castro escreve sobre bastidores da construção da aliança PT-PSB e faz duras críticas à escolha do pré-candidato a vice-governador. "Agora que o bonde tá andando, depois de ficar no prego por quatro anos, depois de ser empurrado e começar a andar, o oportunismo quer pegar carona e ainda sentar na janela pra pegar vento.", diz, para logo em adiante apontar para Marcos Roberto, indicado pelo PT para compor aliança progressista PT-PSB. "Não posso compactuar com o oportunismo e a falta de caráter de alguns que ocupam as redes sociais para agora falar que o companheiro Marcos Roberto sempre defendeu a aliança do PT com o PSB para as eleições de 2018."
Castro critica companheiros de partido que, poucos dias antes da formalização da aliança, estavam "defendendo fervorosamente alianças espúrios com o PDT e partidos golpistas da sua base aliada.". E emenda: "A aliança PT-PSB para resgatar o Amapá do atraso, só foi possível graças ao enfrentamento de companheiros valorosos dentro e fora do PT, no tensionamento nas instâncias nacionais para intervir no erro conduzido por setores do PT-AP. Além do empenho pessoal do senador Capiberibe que teve o reconhecimento por conta do seu papel combativo ao lado do PT no Congresso Nacional na defesa dos trabalhadores e contra o golpe de 2016 dado pela burguesia brasileira contra o governo da presidente legítima Dilma." Leia íntegra.

Foto - reprodução: Facebook
A verdade histórica sobre a defesa da aliança PT-PSB precisa ser restabelecida - Por Heverson Castro

A verdade histórica precisa ser colocada para os petistas, a militância e a esquerda amapaense sobre quem sempre defendeu a retomada aliança batizada de Frente Popular (PT, PSB).

Não posso ficar calado diante de tantas mentiras espalhadas nas redes sociais sobre quem no PT defendia ou sempre defendeu a unidade popular e a retomada da aliança da Frente Popular (PT-PSB). Agora que o bonde tá andando, depois de ficar no prego por quatro anos, depois de ser empurrado e começar a andar, o oportunismo quer pegar carona e ainda sentar na janela pra pegar vento.

Não posso compactuar com o oportunismo e a falta de caráter de alguns que ocupam as redes sociais para agora falar que o companheiro Marcos Roberto sempre defendeu a aliança do PT com o PSB para as eleições de 2018.
Isso não é verdade e a foto dele ao lado de Waldez em evento pré-eleitoral este ano, mostra que o agora vice escolhido por parte do PT para ser vice do Capi, na verdade já havia declarado até apoio pela reeleição do governador Waldez, jogando na lata de lixo da história a sua posição anteriormente sustentada até 2014, enquanto sua fome por cargos e poder foi sustentada quando ocupou o cargo de secretário de Segurança no governo Camilo Capiberibe.

Não posso deixar de fazer essa crítica e desmentir alguns companheiros do PT, fraternalmente e de forma dialética, pois eles devem reconhecer que até 5 dias atrás, Marcos Roberto e a corrente Movimento PT, da qual Nogueira também faz parte, operaram pesado para que o PT estivesse aliado ao desgoverno de Waldez Góes e defendendo fervorosamente alianças espúrios com o PDT e partidos golpistas da sua base aliada.

Estes que hoje tentam ludibriar a verdade, afirmando que Marcos Roberto sempre foi à favor de uma aliança pró-PSB/Capi, combateram com todas as suas armas dentro e fora do PT essa aliança, fazendo até articulações nacionais, tentando enganar a Executiva Nacional ao oferecerem descaradamente palanque do PDT ao Lula, mesmo depois de vermos Waldez afirmando que vota em Ciro Gomes.

Tudo isso foi feito para que o PT fizesse aliança com o PDT no mesmo palanque, ao lado de golpistas do PMDB que estarão na chapa junto com Waldez, disputando as vagas de Senado. Aliança com o mesmo PDT do Amapá que apoiou a agenda golpista de Temer contra os trabalhadores, quando seu deputado federal Roberto Góes que é primo de Waldez Góes, votou à favor da lei da terceirização, da reforma trabalhista, PEC da Morte e da entrega do pré-sal aos gringos.

Vale lembrar que em dezembro de 2016, o grupo de Marcos Roberto e Nogueira aprovaram a entrada do PT no governo Waldez em votação apertada por dois votos de diferença, enquanto eu e outros companheiros como Joel Banha, Dora Nascimento, Pascoal, Granjeiro, Eneida Nascimento e outras correntes combateram o entreguismo do PT ao grupo de Waldez/Sarney com o embarque do partido no governo.

Mesmo nossa base sindical como companheiros do Sinsepeap, CUT sendo contra aliança com o governo Waldez e o PT dividido, Marcos Roberto poderia ter sido coerente em nome do seu passado, quando esteve no palanque da Frente Popular, mas o seu oportunismo deu voz e junto com sua esposa votaram para que o PT ingressasse no desgoverno de Waldez, votos que seriam decisivos diante do placar de 19 a 17 no Diretório Estadual do PT.

Marcos Roberto será um vice rejeitado na própria base do PSB e do PT, diante das suas declarações em defesa de Waldez e contra o PSB. O seu oportunismo é apenas a representação daquele que usam o PT como instrumento para satisfazerem sua sede de poder e seus projetos pessoais.

Eu como militante do PT, desde quando me entendo, sempre formulei e analisei a conjuntura da esquerda no Amapá e o divisionismo provocado por conta da cooptação feita por Waldez e aliados de Sarney, que sempre trabalharam pra dividir a esquerda, oferecendo cargos em governos para grupos e setores do PT.

Nós, diversos companheiros e setores da Esquerda do PT, sempre combatemos esse tipo de alianças espúrias com setores atrasados do Amapá que dilapidam o patrimônio do Estado amapaense, massacram o povo trabalhador e pobre com ataques e medidas econômicas que castigam o povo.

A aliança PT-PSB para resgatar o Amapá do atraso, só foi possível graças ao enfrentamento de companheiros valorosos dentro e fora do PT, no tensionamento nas instâncias nacionais para intervir no erro conduzido por setores do PT-AP. Além do empenho pessoal do senador Capiberibe que teve o reconhecimento por conta do seu papel combativo ao lado do PT no Congresso Nacional na defesa dos trabalhadores e contra o golpe de 2016 dado pela burguesia brasileira contra o governo da presidente legítima Dilma.

Não posso me calar diante das mentiras e preciso restabelecer a verdade histórica! Agora é eleger Lula, Janete senadora, Capi governador e retomar o tempo perdido, melhorando a vida do povo amapaense.

Heverson Castro- Membro do Diretório Estadual do PT-AP
___
Heverson Castro critica escolha do vice-governador na aliança PT-PSB. Heverson Castro critica escolha do vice-governador na aliança PT-PSB. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on sábado, agosto 04, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário


SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.

O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não há necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD