Header AD

Gleisi Hoffmann: Capiberibe, Coutinho e Câmara tirou a direita do PSB.

A presidenta nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) enumerou as razões do acordo nacional com o Partido Socialista (PSB), que possibilitou alianças entre as legendas, do apoio do PT ao PSB nos estados do Amazonas, Amapá e Pernambuco.

Foto: Cristiane Mattos - Estadão.
---'Essa ala do PSB (Ricardo Coutinho[PB], Paulo Câmara[PE], Capiberibe[AP]) tirou a direita do partido, e colocou o PSB contra a reforma trabalhista, a EC 95, a entrega da Petrobras e a privatização da Eletrobrás.’ --- disse a presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, em resposta ao jornalista Gustavo Conde, diante das críticas em relação ao enterro da candidatura ao governo da neta de Miguel Arraes em Pernambuco, Marília Arraes.

Para Gleisi, o acordo é “estratégia” para trazer o PSB nacional, que está em disputa, para o campo progressista. “É uma estratégia nacional resgatar aliança com o PSB, um partido em disputa. No Nordeste e Norte apoiarão Lula ou quem Lula Indicar.”, disse.

Leia íntegra.
1. É uma estratégia nacional resgatar aliança com o PSB, um partido em disputa. No Nordeste e Norte apoiarão Lula ou quem Lula Indicar;
2. Essa ala do PSB (Ricardo Coutinho, Paulo Câmara, Capiberibe) tirou a direita do partido, e colocou o PSB contra a reforma trabalhista, a EC 95, a entrega da Petrobras e a privatização da Eletrobras;
3. Recompor uma frente política de esquerda no país é condição para o enfrentamento ao golpe e para tirar o Brasil da crise com uma política econômica inclusiva;
4. O PCdoB, um dos partidos que compõe essa frente, via o entendimento com o PSB como condição para construirmos uma unidade do campo;
5. Desde o ano passado temos reforçado que nossas alianças ou acordos eleitorais se dariam no campo da centro-esquerda. E listamos, e APROVAMOS, em resolução do PT que os partidos para construirmos isso eram PCdoB, PSB e PDT;
6. Nunca escondemos do PT de Pernambuco, dos movimentos sociais e de Marília, nossas conversas e nossos movimentos. Lutamos por uma coligação formal, mas não foi possível. Esse movimento é o recomeço da frente de esquerda no país, buscando resgatar um partido q historicamente esteve do nosso lado;
7. Sem a eleição de Lula e a construção de um campo político NACIONAL progressista e popular não recuperaremos o país. Não vamos perder o foco do nosso enfrentamento. Estamos numa batalha pela devolução dos empregos, dos direitos dos trabalhadores e do povo, da nossa democracia e da nossa soberania.
PS. Acordo assegura neutralidade dos PSB na eleição presidencial, tira o partido de Ciro Gomes e possibilita acordos com PT nos estados. Pelo lado do PT, a candidatura para o governo de Marília Arraes em Pernambuco foi sepultada. Pelo lado do PSB, foi enterrado a candidatura ao governo de Marcio Lacerda, em Minas Gerais. PT correu sério risco de ficar sem o PSB (nos estados) e o PCdoB, pois deveriam apoiar o candidato do PDT, visto que a vice na chapa que tem pré-candidatura à reeleição do governador Paulo Câmara, em Pernambuco, é a presidenta nacional do PCdoB, Luciana Santos. Se acordo não ocorresse, antes de tudo enfraqueceria o candidato do PT ao Planalto, que poderia ir a reboque Ciro até as eleições.
__

Gleisi Hoffmann: Capiberibe, Coutinho e Câmara tirou a direita do PSB. Gleisi Hoffmann:  Capiberibe, Coutinho e Câmara tirou a direita do PSB. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, agosto 02, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário


SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.

O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não há necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD