Header AD

Chico Buarque canta 'As caravanas', no Festival Lula Livre.

Chico Buarque cantou “As caravanas”, no "Festival Lula Livre", no último sábado (27), gravada recentemente, em 2017, em plena trajetória declinante do apreço à alteridade e à igualdade, tempo de degradação moral por qual ainda passa a sociedade brasileira, um ano após o golpe parlamentar que afastou a presidenta honesta, Dilma Rousseff. “As caravanas” é uma resposta a essa dura realidade de crescimento da desigualdade [em uma sociedade escravocrata desde início] que vigora na atualidade e deslancha para ódio aos mais pobres, em meio à polarização política no país. O repertório escolhido por Chico, para cantar no Festival Lula Livre, (Cálice, Gota d’água, Deus lhe pague e As caravanas), foi oportuno, devido às circunstâncias de ruptura democrática e massacre dos direitos sociais, políticos e civis da população brasileira. Curta! As caravanas.

As Caravanas - Chico Buarque

É um dia de real grandeza, tudo azul
Um mar turquesa à la Istambul enchendo os olhos
Um sol de torrar os miolos
Quando pinta em Copacabana
A caravana do Arará, do Caxangá, da Chatuba
A caravana do Irajá, o comboio da Penha
Não há barreira que retenha esses estranhos
Suburbanos tipo muçulmanos do Jacarezinho
A caminho do Jardim de Alá
É o bicho, é o buchicho, é a charanga

Diz que malocam seus facões e adagas
Em sungas estufadas e calções disformes
É, diz que eles têm picas enormes
E seus sacos são granadas
Lá das quebradas da Maré

Com negros torsos nus deixam em polvorosa
A gente ordeira e virtuosa que apela
Pra polícia despachar de volta
O populacho pra favela
Ou pra Benguela, ou pra Guiné

Sol
A culpa deve ser do sol que bate na moleira
O sol que estoura as veias
O suor que embaça os olhos e a razão
E essa zoeira dentro da prisão
Crioulos empilhados no porão
De caravelas no alto mar

Tem que bater, tem que matar, engrossa a gritaria
Filha do medo, a raiva é mãe da covardia
Ou doido sou eu que escuto vozes
Não há gente tão insana
Nem caravana do Arará
Não há, não há

Sol
A culpa deve ser do sol que bate na moleira
O sol que estoura as veias
O suor que embaça os olhos e a razão
E essa zoeira dentro da prisão
Crioulos empilhados no porão
De caravelas no alto mar

Tem que bater, tem que matar, engrossa a gritaria
Filha do medo, a raiva é mãe da covardia
Ou doido sou eu que escuto vozes
Não há gente tão insana
Nem caravana
Nem caravana
Nem caravana do Arará

Vídeo.
___
Chico Buarque canta 'As caravanas', no Festival Lula Livre. Chico Buarque canta 'As caravanas', no Festival Lula Livre. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on terça-feira, julho 31, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário


SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.

O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não há necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD