Header AD

PSOL descarta DEM e acena com aliança ao PSB em 2018.

O deputado estadual Paulo Lemos, que também é Secretário Geral do Partido Socialismo e Liberdade, PSOL-AP, acena com possibilidade de aliança com o PSB visando eleições gerais do próximo ano, quando serão realizadas disputas aos cargos de presidente, governador, senador, deputado estadual e federal.


Paulo Lemos foi entrevistado na manhã deste sábado (17) pelo ancora do programa Togas e Becas da Diário FM, o advogado Helder Carneiro, tendo na bancada os também advogados Wagner Gomes e Evaldy Mota.

Na conversa o parlamentar descarta compor com o grupo político que marchará ao lado do senador Davi Alcolumbre (DEM) como candidato ao governo do Amapá. Lemos admitiu que o partido pode integrar frente de oposição, que poderá ter à frente o PSB caso o senador Randofe Rodrigues não aceite ser candidato ao governo, na disputa das eleições de 2018.

A direção nacional do PSOL rejeita qualquer aliança nos estados com os partidos DEM e o PMDB. Essa ‘cláusula’ partidária pode unir o PSOL e PSB. “(...) com relação ao senador Davi (DEM), logicamente não podemos fazer composição no que diz respeito ao partido, apesar de que a gente tem conversa sim, a realidade do Amapá é diferente de outros estados; todos nós aqui somos às vezes amigos, convivemos com outras pessoas, mas o lado partidário é diferente, a ideologia é diferente”, disse.

Em relação ao PSB ponderou: “Não digo que não vamos ter diálogo com o PSB, esse diálogo está aberto sim; precisamos ter conversas, diálogos; o mais difícil é com esse grupo que governa o estado, porque somos declaradamente opositores, respeitando, claro, mas é muito difícil conversar pensando em coligação para as eleições do ano que vem; com o PSB podemos conversar, mas temos uma aliança muito forte com o senador Randolfe e o prefeito Clécio, com quem temos garantido o nosso espaço na gestão, espaço político e vários tipos de apoiamentos, por isso o PSB sempre vai dialogar com o Clécio e o Randolfe”.

O senador João Capiberibe e o ex-governador Camilo Capiberibe têm apelado ao senador Randolfe Rodrigues (Rede) para que lidere frente de esquerda no estado em uma grande coalizão que contraponha às forças da situação, lideradas pelo PDT e PMDB comandado pelo governador Waldez Góes.

Futuro incerto

Em decorrência dos desdobramentos da operação Lava Jato e da operação Mãos Limpas, há a possibilidade de Waldez Góes virar réu no Superior Tribunal de Justiça (STJ), uma vez que o Tribunal não precisa mais de autorização da Assembleia Legislativa para processar o governador. Diante desse cenário e das articulações em Brasília realizadas pelo coordenador da 'Frente Suprapartidária por Diretas Já', senador Capiberibe, a Frente progressista e de esquerda tucuju pode ser composta por PSOL, PSB, PT, PC do B, entre outros partidos menores. Tudo deverá depender do desfecho da maior crise política que vive o país.
___
PSOL descarta DEM e acena com aliança ao PSB em 2018. PSOL descarta DEM e acena com aliança ao PSB em 2018. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on sábado, junho 17, 2017 Rating: 5



SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não é necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD