Header AD

TJAP condena deputado estadual, ex-deputados e ex-servidores da ALAP por desvio de dinheiro público

Em julgamento de mais duas ações penais ingressadas pelo Ministério Público do Amapá (MP-AP), decorrentes da Operação Eclésia, o Pleno do Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP) condenou, nesta quarta-feira (19), o ex-presidente da Assembleia Legislativa do Estado (ALAP), deputado estadual Moisés Souza, e o ex-deputado Edinho Duarte pelos crimes de peculato-desvio e dispensa ilegal de licitação. Em outra ação, o ex-deputado Agnaldo Balieiro foi condenado por uso ilegal da verba indenizatória. As informações são do MP-Ap.


As duas ações estavam sob a relatoria do desembargador Carmo Antônio. Na primeira, Balieiro foi acusado de fraudar a prestação de contas da verba indenizatória da ALAP, através de notas fiscais falsas, causando prejuízo ao erário.

O relator votou pela condenação de Agnaldo Balieiro por peculato-desvio, tendo sido acompanhado por unanimidade. Por maioria, o Pleno fixou a pena de cinco anos e nove meses em regime semiaberto, acrescido de 180 dias/multa sobre meio salário mínimo, além de reparação do erário no valor de R$ 9 mil.

Na segunda ação, os réus eram acusados de fraudar um processo licitatório na ALAP, causando um prejuízo de R$ 650 mil aos cofres públicos. Segundo a denúncia, a empresa MCB-LTDA foi contratada ilegalmente para prestar serviços de digitalização de documentos. No entanto, as investigações do MP-AP revelaram que a contratação não passou de simulação com o fim de possibilitar a apropriação ilegal de dinheiro público, e que os serviços nunca foram executados.

Considerando haver provas suficientes, os magistrados condenaram os ex-dirigentes do Poder Legislativo amapaense, Moisés Souza e Edinho Duarte, a 9 anos de reclusão, em regime fechado, pelo crime de peculato-desvio, e a 4 anos e 5 meses de detenção por dispensa ilegal de licitação. Ambos terão, ainda, que pagar multa de R$ 32.250,00, correspondente a 4% do contrato firmado entre a empresa MCB e a ALAP, além de 200 dias/multa de um salário mínimo.

O empresário Marlon Borges também foi condenado a 3 anos de detenção e multa de 4% sobre o valor do contrato firmado entre a MCB e a ALAP por dispensa ilegal de licitação, e 2 anos de reclusão por peculato, em regime aberto. Os réus Janiery Everton e José Arcângelo foram condenados por dispensa ilegal de licitação, e Vitório Cantuária por falsidade ideológica.
___
TJAP condena deputado estadual, ex-deputados e ex-servidores da ALAP por desvio de dinheiro público TJAP condena deputado estadual, ex-deputados e ex-servidores da ALAP por desvio de dinheiro público Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, abril 20, 2017 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD

http://www.sindutemg.org.br/novosite/conteudo.php?MENU=1&LISTA=detalhe&ID=9180