Header AD

Sérgio Moro é comparado a Adolf Eichmann por professor de Filosofia e Ética.

Artigo escrito pelo professor Mestre em Filosofia e Ética, Roberto Ponciano, em 21 de março de 2016, faz o juiz justiceiro Sérgio Moro sair do sério em abril de 2017. Por causa desse artigo, que o Cafezinho publicou em primeira mão, Moro está tentando botar Ponciano, um escritor socialista profundamente erudito, na cadeia. Leiam e compartilhem! Pela liberdade de expressão!


Moro, Eichman e a banalidade do mal.-- por Roberto Ponciano.

O mais assustador no que está acontecendo no Brasil não é uma questão apenas política, e ver que em poucos meses, uma democracia que demorou 20 anos para ser reconstruída pode se esfumar. Alain Badiou deixou claro em sua obra, que a negligência, a omissão de quem tem o dever de atuar, dos intelectuais e militantes políticos diante de um Evento é imperdoável. Não é simples omissão, é cumplicidade, é criminoso.

O assustador desta história é que o juiz Sérgio Moro não é um grande ator político, ao fim e ao cabo Moro é um Zé Ninguém (na acepção inclusive reicheana da miséria psíquica), um juiz de visão política turva, nenhuma envergadura intelectual, com inteligência limitada e visão zero de sociedade.

Um mero Eichman, executor das ordens superiores.

No momento não sabemos claramente de quem, mas efetivamente desconfiamos da cumplicidade. De certo, do próprio Janot, o Procurador Geral da República, que deveria ser o defensor da lei, mas tendo conhecimento dos pérfidos grampos de Moro, se não os autorizou, ratificou sua “legalidade”.

O aspecto tragicômico deste enredo é que nem um dos dois, nem Moro, nem Janot, tem qualquer dúvida que estão perpetrando uma ilegalidade. Os grampos nos telefones de Lula, Dilma, Jacques Wagner, Rui Falcão não tem nada que ver com a Lava Jato. Fariam corar de vergonha ou inveja os tribunais de exceção nazistas e o senador Joseph McCarthy. Ambos sabem que as escutas são ilegais e imorais e claramente persecutórias de um partido.

Hannah Arendt, ao acompanhar o julgamento de Eichman, cunhou a famosa frase, que resume toda uma teoria: “o mal é estrutural”.

O mal se torna banal quando um simples burocrata medíocre como Eichman é capaz de, sem sentir culpa ou remorso, fazer parte da engrenagem do mal.

Moro é Eichman, um burocrata medíocre, de passado obscuro e de futuro tenebroso. Não entra na história como herói, mas pela porta dos fundos, como um obscuro juiz camisa negra, cujo único objetivo é despachar os vagões cheios de prisioneiros vermelhos. Para que o mal seja banalizado, como nos ensinou Levinas, é fundamental que o inimigo seja desumanizado.

Em todos os julgamentos de tribunal de exceção, antes de tudo é necessário retirar a humanidade do outro. E para que não tenham dúvida, não estou falando só dos tribunais nazistas e fascistas. O mesmo simulacro de tribunal foi usado nos julgamentos de Moscou e em outros tribunais “revolucionários”, que não julgaram os indivíduos e seus crimes, mas suas ideias.

Moro não está investigando nenhum crime. Seus atos deixaram de ter qualquer resquício de legalidade há muito tempo, e ele não se importa em autorizar gravações ignóbeis e as ceder (sabe-se lá em que condições) à maior rede de conspiração do Brasil (a TV Goebbels), que precisa repetir uma mentira mil vezes para que ela se transforme em verdade.

Assim, assassinam-se as garantias legais. Nenhum de nós é santo, se grampeassem meu telefone, não sei se iria primeiro para a cadeia ou primeiro para o inferno. Numa sociedade falsamente pudica (uma das características principais do fascismo), até os palavrões ditos em confidência são liberados para um “objetivo maior”.

Desumanizar o adversário, para que o terror fascista prevaleça. É necessário que o adversário seja um cão, uma besta leprosa indesejável, que deve ser chutada e cuspida na rua.

Vermelhos, socialistas, comunistas!

Mas não precisa ser socialista ou comunista. Na sanha fascista do mal, quem estiver contra o fascismo já ganha sua adesão incondicional às ideias deste inimigo imaginário.

E tenho bastante moral para gritar contra isto. Quando se começou o linchamento moral de FHC, pelo suposto filho “ilegítimo”, escrevi pequenos textos dizendo que assim nos igualávamos às idiotices do “sítio do Lula”. Como democrata, como socialista, não me interessam as aventuras amorosas de FHC e o que aconteceu com a vida dele. Nem mesmo se ele tem um apartamento em Paris.

Isso é cretinismo. Não se constrói um debate democrático e ideais firmes para um embate político sério assim. Posso sim falar de FHC que ele agora é cúmplice do golpe, quando tinha o dever de denunciá-lo, vítima de 1964 que foi. Com seu aval, o PSDB, partido fundado por ele, embarca na aventura de um golpe de Estado.

No meio desta tragédia, há os “inocentes”. Membros da classe média que se pretendem imparciais, mas que com sua imparcialidade, fazem coro às indecentes violações dos direitos humanos, da privacidade, do vale-tudo. Que correm para futricar as conversas privadas dos PeTistas (estas bestas-feras inimigas da humanidade), fingindo não ver que estas gravações, e seu vazamento, são criminosas. Tudo tirado do seu contexto e repetido ad nauseam para causar o efeito que está causando.

Uma parte da classe média pede “justiça’ a quem rasgou seu papel de defender a justiça, e outra adere à barbárie fascista, agredindo pessoas que julgam adversárias na rua. O povo do “vai para Cuba”. São duas faces da mesma moeda. Assim como a classe média alemã que foi cúmplice e beneficiária do nazismo e só abandonou o sonho do “Reich de mil anos” quando os aliados começaram a bombardear as cidades alemãs.

Não há perdão para esta cumplicidade e covardia.

Há também cumplicidade e covardia de parcela de “esquerdistas”, que num momento de transe histórico e de risco de regressão, sonham que estão às portas de uma Revolução e que Brasília é o Palácio de Inverno. Quixotescos traidores da democracia, que serão os primeiros a serem vitimados.

Vivemos um momento de terror e transe, os próximos dias serão de confrontação de dois campos em disputa pelo futuro do país. Um dos campos tem o juiz medíocre Moro, o conspirador geral da República, Rodrigo Janot, Bolsonaro, Malafaia, Feliciano. A junção do que há de mais perverso é uma ameaça de morte à inteligência.

Num momento tão grave, a maior oferta de cursos universitários não gerou uma juventude com ideias mais avançadas, capaz de defender a democracia e a liberdade.

No local em que eu trabalho, vejo servidores concursados usando trágicas camisas pretas entoarem gritos de guerra pró-Moro, acompanhados de juízes que só pensam no próprio umbigo. Os três estagiários jovens do local em que eu trabalho admiram Bolsonaro e duas disseram que preferem votar em Bolsonaro a votar em Lula.

A mentira dita mil vezes cria um Zeitgest de espírito do tempo às avessas.

Jovens de classe média ou baixa, que passam a acreditar no fascismo como redentor do nada, como redentor do caos que ele mesmo – o fascismo – cria.

Um reles funcionário de quinta categoria, nosso Eichman dos tempos hodiernos, Sérgio Moro, é capaz de liberar os trens para os campos de concentração e tornar uma nação inteira refém dele.

Quando um juiz de uma vara de primeira instância consegue poderes absolutos através da cumplicidade da PGR e da chantagem ilimitada, e se coloca acima da Presidente eleita legitimamente, não é só o governo que se ameaça.

A possibilidade de uma ditadura tecnocrata de burocratas torpes, míopes e obtusos, sem pauta social, sem projeto e no meio do caos de um país dividido, é uma ameaça a todos os democratas.

Devemos defender a democracia pela qual nossos pais sofreram prisão, exílio, tortura e morte, e derrotar o fascismo.

Não consigo me imaginar viver num país onde qualquer Eichman de Curitiba possa golpear uma nação inteira!

Só há um remédio. Temos que ir às ruas e vigiar.

Os fascistas não passarão!

Roberto Ponciano é Mestre em Filosofia/Ética, em Letras Neolatinas e Especialista em Economia do Trabalho.
Vídeo exclusivo! Processado por crime de opinião, Roberto Ponciano responde a Sergio Moro - Escrito por Miguel do Rosário, Postado em Redação

O juiz Sergio Moro e seu entorno estão visivelmente desequilibrados. Depois de mandar sequestrar e prender o jornalista Eduardo Guimarães, o “esquadrão Moro”, composto pela união ilegal entre judiciário, MP e polícia (pela Constituição, eles deveriam servir de freio uns aos outros), agora iniciou um processo de perseguição generalizado a seus críticos na internet.

O documento recebido por Ponciano é como uma “lei penal em branco”, uma acusação genérica, que trata críticas a um homem público, e bota público nisso!, como “ameaça de morte”.

Ora, Roberto Ponciano nunca ameaçou a vida de ninguém. É um militante político inclusive erudito, com formação e mestrado em filosofia, escritor, um pai de família tranquilo, que lutou a vida inteira pelas pessoas mais pobres.

Um juiz federal, que está no topo da cadeia alimentar do Estado, perseguir um simples cidadão, por conta de críticas públicas e transparentes à sua atuação, é uma completa aberração autoritária.

Abaixo, Roberto Ponciano fala ao Cafezinho, com exclusividade, sobre a perseguição de que é vítima. Ponciano é um militante corajoso e experiente e não tem medo de nada, mas sua família, naturalmente, está sofrendo muito com esse tipo de violência.

No vídeo, vê-se claramente que Ponciano está perplexo e indignado. É militante há 30 anos e nunca sofreu esse tipo de violência, mormente de um juiz! Passou pelos governos Sarney, Collor, FHC, Lula e Dilma, escrevendo, falando, militando, e sempre pode exercer a sua cidadania com liberdade.

E agora querem lhe tirar essa liberdade? Em nome de quem?

As críticas de Ponciano a Moro são inofensivas. Não podem causar mal nenhum ao juiz. Já a ação de Moro visa destruir a vida de Ponciano. Que assimetria é essa? Se Moro quer responder às críticas, que use as mesmas armas. Não sabe escrever? Não sabe falar?

Reaja como cidadão democrático e não como esbirro da nova ditadura!

Aproveite e leia o artigo de Ponciano que enfureceu o justiceiro da Globo.



___
Sérgio Moro é comparado a Adolf Eichmann por professor de Filosofia e Ética. Sérgio Moro é comparado a Adolf Eichmann por professor de Filosofia e Ética. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, abril 05, 2017 Rating: 5



SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não é necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD