Header AD

Nunca a prisão esteve tão perto de Lula.

A delação do fim do mundo bateu em quatro ex-presidentes, mas o envolvimento com o propinoduto da Odebrecht é devastador e incomparável no caso de Lula, diz jornalista para revista Veja.

Foto:(Jefferson Coppola/VEJA
Rodrigo Rangel para a Revista Veja Online —  Com os presidentes da República, a relação da Odebrecht tinha uma natureza especial – era a partir da proximidade com eles, afinal, que os negócios se desenvolviam com maior ou menor grau de sucesso. Não por acaso, seis dos presidentes do Brasil desde a redemocratização foram lembrados nos depoimentos prestados na delação do fim do mundo. Uns mais, outros menos. O caso de Lula é, sem dúvida, o mais constrangedor. Se os executivos da Odebrecht contaram a verdade, o petista foi capturado pela empreiteira. Se o que Marcelo Odebrecht disse for confirmado, Lula pode vir a ostentar o título de presidente mais corrupto da história – um mandatário que se submetia ao papel de marionete nas mãos de empresários e, em contrapartida, se locupletava do poder com dinheiro oriundo de esquemas de corrupção. O Lula que emerge das delações é um político pequeno, que não hesita em receber favores e presentes de empresários, inescrupuloso e capaz de ações ousadas quando o problema envolve poder e dinheiro.

As seis petições contra Lula enviadas pelo ministro Edson Fachin à primeira instância (leia-se juiz Sergio Moro) encorpam uma ficha extensa: Lula é réu em cinco processos, acusado de ter praticado os crimes de lavagem de dinheiro (211 vezes), corrupção passiva (dezessete vezes) e tráfico de influência (quatro vezes), além de organização criminosa e obstrução da Justiça. No próximo 3 de maio, Lula vai prestar depoimento a Moro, no primeiro encontro frente a frente entre os dois. A prisão preventiva é um risco cada vez mais real. Caso ela ocorra, o ex-presidente e o PT já têm um plano para transformar a eventual prisão em um espetacular ato político destinado a incendiar a militância.

****************************** 

PS. Se se confirmar o que diz o patriarca da mega-empresa, Emilio Odebrecht, (mesmo depois de deixar a presidência) Lula mantinha uma relação estranha, pessoal e antiética com o dono da empreiteira que pode levá-lo à cadeia (já que o real objetivo dos carniceiros do LavaJato é prendê-lo). Contudo, colocá-lo na prisão antes de Sarney, Collor e FHC, é perseguição, sim, porque a relação desses com a empreiteira foi muito mais "pesada" é são casos flagrantes de corrupção ocorridos antes do Lula presidente. Se Justiça de fato for feita, Sarney, Collor e FHC devem ir primeiro. E quanto a Dilma? Como se sabe, a Odebrecht queria esfaqueá-la pelas costas, aliás, isso de fato ocorreu, a empreiteira deu irrestrito apoio ao impeachment com doação de R$50 mi a Eduardo Cunha para sufocar o governo petista.

____
Nunca a prisão esteve tão perto de Lula. Nunca a prisão esteve tão perto de Lula. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on sábado, abril 15, 2017 Rating: 5



SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não é necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD