Header AD

Minirreforma de Eduardo Cunha permite que bandidos e corruptos sejam eleitos.

Reportagem do site The Intercept mostra absurdo da Justiça Eleitoral, que permite que criminosos e corruptos sejam eleitos no Brasil.



Do The Intercept.

EDUARDO CUNHA COORDENOU MINIRREFORMA QUE PERMITIU CANDIDATOS DRIBLAREM LEI FICHA LIMPA
Helena Borges
4 de out de 2016, 18h09
UM DETENTO ELEITO. Esse é o tipo de aberração que a legislação eleitoral brasileira conseguiu produzir. No último domingo, Ubiraci Rocha, de 40 anos, foi votar algemado e terminou o domingo eleito vereador em Catolé do Rocha, na Paraíba. Rocha, que responde a cinco processos por homicídio e um por pistolagem, recebeu 948 votos e foi o sexto político mais votado no município localizado a 411 km de João Pessoa.

Ele não foi o único ficha suja eleito no último domingo. Só na Paraíba, sete condenados por improbidade foram reeleitos. Em Ibatiba, no sul do Espírito Santo, o vereador com o maior número de votos, Carlos Alberto dos Santos (PSD), está na cadeia, acusado de improbidade administrativa e crimes de corrupção. Mas isso não o impediu de se reeleger com 999 votos, nem impedirá sua posse, porque seus advogados entraram com um recurso.

Quando suspeitos de crime conseguem se candidatar — e pior — se eleger, uma questão se torna urgente: afinal, para que serve a lei Ficha Limpa, se, depois da minirreforma, qualquer um pode seguir adiante com a candidatura quando consegue uma liminar?

Fomos fazer a pergunta ao idealizador da Ficha Limpa, o ex-juiz Márlon Reis.

Em entrevista ao The Intercept Brasil, ele explica que a minirreforma eleitoral de 2015 abriu uma brecha constitucional para os candidatos contornarem a lei:

“A partir de 2015, a lei passou a estabelecer que, quando há recurso, automaticamente, o candidato permanece na disputa. Isso não tinha, foi uma alteração da turma do Eduardo Cunha no ano passado, na reforma. É uma herança dele.”

A mudança a qual Reis se refere é a inclusão de dois parágrafos no Código Eleitoral:

A Lei nº 13.165, de 2015, nada mais é do que a minirreforma eleitoral, regida por Eduardo Cunha desde seu início. Esses dois parágrafos implementam o que foi chamado de “recurso suspensivo”, que determina que, se o TRE aceitar o recurso de um candidato, ainda que ele já tenha sido condenado, esse recurso se sobrepõe a qualquer outra decisão – exceto habeas corpus ou mandado de segurança.
O prefeito eleito em São Paulo, João Doria, é alvo de ação do Ministério Público, que pediu sua cassação Foto: PSDB divulgação institucional

O prefeito eleito em São Paulo, João Doria, é alvo de ação do Ministério Público, que pediu sua cassação Foto: PSDB divulgação institucionalA ressalva de Márlon Reis é que o candidato pode ser afastado, mesmo que já eleito, se o Tribunal Regional Eleitoral concluir o processo de recurso durante o mandato. É o que poderia acontecer, em São Paulo, com o prefeito eleito João Doria (PSDB), por exemplo. Ele é alvo de duas ações judiciais feitas pelo Ministério Público, que pedem a cassação do registro de sua candidatura nesta eleição por abuso de poder político e econômico. Caso a cassação fosse efetivada, novas eleições deveriam ser convocadas.

Antes, recursos não garantiam candidaturas

Reis admite, no entanto, que o recurso suspensivo “debilita” a efetividade da Lei Ficha Limpa: “Isso é reflexo do conflito permanente entre os setores atrasados, que se acostumaram com a prática desse delito e que possuem uma força política gigantesca. É uma eterna queda de braço”.

Enquanto isso, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, Paulo Mac Donald (PDT), recebeu a maioria dos votos para prefeito, porém não tomará posse porque está inelegível. Ele teve a candidatura indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral porque já possui condenação por improbidade administrativa, dano ao erário e enriquecimento ilícito. Recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral e foi autorizado a prosseguir com sua campanha, enquanto aguarda uma decisão final para saber se poderá tomar posse.

Para Ivar Hartman, professor e pesquisador do Centro de Justiça e Sociedade da FGV Rio, existem dois fatores que levam a esse quadro: “O primeiro é que a justiça eleitoral não é célere o suficiente. E, como exemplo, podemos ver o julgamento da agora ex-presidente Dilma Rousseff, que está com o TSE até hoje aguardando julgamento sobre a chapa. O segundo é que cai, assim, um dos objetivos da Lei Ficha Limpa, o de que que não importava se ainda havia recursos, se houve condenação.”

Originalmente, a Lei Ficha Limpa previa a suspensão da candidatura apesar da apresentação de recurso:

Porém, as mudanças que a minirreforma fez no código eleitoral vão contra essa medida e podem levar os juízes a decidirem a favor dos candidatos ficha suja. Foi o que aconteceu em Araçoiaba, no Ceará. A mãe do cantor Wesley Safadão, Valmira Silva de Oliveira (PR), foi reeleita vice-prefeita mesmo depois de sua chapa ter sido cassada e considerada inelegível sob a acusação de abuso de poder econômico e político. Ela e o prefeito Antônio Cláudio (PSDB) recorreram, suspendendo a sentença até o julgamento em instância superior.

No Rio de Janeiro, um caso similar: a justiça condenou o ex-prefeito e vereador Cesar Maia à perda de mandato em agosto. Mas ele também recorreu e acaba de ser reeleito, como o terceiro mais votado da cidade. É, como dizem por aí, a festa da democracia brasileira.
___
Minirreforma de Eduardo Cunha permite que bandidos e corruptos sejam eleitos. Minirreforma de Eduardo Cunha permite que bandidos e corruptos sejam eleitos. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, outubro 06, 2016 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD