Header AD

Polícia Militar é acusada de agir com truculência contra manifestantes do “Fora Temer – Amapá”.

— ‘Confesso que fazer um flagrante de truculência da PM no Ato Fora Temer do Amapá nesse dia 07 me deixou bastante assustada’, disse, nesta segunda-feira (8) a advogada Joelma Bandeira, na rede social Facebook.


Segundo a advogada, sem qualquer atitude criminosa aparente, o professor Rildo Frederico Ferreira Frederico foi coagido na Praça Veiga Cabral, quando o comando da guarnição do o 6º Batalhão pedia a nota fiscal do celular do docente. Policiais exigiam que o professor não fizesse filmagens do local público.

Joelma se apresentou como advogada do professor para acompanhá-lo, e acabou também sendo agredida com um empurrão, aos gritos de “cala a boca”.

 — ‘É lamentável chegar à conclusão que a onda de violência da PM está chegando nas manifestações pacíficas aqui também’, lamenta a advogada.

Devido aos protestos dos manifestantes, o professor Rildo Ferreira foi liberado.

Nos comentários do vídeo sobre o tumulto, na rede social Facebook, aparecem filmagens da PM de São Paulo quebrando o próprio vidro de uma viatura para utilizar como pretexto para criminalizar manifestantes.

No último final de semana, no Largo do Batata, a PM paulista voltou a agir atacando sem motivo aparente famílias e manifestantes do movimento "Fora Temer", que voltavam para suas casas.


Rildo Frederico Ferreira Frederico soltou nota sobre o episódio.

Esclarecimentos sobre a abordagem da PM/AP ao Professor Rildo logo após o ato Fora Temer:

1) Estavamos assistindo as apresentações culturais na Praça Veiga Cabral quando chegaram policiais militares e começaram a fazer abordagens agressivas as pessoas que estavam na praça.

2) O professor resolveu registrar a abordagem quando chegou um policial que avisou que não poderia fazer o registro das abordagens e de imediato puxou o braço do professor e levou a presença do tenente, pediram para que o professor colocasse as mãos na cabeça e fizeram a revista, o policial disse novamente que o professor não poderia fazer o registro com seu celular sem autorização deles! O professor respondeu que a praça era pública!

3) Logo após, pediram todos os documentos e nota fiscal do celular do professor que informou que estava no carro estacionado ao lado do teatro, no trajeto o mesmo foi chamado de Professor maconheiro, f.d.p e outros adjetivos depreciativo.

4) Chegando ao veículo foram apresentados documentos e o professor pediu para ser liberado. Após o policial ter feito a consulta na documentação, vistoriou o veículo na parte interna e como não encontraram nada de ilícito liberou o mesmo.

"Obrigado as pessoas que estavam na praça e que vieram prestar solidariedade. O policial disse que só não me levou preso para Ciosp porque as pessoas se aproximaram e vários conhecidos interviram e perguntaram o porque de está sendo detido. Uma colega advogada se apresentou e levou um empurrão, um colega artista do teatro foi chamado de maconheiro entre outras ofensas e provocações".

Lamentável a postura destes policiais que estavam no policiamento na noite do dia 07 de setembro.

Abaixo a criminalização dos movimentos sociais.

Veja Vídeo.

___
Polícia Militar é acusada de agir com truculência contra manifestantes do “Fora Temer – Amapá”. Polícia Militar é acusada de agir com truculência contra manifestantes do “Fora Temer – Amapá”. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, setembro 08, 2016 Rating: 5



SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não é necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD