Header AD

Governo discute decreto de calamidade nas finanças entre os Poderes.

Nesta segunda-feira, o Conselho de Gestão Fiscal reuniu novamente para discutir a possibilidade de decretar, no Amapá, calamidade nas finanças públicas. A reunião coordenada pelo governador Waldez Góes aconteceu no Palácio do Setentrião e teve a presença de integrantes dos Poderes Legislativo, Judiciário e Ministério Público. As informações são da jornalista Liliam Guimarães.

Foto: Ruan Alves.

A decisão tem sido debatida também com outros 20 Estados brasileiros. Governadores do Norte, Nordeste e Centro-Oeste reforçaram, em carta enviada ao governo federal, pedido de ajuda financeira. No texto, os governadores destacam que o cenário de crise financeira tem gerado uma situação de colapso. A expectativa é que no próximo dia 04 de outubro, os governadores reúnam com o presidente da República, Michel Temer, e assim, consigam juntos encontrar medidas para reverter o atual quadro.

Segundo os governadores, o cenário tem prejudicado serviços essenciais que envolvem segurança, saúde, educação, dentre outros, atrasando o repasse para outros Poderes, pagamentos de dívidas e resultando no parcelamento dos salários dos servidores, como tem ocorrido no Amapá desde março deste ano.

“Em outros Estados a situação se torna ainda mais grave, com atrasos de três meses de salários. No Amapá, decidimos priorizar a folha de pagamento, e assim tem sido feito, mesmo que seja decretado estado de calamidade financeira, os salários serão pagos”, assegurou o governador Waldez Góes.

A presidente do Tribunal de Justiça, Sueli Pini, apoiou a iniciativa do Estado e mediou o debate entre os Poderes, sinalizando que este momento delicado deve ser enfrentando de forma conjunta.

“O governo sempre manteve a transparência das contas públicas. Desde o ano passado estamos em reuniões constantes, e isso nos faz responsáveis e devemos caminhar em conjunto com o Estado”, ponderou Sueli Pini.

Os técnicos do Governo apresentaram um déficit projetado de aproximadamente R$1 bilhão, composto em parte, pela frustração da receita que chegou em torno de R$400 milhões até agosto.

A queda da economia afeta, especialmente, os Estados que dependem mais das receitas partilhadas com a União, principalmente o Fundo de Participação dos Estados (FPE). As frustrações do FPE e do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), apontam que os dados consolidados até o mês de agosto confirmam uma queda de, aproximadamente, R$ 414 milhões.

Paralelo a isso, o Amapá também enfrenta o aumento da dívida pública, uma vez que foi desfavorecido no acordo de alongamento das dívidas dos Estados com a União, que contempla apenas débitos contraídos até 2010, deixando de fora as maiores dívidas do Estado como pagamento dos empréstimos com a Caixa Econômica Federal relacionadas à federalização da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) e com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), ambos contraídos pelo governo passado, restando para a atual gestão o pagamento do débito. Nos últimos dois anos, a dívida pública do Amapá subiu de R$ 80 milhões para R$ 360 milhões ao ano, acréscimo de quase 480%.
____
___
Governo discute decreto de calamidade nas finanças entre os Poderes. Governo discute decreto de calamidade nas finanças entre os Poderes. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on terça-feira, setembro 27, 2016 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD