Header AD

MPE impugna registro de candidata à prefeitura de Laranjal do Jarí.

O Ministério Público Eleitoral, por meio do promotor Eleitoral Rodrigo César, ingressou com uma ação de impugnação de registro de candidatura contra a candidata Euricélia Melo Cardoso, do Partido Progressista (PP). Com infoformações do MPE/AP.

Foto: Jorna A gazeta.

Após investigações, apurou-se que a candidata possui ao menos três óbices para concorrer nessas eleições. Além de ter sofrido a suspensão dos seus direitos políticos por decisão do Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), nos autos da Ação de Improbidade 0002524-68.2012.8.03.0008, Euricélia não prestou contas da campanha para deputada federal, em 2014, e teve rejeitadas as contas de um convênio federal para a construção de uma ponte entre Laranjal do Jari e Monte Dourado.

A ex-prefeita foi condenada pelo TJAP, com trânsito em julgado, em fevereiro de 2015. Na ação de improbidade, proposta pelo Ministério Público, ficou comprovado que Euricélia favoreceu terceiros com a concessão irregular de placas de taxi.

Além disso, e conforme acórdão exarado e transitado em julgado nos autos da Prestação de Contas 1460-44.2014.6.03.0000, a ora impugnada teve as suas contas consideradas como não prestadas, relativamente à candidatura ao cargo de deputada federal, por ocasião das Eleições de 2014.

Importante ressaltar, nesse ponto, que a não prestação das contas de campanha, além de constituir óbice à diplomação do candidato eleito, implica em descumprimento de obrigação político-eleitoral a todos imposta (hipótese de suspensão de direitos políticos na forma do art. 15, da CF), impedindo a obtenção da quitação eleitoral, no caso, por quatro anos subsequentes ao do mandato disputado, e para além desse prazo, até que as contas sejam prestadas.

“Tudo por força do disposto no art. 53, I, da Resolução TSE 23.376/2012, que veio a consolidar o que preconizam as Resoluções 21.823/2004, 21.848/2004 e 22.715/2008, todas do Tribunal Superior Eleitoral – TSE”, esclarece o promotor Rodrigo César.

Finalmente, no bojo da Tomada de Contas 002.961/2010-50, autuada pelo Tribunal de Contas da União (TCU), transitada em julgado em 2014, o órgão de controle julgou irregulares as contas prestadas pela ex-gestora, tendo identificado execução de pequena parcela do objeto, não obstante ter sido repassado o valor integral da verba federal.

"Se uma pessoa já foi considerada má gestora por três órgãos diferentes (TJAP, TRE-AP e TCU), não se pode conceber que a mesma tenha uma nova oportunidade para gerir recursos públicos. Os muitos trabalhadores que fazem a travessia diária entre Laranjal do Jari e Monte Dourado podem atestar, de segunda a segunda, um dos maiores legados e símbolos da má gestão verificada no Município", finalizou o promotor, referindo-se aos pilares da obra inacabada para a construção de uma ponte.
__
MPE impugna registro de candidata à prefeitura de Laranjal do Jarí. MPE impugna registro de candidata à prefeitura de Laranjal do Jarí. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, agosto 24, 2016 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD