Header AD

Ex-presidente da Alap é condenado a 10 anos em regime fechado.

Em sessão realizada nesta quarta-feira, 31, o pleno do Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP) condenou o ex-presidente da Assembleia Legislativa do Estado (ALAP), deputado estadual Moisés Souza, a mais de 10 anos de prisão, perda do mandato eletivo, além de ressarcimento de dano ao erário, pelos crimes de peculato desvio e dispensa ilegal de licitação. As informações são do MP/AP.

Discurso no Setentrião e em campanha do dep. Eduardo Cunha

O ex-deputado Edinho Duarte e mais cinco pessoas arroladas na Ação também foram condenados, inclusive por crime de falsidade ideológica. A ação penal é resultado de denúncia ofertada pelo Ministério Público do Amapá (MP-AP), em julho de 2012.

Os réus foram condenados por atos ilícitos praticados pela ALAP na contratação da Cooperativa de Transportes do Amapá – TRANSCOOP, comprovadas nos autos do Processo Administrativo nº 024/2011-PRESI/AL, informações bancárias e prova testemunhal.

Segundo as investigações do MP-AP, decorrente da Operação Eclésia, os condenados participaram de uma ação fraudulenta, durante a contratação emergencial dos serviços da TRANSCOOP, que resultou em prejuízo ao erário no valor de R$ 235 mil (duzentos e trinta e cinco mil reais).

A contratação da cooperativa foi comandada por Moisés Souza e Edinho Duarte e realizada, supostamente, em caráter de emergência, sob o argumento de atender às necessidades de deslocamento de servidores e deputados até os municípios do Estado.

A fraude ganhou ainda mais sustentação quando o presidente da TRANSCOOP, Eduardo Barreto, espontaneamente, revelou o esquema de fraude à licitação com o direcionamento da contratação e o pagamento pela ALAP por serviços não prestados, ou seja, a TRANSCOOP não apresentou nenhum veículo para locação. Por ter colaborado com a Justiça, Eduardo recebeu o perdão judicial.

A relatoria da Ação Penal foi do desembargador Raimundo Vales, que condenou os réus por peculato desvio. Entendimento que foi acompanhado pelos demais magistrados, bem como o voto do revisor, juiz convocado Luciano Assis que enquadrou os acusados nos crimes de dispensa ilegal de licitação e um em falsidade ideológica.

Os procuradores de Justiça Nicolau Crispino e Estela Sá fizeram a sustentação do MP-AP no Pleno. “A condenação dos réus reflete a seriedade do trabalho de apuração realizado pelo Ministério Público em defesa do patrimônio público. Esta já é a quarta ação da Operação Eclésia julgada, todos com resultado desfavorável aos acusados”, disse o procurador Nicolau.
 __
Ex-presidente da Alap é condenado a 10 anos em regime fechado. Ex-presidente da Alap é condenado a 10 anos em regime fechado. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, agosto 31, 2016 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD