Header AD

Cutrim: Sarney, a sombra da eleição em Macapá e a ‘aliança frankenstein’.

Colunista John Cutrim, do Jornal Pequeno do Maranhão, pincela sobre a política de alianças em Macapá. 


Do Site do John Cutrim.

Uma aliança frankenstein em busca da reeleição. É assim que aliados e desafetos definem em Macapá a parceria da Rede Sustentabilidade, partido criado pela ex-senadora Marina Silva sob o discurso de “nova política”, com legendas como DEM, PSC e PSDB. Clécio Luís, candidato à reeleição na cidade, já havia colocado o refratário Psol, partido a que era filiado, no mesmo balaio dos democratas nas eleições que o levaram pela primeira vez à chefia do Executivo municipal, em 2012. “Clécio fez a opção por uma aliança conservadora para ter sustentação na Câmara”, justifica o ex-aliado João Capiberibe (PSB-AP), senador e ex-governador do estado.

Novamente de braços dados com o DEM, Clécio tenta nas eleições de outubro manter distante da principal cidade do estado a sombra do oligarca mais longevo da história brasileira, o ex-presidente e ex-senador José Sarney, há não muito tempo alvo de um pedido do Ministério Público para que usasse tornozeleira eletrônica por suspeitas de atuar para atrapalhar a Operação Lava-Jato. Sarney, que desgastado no Maranhão teve de recorrer ao Amapá para tentar perpetuar sua influência política, não aparece mais na região que lhe deu três mandatos como senador. Mas mesmo com a onipotência em xeque, continua dando as cartas no caciquismo local.

Ausente de palanques públicos, o coronel está longe de amargar o ocaso político a que aparentemente estava submetido desde 2014, quando anunciou que deixaria a vida parlamentar. Depois de retornar ao noticiário político em uma gravação do ex-presidente da Transpetro Sergio Machado, na disputa pela prefeitura de Macapá José Sarney operou à distância para a consolidação da candidatura do eterno aliado Gilvam Borges (PMDB). Dono de um poderoso conglomerado de rádios e televisões no estado, Borges é o candidato orgânico da oligarquia Sarney, aliado do também sarneysista Waldez Góes, governador do estado, e potencialmente o único capaz de fazer frente ao favoritismo de Clécio, ainda que também disputem a prefeitura a ex-vice governadora Dora Nascimento (PT), a vereadora Aline Gurgel (PRB), Promotor Moisés (PEN), o ex-deputado estadual Ruy Smith (PSB) e o sindicalista Genival Cruz (PSTU).

O arranjo político costurado à distância por Sarney para a disputa de outubro colocou lado a lado Gilvam Borges e o empresário Adiomar Veronese, como candidato a vice. Veronese é o mesmo que anos antes havia sido acusado pelo governador Waldez Góes de “tramar” para que ele, Waldez, e a primeira-dama Marília Góes fossem presos na Operação Mãos Limpas, da Polícia Federal. Gilvam e Waldez são a personificação de Sarney no Amapá. Veronese hoje compõe o mesmo grupo. As alianças frankenstein não são exclusivas de Clécio. (Veja).
___
Cutrim: Sarney, a sombra da eleição em Macapá e a ‘aliança frankenstein’. Cutrim: Sarney, a sombra da eleição em Macapá e a ‘aliança frankenstein’. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, agosto 24, 2016 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD