Header AD

Pedido de vista suspende julgamento de ação penal contra Moisés e Edinho.

Pedido de vista feito pela desembargadora Stella Ramos, adiou o fim do julgamento de mais uma ação penal criminal resultado da Operação Eclésia, deflagrada pelo Ministério Público do Amapá, em conjunto com a Polícia Civil do estado, em 22 de maio de 2012, no âmbito da Assembleia Legislativa do Amapá. As informações são do jornalista Paulo Silva.

O processo trata-se do caso que investigou fraude na contratação da empresa INFOMANAGER LTDA para a prestação de serviço de digitalização do acervo documental da Assembleia Legislativa do Amapá, envolvendo a soma de R$ 8,5 milhões, sendo aproximadamente oito milhões e quinhentas mil páginas a serem digitalizadas.

São réus na ação penal o deputado Moisés Souza (PSC), presidente da Assembleia Legislativa à época dos fatos, o ex-deputado Edinho Duarte, então primeiro-secretário da mesa diretora, Edmundo Ribeiro Tork e Janiery Torres Everton e a empresária Rita de Cássia da Silva Melo.

O relator do processo, desembargador Raimundo Vales, considerou que o processo realizado pela Assembleia Legislativa ocorreu dentro da legalidade e votou pela absolvição de todos os denunciados. Vales foi acompanhado pelo revisor, juiz convocado Luciano Assis, que votou também pela absolvição de todos os réus. O desembargador Manoel Brito antecipou seu voto e acompanho o relator, somando três votos pela absolvição dos réus.

O desembargador Carlos Tork votou pela condenação do deputado Moisés Souza, Janiery Torres Everton e Rita de Cássia da Silva Melo Fonseca, pela prática do crime tipificado no artigo 90 da lei 8.666/93 e pela absolvição dos demais réus. Já o desembargador Carmo Antônio resolveu aguardar o retorno do processo.

Falou pela acusação o subprocurador-geral de Justiça, Márcio Augusto Alves, e pela defesa dos réus os advogados Jean Carlo Ferreira (Rita de Cássia da Silva Melo Fonseca), Maurício Silva Pereira (Edmundo Ribeiro Tork Filho e Janiery Torres Everton), Inocêncio Mártires (Moisés Souza). O defensor público Cáio Tácito Mendes Cardoso pelo réu Jorge Evaldo Edinho Duarte Pinheiro, não fez uso da palavra.

O Pleno do Tribunal de Justiça do Amapá, à unanimidade, rejeitou as preliminares de nulidade do processo por utilização de prova ilícita, nulidade da prova por incompetência do juízo e de ofensa aos princípios do contraditório, da ampla defesa e do devido processo legal.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, em maio de 2011, o então secretário de administração da Assembleia Legislativa, Ednardo Tavares de Souza, encaminhou ao então presidente a Casa, deputado Moisés Souza, memorando em que sugeria a implementação de um processo de digitalização de todo acervo documental da instituição.

Diante da provocação, Moisés Souza resolveu instaurar procedimento licitatório para atender a tal demanda, na modalidade de pregão, saindo-se vencedora a empresa "INFOMANAGER LTDA.", representada pela acusada Rita de Cássia, única empresa a participar da licitação.

Segundo o MP, foram apuradas várias irregularidades e ilegalidades ocorridas antes, durante e após o Pregão 010/2011-AL/AP, como ausência de critérios de aceitabilidade e fraude na pesquisa prévia de preços, inserção de cláusula restritiva à licitação, sobrepreço, declaração falsa, inexistência de termo de contrato, liquidação irregular de despesas e ausência de fiscal do contrato.

O Ministério Público afirma ter encontrado indícios de direcionamento da licitação e superfaturamento no contrato, de mais de R$ 7 milhões. A acusação inclui, além de fraude à licitação para todos os denunciados, a de formação de quadrilha para ambos os deputados, e para o secretário finanças e para o pregoeiro.

__
Pedido de vista suspende julgamento de ação penal contra Moisés e Edinho. Pedido de vista suspende julgamento de ação penal contra Moisés e Edinho. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, julho 27, 2016 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD