Header AD

Pedido de vista suspende julgamento de ação penal contra Moisés e Edinho.

Pedido de vista feito pela desembargadora Stella Ramos, adiou o fim do julgamento de mais uma ação penal criminal resultado da Operação Eclésia, deflagrada pelo Ministério Público do Amapá, em conjunto com a Polícia Civil do estado, em 22 de maio de 2012, no âmbito da Assembleia Legislativa do Amapá. As informações são do jornalista Paulo Silva.

O processo trata-se do caso que investigou fraude na contratação da empresa INFOMANAGER LTDA para a prestação de serviço de digitalização do acervo documental da Assembleia Legislativa do Amapá, envolvendo a soma de R$ 8,5 milhões, sendo aproximadamente oito milhões e quinhentas mil páginas a serem digitalizadas.

São réus na ação penal o deputado Moisés Souza (PSC), presidente da Assembleia Legislativa à época dos fatos, o ex-deputado Edinho Duarte, então primeiro-secretário da mesa diretora, Edmundo Ribeiro Tork e Janiery Torres Everton e a empresária Rita de Cássia da Silva Melo.

O relator do processo, desembargador Raimundo Vales, considerou que o processo realizado pela Assembleia Legislativa ocorreu dentro da legalidade e votou pela absolvição de todos os denunciados. Vales foi acompanhado pelo revisor, juiz convocado Luciano Assis, que votou também pela absolvição de todos os réus. O desembargador Manoel Brito antecipou seu voto e acompanho o relator, somando três votos pela absolvição dos réus.

O desembargador Carlos Tork votou pela condenação do deputado Moisés Souza, Janiery Torres Everton e Rita de Cássia da Silva Melo Fonseca, pela prática do crime tipificado no artigo 90 da lei 8.666/93 e pela absolvição dos demais réus. Já o desembargador Carmo Antônio resolveu aguardar o retorno do processo.

Falou pela acusação o subprocurador-geral de Justiça, Márcio Augusto Alves, e pela defesa dos réus os advogados Jean Carlo Ferreira (Rita de Cássia da Silva Melo Fonseca), Maurício Silva Pereira (Edmundo Ribeiro Tork Filho e Janiery Torres Everton), Inocêncio Mártires (Moisés Souza). O defensor público Cáio Tácito Mendes Cardoso pelo réu Jorge Evaldo Edinho Duarte Pinheiro, não fez uso da palavra.

O Pleno do Tribunal de Justiça do Amapá, à unanimidade, rejeitou as preliminares de nulidade do processo por utilização de prova ilícita, nulidade da prova por incompetência do juízo e de ofensa aos princípios do contraditório, da ampla defesa e do devido processo legal.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, em maio de 2011, o então secretário de administração da Assembleia Legislativa, Ednardo Tavares de Souza, encaminhou ao então presidente a Casa, deputado Moisés Souza, memorando em que sugeria a implementação de um processo de digitalização de todo acervo documental da instituição.

Diante da provocação, Moisés Souza resolveu instaurar procedimento licitatório para atender a tal demanda, na modalidade de pregão, saindo-se vencedora a empresa "INFOMANAGER LTDA.", representada pela acusada Rita de Cássia, única empresa a participar da licitação.

Segundo o MP, foram apuradas várias irregularidades e ilegalidades ocorridas antes, durante e após o Pregão 010/2011-AL/AP, como ausência de critérios de aceitabilidade e fraude na pesquisa prévia de preços, inserção de cláusula restritiva à licitação, sobrepreço, declaração falsa, inexistência de termo de contrato, liquidação irregular de despesas e ausência de fiscal do contrato.

O Ministério Público afirma ter encontrado indícios de direcionamento da licitação e superfaturamento no contrato, de mais de R$ 7 milhões. A acusação inclui, além de fraude à licitação para todos os denunciados, a de formação de quadrilha para ambos os deputados, e para o secretário finanças e para o pregoeiro.

__
Pedido de vista suspende julgamento de ação penal contra Moisés e Edinho. Pedido de vista suspende julgamento de ação penal contra Moisés e Edinho. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, julho 27, 2016 Rating: 5



SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não é necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD