Header AD

"Calote dos Consignados de Waldez" é mais grave do que "pedaladas de Dilma", diz promotor.

Avaliação é de Edson Azambuja, promotor de Justiça de Palmas, no Tocantins, que abriu inquérito para apurar conduta daquele Estado; para ele, há fortes indícios de retenção de recursos. No Amapá o governo também é acusado de descontar dinheiro em contas dos servidores e não repassar aos bancos.


Matéria de Márcia De Chiara e Francisco Carlos de Assis, para o jornal "O Estado de S.Paulo" cita o Amapá como um dos estados, junto com Rio de janeiro e Tocantins que podem ter descontados parcelas do crédito consignado dos salários dos servidores públicos e de não repassá-las aos bancos.

Para o promotor, utilizar esses recursos para contornar a situação de mã gestão das finanças públicas, é mais grave do que as pedaladas fiscais que culminaram com a abertura do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.

O promotor da Defesa do Patrimônio Público da 9ª Promotoria de Justiça de Palmas (TO), Edson Azambuja, abriu um inquérito para investigar a improbidade administrativa dos gestores das secretarias da Fazenda e do Planejamento do seu Estado por conta dessa prática. “Há fortes indícios de retenção dos recursos e do não repasse para as instituições financeiras. Isso é mais sério do que pedalada”, afirma.

O governador Waldez Góes é réu em processo semelhante, acusado de Improbidade por apropriação indébita. O pedetista teria autorizado, em 2009 e 2010, no segundo mandato à frente do Executivo, o desconto de cerca de R$70 milhões dos contracheques dos servidores e não os repassar aos bancos que cederam o crédito.

Os bancos à época das irregularidades inseriram os nomes dos servidores amapaenses no Serviço de Proteção ao Crédito (Serasa), muitos deles ingressaram na Justiça com ações de danos morais e materiais.
Se de fato o governo do Estado volta com a mesma política econômica de 2009 e 2010, há possibilidade da história se repetir. Desta vez o servidor já pode estar ciente do que o aguarda.

Detalhe: se as “pedaladas”, que são menos grave do que descontar recursos dos servidores e não repassar aos bancos, causaram a queda de Dilma (mesmo elas não terem ocorrido, segundo perícia do Senado), o que fazer então com governo do Amapá?

Atualizado em 19-07-2016, às 6h53'.
___

"Calote dos Consignados de Waldez" é mais grave do que "pedaladas de Dilma", diz promotor. "Calote dos Consignados de Waldez" é mais grave do que "pedaladas de Dilma", diz promotor. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on terça-feira, julho 19, 2016 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD