Header AD

Ex-reitor da Unifap José Carlos Tavares Carvalho tem contas rejeitadas pelo TCU.

Políticos e gestores têm contas julgadas e rejeitadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Na lista que o Tribunal entregou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ver aqui, na última quinta-feira, 9, figuram nomes como o do ex-reitor da Universidade Federal do Amapá (Unifap), José Carlos Tavares Carvalho, os ex-prefeitos de Macapá, Santana e Laranjal do Jari, nessa ordem, João Henrique, Rosemiro Rocha e Euricélia Cardoso. Entre outros nomes, o do ex-secretário de saúde do Amapá, Jardel Nunes. Todos estão inelegíveis.


Ao todo o Amapá tem 158 nomes que tiveram contas julgadas irregulares com consequente condenação por gestão ilegal, ilegítima ou que deram desfalque ou ainda que desviaram dinheiro público.

A condenação das contas ilegais do ex-reitor da Unifap são apenas as constatadas do exercício de 2010, ano da deflagração da operação “Mãos Limpas” no Amapá. Ele, além de ter o nome inelegível, foi penalizado a pagar multas.

Tavares foi condenado por fraude em edital e dispensas indevidas de licitação os quais resultaram nos contratos que favoreceram a Fundação Marco Zero em cinco contratos com a Unifap, cujos objetos incluíam a prestação de serviços relacionados à contratação de pessoas físicas, locação de veículos, aquisição de material de expediente e outras atividades.

Entre outras inúmeras ilegalidades, o ex-reitor modificou edital da concorrência n. 1/2010 alterando o valor da contratação com reflexo na garantia a ser apresentada pelo licitante, e sem que houvesse a respectiva publicidade pela mesma forma do aviso original, o que feriu o art. 21 da Lei n. 8.666/1993.

O Tribunal rejeitou todos os recursos impetrados por José Carlos Tavares para reverter sua condenação e pagamento de multas, pois ficaram expostas as ilegalidades e afronta à lei de licitações, Lei n. 8.666/1993.

Nos bastidores da política José Carlos Tavares se preparava para disputar uma vaga a vereador de Macapá. Ele se candidatou a deputado federal em 2014, porém sem conseguir êxito. Com rejeição das suas contas, ele fica inelegível.

João Henrique Pimentel

Ex-prefeito de Macapá no período de 2000 a 2008, teve contas rejeitadas em virtude de irregularidades praticadas na aplicação dos recursos referentes ao convênio no valor de R$ 3.141.138,00, celebrado entre o Fundo Nacional de Saúde e a Prefeitura da Capital (PMM), objetivando construir e equipar o Hospital do Câncer de Macapá.

Diversas irregularidade foram constatadas pelo TCU, entre elas a apresentação dos extratos bancários das aplicações financeiras no período de 1/4/2001 a 1/2/2002, e de 1/4/2002 a 1/8/2006. Além disso a PMM não observou a Lei 8.666/1993 quando da formalização do procedimento licitatório para a execução do convênio, no âmbito da Concorrência Pública n. 001/2001-CPL/SEMOSP/PMM.

João Henrique foi preso pela Polícia Federal no final de 2004, após ser reeleito prefeito da capital.
Atualmente está vereador e havia disposição dele concorrer novamente à PMM, nas eleições de outubro.

Rosemiro Rocha

Ex-prefeito do município de Santana no período de 2001 a 2004 é o político com mais contas rejeitadas pelo Tribunal, teve 11 processos irregulares.

A última rejeitada pelo TCU foi em relação ao Convênio entre a Prefeitura Municipal de Santana e a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) para a construção de 247 módulos sanitários, ao custo total de R$ 408.163,26, sendo R$ 400.000,00 de responsabilidade da fundação e R$ 8.163,26 cabendo à municipalidade a título de contrapartida. Foram construídos apenas 162 dos 247 módulos sanitários pactuados. Entre outras irregularidades, a efetivação do pagamento antecipado de despesas, sem a correspondente contraprestação de serviços e antes da emissão da Ordem de Serviço.

Rosemiro Rocha foi preso na Operação Pororoca deflagrada pela Polícia Federal em dezembro de 2004.

Euricélia Cardoso

Ex-prefeita do município de Laranjal do Jari no período de 2004 a 2012, Euricélia Cardoso teve as contas rejeitadas pelo Tribunal no que se refere à execução das obras de construção da ponte sobre o Rio Jari.

Entre outas irregularidades, execução de pequena parcela do objeto, não obstante ter sido repassado o valor integral da verba federal; superfaturamento em decorrência da existência de custos unitários injustificadamente superiores aos preços de referência de mercado.

Devido à inexecução do objeto, o empreendimento permaneceu inacabado e sem condições de uso, sendo que no local onde deveria ter sido implementada a ponte sobre o Rio Jari há apenas um canteiro de obras completamente abandonado, de tal forma que, das etapas previstas para a finalização da obra, somente foram concluídos alguns pilares de apoio e não foram implementadas todas as demais estruturas, embora tenha sido repassada a integralidade dos recursos federais pactuados.

A ex-prefeita Euricélia Melo Cardoso, em solidariedade com a empresa Estacon Engenharia, foi condenada a recolher ao Tesouro Nacional a quantia de R$ 9.750.000,00 (nove milhões, setecentos e cinquenta mil reais) aos cofres públicos.

Euricélia foi presa pela operação Citrus deflagrada pela Polícia Federal, em novembro de 2013.

Jardel Nunes

Ex-secretário de Estado da Saúde no período de 2000 a 2001. Teve as contas rejeitadas pelo TCU por ter feito pagamentos por materiais não fornecidos. Além de contratações diretas sem amparo legal e aquisição de produtos a preços excessivamente superiores aos de mercado.
***
O espaço está aberto para os citados nesta matéria, caso queiram se manifestar.
*****
___
Ex-reitor da Unifap José Carlos Tavares Carvalho tem contas rejeitadas pelo TCU. Ex-reitor da Unifap José Carlos Tavares Carvalho tem contas rejeitadas pelo TCU. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on domingo, junho 12, 2016 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD