Header AD

STF condena ex-prefeito de Macapá, Roberto Góes.

— A partir do momento em que o acusado consciente e voluntariamente se apropria de verbas que detém em razão do cargo que ocupa e as desvia para finalidade distinta daquela a que se destina, pagando os salários dos servidores municipais, não há dúvida de que pratica o crime de peculato-desvio — disse o ministro Luís Roberto Barroso. Com estas palavras, o pleno do Supremo Tribunal Federal acompanhou o voto de Barroso, relator do processo, e condenou Roberto Góes a dois anos, oito meses e 20 dias de reclusão.

Segundo a acusação, em 2012, o então prefeito não repassou ao Itaú-Unibanco o valor correspondente a mais de R$ 8 milhões referentes a empréstimos consignados. A defesa alegou que Góes utilizou os valores retidos para custear serviços públicos essenciais para a população e também para pagar salários de servidores. Para Barroso, ficou configurado o crime de peculato, já que a prefeitura deu outra destinação aos recursos.

O deputado não perde, por enquanto, o mandato e pode recorrer à decisão. Apena deve ser executada quando não houver mais recursos

Veja Matéria.

O Globo - POR CAROLINA BRÍGIDO
Deputado Roberto Góes (PDT-AP) foi condenado pelo Supremo por peculato - Agência Câmara

BRASÍLIA – A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) condenou o deputado federal Roberto Góes (PDT-AP) pelos crimes de peculato e assunção de obrigação no último ano de mandato. Segundo o Código Penal, o primeiro crime ocorre quando alguém se apropria de bem público em proveito próprio ou para outra pessoa. O segundo crime é previsto quando a autoridade pública ordena uma providência que não possa ser paga no mesmo exercício financeiro. Os crimes teriam ocorrido em 2012, o último ano de Góes no mandato de prefeito em Macapá (AP).

Segundo as investigações, o ex-prefeito teria cobrado os servidores recursos referentes ao pagamento de empréstimos consignados. No entanto, ele não teria realizado os repasses ao banco credor. O relator da ação, ministro Luís Roberto Barroso, fixou a pena em dois anos, oito meses e 20 dias de reclusão.

A pena foi convertida em prestação de serviços a uma entidade filantrópica, durante uma hora por dia, pelo mesmo período. Além disso, o parlamentar terá de pagar multa no valor de 20 salários mínimos em gêneros alimentícios, medicamentos ou material escolar. O valor corresponde a R$ 17,6 mil. A pena não será cumprida imediatamente, porque o parlamentar ainda pode recorrer da decisão ao próprio STF.

 [...]

O dinheiro que não foi repassado ao banco foi pago pela gestão seguinte na prefeitura, em 60 parcelas mensais, devido à falta de disponibilidade nos cofres públicos. A situação configurou o crime de assunção de obrigação. A decisão foi tomada por três votos a dois. Concordaram com Barroso os ministros Edson Fachin e Rosa Weber. Já os ministros Luiz Fux e Marco Aurélio Mello queriam absolver o réu da acusação de peculato.
__
STF condena ex-prefeito de Macapá, Roberto Góes. STF condena ex-prefeito de Macapá, Roberto Góes. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on terça-feira, maio 17, 2016 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD