Header AD

Marília e Roberto Góes são condenados por fraude nas eleições de 2008.

O juiz eleitoral Reginaldo Andrade condenou o deputado federal Roberto Góes (PDT), a deputada estadual Marília Góes (PDT), e a ex-vice-prefeita de Macapá, Helena Guerra, a pagar multa no valor de R$ 50 mil UFIRs por abuso do poder econômico e captação ilícita de ilícita de sufrágio durante as eleições municipais de 2008. A sentença foi proferida em 18 de outubro.


De acordo com a denúncia, durante as eleições de 2008 houve captação ilícita de sufrágio através do programa “Renda pra Viver Melhor”; distribuição de renda entre pessoas carentes, flagrantemente utilizada para o uso político e de promoção da candidatura de pessoa do interesse dos representados Roberto Góes e Helena Guerra, com fundamentado no artigo14, § 9º, da Constituição Federal, com observância do procedimento do art. 1º, inciso I, d e art. 19, todos da Lei Complementar nº 64/90, na forma das Resoluções nº 21.634 e 21.635/2004, ambas do TSE.

Nas alegações consta que o Renda para Viver Melhor é um programa de interesse público que visa melhorar a distribuição de renda entre as pessoas carentes, oferecendo-lhes melhores oportunidades. O benefício é concedido através da via bancária e uso de cartão magnético.

Entretanto, narra a peça que os investigados estavam entregando o benefício pessoalmente, de forma direta, possibilitando o contato físico com o beneficiado, oportunidade em que pediam os votos para o então candidato a prefeito, vinculando, assim, a entrega do benefício pago pelo Estado à candidatura de pessoa interessada dos investigados.

Em sua decisão, o juiz diz que os infratores referenciados já cumpriram os mandatos dos cargos de prefeito e vice-prefeito, razão pela qual o magistrado julga prejudicados os pedidos de cassação dos registros de candidatura e de diploma e inelegibilidade do Prefeito de ANTONIO ROBERTO RODRIGUES GÓES DA SILVA, bem como de sua Vice-Prefeita HELENA GUERRA, tudo nos termos do art. 22, XIV da LC Nº 64/90 com a redação dada pela LC nº 135/2010. “Entretanto, restando praticadas as condutas vedadas, e como a sanção pecuniária não está sujeita ao marco temporal, nos termos do art. 73, IV, c/c § 4º, da Lei das Eleições, imponho- lhes a pena de multa que fixo em 50.000 (cinquenta mil) UFIR”.

A ação foi movida pela Coligação Frente Pela Mudança, que tinha como candidato a prefeito, Camilo Capiberibe (PSB) e vice Randolfe Rodrigues (ex-PSOL).

A decisão é de 1a instância e cabe recurso.

Com informações do MZ Portal.
__
Marília e Roberto Góes são condenados por fraude nas eleições de 2008. Marília e Roberto Góes são condenados por fraude nas eleições de 2008. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, novembro 11, 2015 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD