Header AD

Justiça iniciou julgamento de mais uma ação penal decorrente da Operação Eclésia.

Operação Eclésia: Interrogados os réus da Ação Penal que apura fraude em contratos milionários da ALAP para aquisição de passagens aéreas.

Foto: Asscom/MP.

Nesta Ação, o Ministério Público do Amapá (MP-AP) apurou o pagamento de mais de R$ 4 milhões em passagens aéreas pela Assembleia Legislativa do Amapá (ALAP) a uma empresa suspeita. As informações são do Ministério Público do Amapá (MP-AP).

A audiência no Tribunal de Justiça aconteceu nesta quinta-feira, 3, e todos os réus da Ação Penal Pública nº 0001417-13.2012.8.03.0000 foram interrogados pela subprocuradora-geral de Justiça, Estela Sá, em sessão de instrução presidida pelo relator do caso, desembargador do Tribunal de Justiça do Amapá, Carlos Tork.

O deputado Moisés Souza (PSC) e o ex-deputado Edinho Duarte são acusados, segundo a denúncia do MP, de manter um contrato fraudulento com a empresa Tapajós Agência de Viagens para fornecimento de passagens aéreas nos anos de 2011 e 2012. Nos autos, consta documentação revelando que, em 23 de março de 2011, foi assinado, em caráter emergencial, ou seja, com dispensa de licitação, um contrato no valor de R$ 2 milhões de reais.

Em seguida, no mês de agosto de 2011, a ALAP assina um novo contrato com a empresa Tapajós, mediante adesão à ata de registro de preços referente ao pregão presencial 003/2011 do Laboratório Central de Saúde Pública – LACEN. Por esse segundo contrato, a Casa de Leis pagou, em passagens aéreas, mais de R$ 3 milhões de reais à empresa, valor imensamente maior ao estimado registro de preços.

Somando os dois contratos, conforme revela a quebra de sigilo bancário da ALAP, a instituição pagou para a agência de viagens Tapajós R$ 5.070.459,90 (cinco milhões, setenta mil, quatrocentos e cinquenta e nove reais e noventa centavos).

São réus nesta Ação Penal: presidente da ALAP, deputado estadual Moisés Souza, ex-deputado Edinho Duarte, ex-chefe de gabinete da ALAP, Lindemberg Abel do Nascimento, ex-presidente da CPL da Casa, Janiery Torres Everton, e o ex-secretário de finança do Poder Legislativo, Edmundo Ribeiro Tork Filho, além de Maria Orenilza de Jesus Oliveira, proprietária da agência de viagens.


Para a procuradora Estela Sá, o esquema fraudulento está bem detalhado na denúncia do MP-AP, onde constam provas dos pagamentos efetuados pela ALAP muito acima da real prestação do serviço, com o agravante dos saques feitos diretamente no caixa, sistematicamente logo depois do recebimento pela empresa.

“Os interrogatórios foram extremamente esclarecedores. Ficou evidente a falta de controle administrativo naquela Casa de Leis. Milhões de reais foram pagos sem qualquer controle sobre a prestação dos serviços. Está muito claro que os contratos com a empresa Tapajós fugiram de qualquer legalidade”, reforçou Estela Sá.
__
Justiça iniciou julgamento de mais uma ação penal decorrente da Operação Eclésia. Justiça iniciou julgamento de mais uma ação penal decorrente da Operação Eclésia. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on sexta-feira, setembro 04, 2015 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD