Header AD

Unanimidade: Justiça decide que contrato de mais de R$13 milhões entre LMS e Sead é ilegal.

Tribunal de Justiça do Amapá valida licitação anulada pela PGE em março e LMS terá de deixar postos de vigilância.


Foto: Seles Nafes.
O Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá (TJAP), em decisão unânime, validou nesta terça-feira (11) a licitação de vigilância realizada pela Secretaria de Estado da Administração (Sead) vencida pela empresa de vigilância Pargel, mas que acabou sendo trocada por um contrato emergencial com a empresa LMS, do empresário Luciano Marba. As informações são do MZ-Portal.

.....

O TJAP decidiu favorável ao mandado de segurança da Pargel, determinando ao Governo do Estado que, dentro de 30 dias, efetue a troca dos postos de vigilância ocupados atualmente pela LMS. Na decisão, ficou consignado que a Pargel deverá absorver a mesma mão de obra empregada atualmente pela LMS, evitando assim o desemprego desses trabalhadores.

A licitação promovida em março chegou a ser homologada pela CPL da Sead e também pela secretária Maria Goreth da Silva e Souza, porém o processo foi anulado pela Procuradoria Geral do Estado, sob a alegação de supostas irregularidades. Na ocasião, a Procuradoria determinou a realização do contrato emergência no valor de R$ 13,5 milhões com a LMS, com data retroativa a janeiro de 2015, mas, após denuncias através dos meios de comunicação, o governo recuou em relação a ao início do contrato.

Recentemente, o Ministério Público do Amapá (MP-AP) emitiu recomendação ao Governo do Estado para que anulasse o contrato assinado com a empresa LMS Vigilância, e que realizasse, de imediato, novo processo licitatório, por meio de pregão eletrônico, para contratação dos serviços de vigilância.

A recomendação, assinada pelo procurador-geral de Justiça do MP-AP, Roberto da Silva Alvares, bem como pelos promotores de Justiça João Furlan, Manoel Edi, Christie Damasceno, Adauto Barbosa e Vinícius Carvalho, fixava prazo de 60 dias para cumprimento das medidas, sob pena de responsabilização do governador do Estado e da secretária de Administração por atos de improbidade administrativa que tenham causado prejuízo ao Erário e afrontado os princípios da Administração Pública.

O MP-AP sustenta que a empresa LMS estava impedida de contratar com o Poder Público, e assim permanece, conforme atesta Certidão Positiva emitida pela Corregedoria-Geral do Município, datada de 30 de abril de 2015, em razão de ausência de regularidade fiscal, apresentando débitos que ultrapassam R$ 2 milhões, ferindo dispositivos da Lei 8.666/93, que institui normas para licitações e contratos da Administração Pública.

A mesma norma, em seu art. 9º, estabelece que não poderá participar, direta ou indiretamente, de licitação ou da execução de obra, serviço e fornecimentos de bens, servidor ou dirigente de órgão ou entidade contratante responsável pela licitação. Como é de conhecimento público, a empresa LMS tem como sócio majoritário o servidor público do Estado do Amapá, Luciano Marba Silva, e, em razão disso, fica impedida de contratar com o GEA.

Por situação semelhante, o Tribunal de Contas da União (TCU) emitiu parecer tendo como interessada a Secretaria de Controle Externo do Amapá, no qual apresenta, detalhadamente, as razões para desclassificar a empresa LMS, em processo datado de novembro de 2014.
__
Unanimidade: Justiça decide que contrato de mais de R$13 milhões entre LMS e Sead é ilegal. Unanimidade: Justiça decide que contrato de mais de R$13 milhões entre LMS e Sead é ilegal. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, agosto 13, 2015 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD