Header AD

Deputados se manifestam sobre o caso do bebê incinerado.

"Em qualquer lugar que você for, vai encontrar um caos [na saúde] e várias obras estão paradas", lamenta o deputado Max da AABB (PSB-AP).

Foto reprodução Asscom-Alap.
Deputados criticaram a postura da Secretária de Saúde do Estado (Sesa) sobre caso do bebê incinerado na última quinta-feira, 6.  A sessão aconteceu na manhã de hoje, 10, na Assembleia Legislativa do Amapá (ALAP).

Os parlamentares da base de apoio ao Setentrião defendem o governo ao tentarem tirar a responsabilidade política do governador Waldez Góes, sobre o caos na saúde pública. Nos últimos sete dias do mês de julho cerca de 6(seis) crianças morreram no Pronto Atendimento Infantil (PAI).

O deputado Antônio Furlan (PTB-AP), da Comissão de Saúde da Alap, disse que a repercussão do caso não pode ganhar conotação política e garantiu que a frente parlamentar vai acompanhar o caso com a Polícia Civil.

"Não se pode fazer política em cima do caso da criança. Quando começa a discutir dessa forma, estamos indo para um caminho que não é ideal. Vamos acompanhar o caso de perto com a comissão da saúde", disse Furlan.

Deputado Pedro da Lua (PSC-AP) foi o mais duro nas críticas ao secretário de saúde, ao acusá-lo de fornecer "informação mentirosa". "Quero repudiar a atitude do secretário Pedro Leite porque ao meio-dia [de sexta-feira] ele avisou que foi encontrado o corpo da criança e depois houve a constatação da incineração. Na reunião da equipe de governo, ele mandou o adjunto [para a coletiva]. Ele vai ter que responder pela informação mentirosa, a falta de resposta imediata e as explicações sobre o que aconteceu para a família", disse Da Lua.

"A saúde precisa de um impacto na gestão e o secretário tem que pedir para ir embora. Foram seis meses de emergência e nada de avanço. O governo tem que aproveitar o restante do decreto para resolver os problemas da saúde", criticou o pessolista Paulo Lemos.

"Em qualquer lugar que você for, vai encontrar um caos [na saúde] e várias obras estão paradas", lamentou o deputado Max da AABB (PSB-AP).

O bebê morreu na madrugada do dia (6). O caso gerou uma investigação interna na Secretaria de Estado da Saúde (SESA), que confirmou o sumiço do corpo da criança e revelou que ele foi incinerado por engano.
__
Deputados se manifestam sobre o caso do bebê incinerado. Deputados se manifestam sobre o caso do bebê incinerado. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on segunda-feira, agosto 10, 2015 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD