Header AD

GEA extingue concessão de Estrada de Ferro.

GEA extingue contrato de concessão com a Zamin e assume administração da Estrada de Ferro.


Após abertura de processo administrativo instaurado pela Secretaria de Transportes (Setrap), que constatou diversas irregularidades cometidas pela concessionária no período em que ficou à frente da administração da ferrovia, o Governo do Estado decretou extinto o contrato de concessão da Estrada de Ferro do Amapá (EFA) que pertencia à mineradora Zamin Amapá Logística Ltda.

De acordo com o governo, o processo foi instaurado em maio de 2015 por uma comissão de técnicos da Setrap, que inspecionou toda a extensão da EFA e encaminhou dois relatórios sobre a situação da ferrovia ao governador Waldez Góes. O trabalho também foi realizado com base em denúncias da comunidade usuária da linha de ferro.

O GEA informa dados dos relatórios, que apontou as seguintes irregularidades: paralisação do trem, que não realiza viagens aos municípios de Pedra Branca do Amapari e Serra do Navio desde março de 2015; não disponibilização de um transporte alternativo para os usuários e agricultores que dependem da ferrovia; abandono dos vagões; ausência de abertura de inquéritos de acidentes graves; fornecimento de informações falsas à Setrap.

Segundo o processo, desde quando assumiu a administração da ferrovia, em outubro de 2013, a Zamin descumpriu itens do contrato de concessão, tais como a revitalização permanente da ferrovia e disponibilização de serviços básicos aos usuários.

A concessionária infringiu a lei estadual que dispõe sobre o regime de concessão da EFA e a permissão da prestação de serviços públicos, como o não repasse de informações financeiras e operacionais, além de não disponibilizar documentação, como certidões negativas.

A Zamin também deixou de cumprir um termo de anuência firmado com o Estado, no qual se comprometia a realizar investimentos na estrutura da ferrovia, na área próxima à estação e outras ações que visavam garantir a segurança e o conforto dos usuários e dos moradores que vivem em comunidades ao longo da estrada de ferro.

Por conta dos inúmeros descumprimentos, a concessionária deve ao Estado a quantia de R$ 1.460.224,11 referentes a seis autos de infração lavrados em 2014 e um emitido em maio de 2015 pela Setrap.

O presidente da Comissão Técnica da Setrap, Haroldo Tavares, informou que desde novembro de 2014 um estudo realizado pela secretaria já recomendava a caducidade, prática que invalida o contrato de concessão, mas o processo não foi levado adiante pela gestão passada.

Segundo Tavares, a concessionária apresentou recursos junto à Setrap após as autuações, mas foram indeferidos pela comissão porque havia inconsistência nos argumentos. "Ela não apresentou motivos plausíveis para justificar a atual situação da estrada de ferro. Por conta disso, nós e a Procuradoria Geral do Estado (PGE) demos parecer favorável à caducidade", reforçou.

Com a extinção do contrato de concessão, a Estrada de Ferro do Amapá volta ser administrada temporariamente pelo Estado. O secretário de Relações Institucionais do Amapá, Jorge Amanajás, informou que o governo vai realizar um estudo jurídico para iniciar um novo processo de concessão da ferrovia. A previsão é que o lançamento do edital ocorra dentro de 60 dias.

___
GEA extingue concessão de Estrada de Ferro. GEA extingue concessão de Estrada de Ferro. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, julho 29, 2015 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD