Header AD

PGE acusa ex-governador de improbidade administrativa

A Procuradoria Geral do Estado do Amapá (PGE) ajuizou quatro ações públicas por improbidade administrativa contra o ex-governador Camilo Capiberibe.

Camilo diz que Waldez usa a PGE para atacá-lo politicamente
A Procuradoria Geral do Estado do Amapá (PGE) ajuizou quatro ações públicas por improbidade administrativa contra o ex-governador Camilo Capiberibe, na tarde desta quarta-feira, 13. Além de Camilo, a PGE acusa ex-secretários e outros gestores de sua equipe de governo de terem compactuado com supostos desmandos que resultaram num desfalque de mais de R$ 60 milhões.

Ainda segundo a Procuradoria, a maior das dívidas deixadas por Camilo chega ao montante de R$ 54.882.367,19, referente ao calote dado em mais de 45 instituições financeiras, que não receberam as parcelas de empréstimos consignados feitos pelos servidores estaduais de 2013 a dezembro de 2014.

O dinheiro teria sido descontado do servidor, mas não repassado aos credores, o que acabou fazendo com que diversos servidores tivessem seus nomes incluídos nos Órgãos de Proteção ao Crédito (Serasa, SPC, entre outros).

A PGE também ajuizou mais três ações que apontam para irregularidades cometidas no contrato de federalização da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), na Secretaria Estadual de Turismo (Setur) e na Amprev.

O procurador, Narson Galeno, oficializou ao Ministério Público do Estado (MPE) sobre as denúncias, para tomar conhecimento das supostas provas reunidas.

O outro lado

Em resposta às denúncias apresentadas pela PGE, o ex-governador Camilo Capiberibe, em nota divulgada à imprensa, disse que o único objetivo dessas acusações é colocar uma “cortina de fumaça” para esconder a crise que vive hoje o Amapá em virtude da falta de gestão e credibilidade do atual governo, que estagnou a geração de emprego. A Nota diz ainda que as acusações fazem parte de “uma estratégia política para esconder a paralisação de mais de 50 obras públicas na saúde, na educação e na infraestrutura, que estavam em pleno andamento até o final da gestão do ex-governador Camilo Capiberibe”.

Veja.

Nota de esclarecimento

Em relação à coletiva de imprensa feita pela Procuradoria Geral do Estado (Prog), por meio de nota, a assessoria do ex-governador Camilo Capiberibe (PSB) esclarece:


– Trata-se de uma estratégia política para esconder a paralisação de mais de 50 obras públicas na saúde, na educação e na infraestrutura, que estavam em pleno andamento até o final da gestão do ex-governador Camilo Capiberibe;


– É importante lembrar que, durante os quatros anos da gestão do governador Camilo, nenhuma operação da Polícia Federal ocorreu nas repartições públicas estaduais e nenhum secretário do seu governo foi preso;


– O ex-governador Camilo pagou R$ 74 milhões em consignados às instituições bancárias, uma dívida herdada do governo Waldez/Pedro Paulo. Durante o governo do PSB, nenhum servidor foi negativado;


– O ex-governador, que está absolutamente tranquilo, vai aguardar a notificação formal para prestar todos os esclarecimentos necessários, sem fugir pela porta dos fundos como fez o governador Waldez Góes para não responder por seus atos;


– Por fim, é lamentável que o atual governador, que não prestou contas de mais de 120 dias de gestão, esteja utilizando a Procuradoria Geral para atacar adversários políticos.

___
PGE acusa ex-governador de improbidade administrativa PGE acusa ex-governador de improbidade administrativa Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, maio 14, 2015 Rating: 5



SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não é necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD