Header AD

Justiça suspende obras da UHE Cachoeira Caldeirão.

Justiça atende pedido do MPF e MP-AP e suspende obras da UHE Cachoeira Caldeirão.



A pedido do Ministério Público Federal (MPF/AP) e do Ministério Público Estado do Amapá (MP-AP), estão suspensas as obras da Usina Hidrelétrica (UHE) Cachoeira Caldeirão, em Ferreira Gomes. Segundo a decisão, emitida nesta segunda-feira, 25 de maio, os trabalhos devem permanecer paralisados até que sejam identificadas as causas da inundação. A retomada das obras depende da apresentação de laudo técnico indicando a inexistência de riscos à comunidade e ao meio ambiente. A medida é resultado de ação ajuizada pelo MPF/AP e MP-AP na última sexta-feira, 22 de maio.

A ordem judicial também determina a realização de perícia a ser custeada pelas empresas responsáveis pelas usinas Cachoeira Caldeirão, Coaracy Nunes e Ferreira Gomes. A perícia será realizada por empresa especializada, a ser escolhida a partir de lista apresentada pelo MPF/AP e MP-AP. O relatório pericial deve especificar as causas da inundação e o levantamento total dos danos ambientais, patrimoniais e à saúde pública.

MPF/AP e MP-AP defendem a necessidade de perícia independente devido à atuação ineficaz dos órgãos do Estado. O Instituto de Meio Ambiente e de Ordenamento Territorial (Imap) descumpriu o prazo estabelecido no Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para apresentação do Plano de Contingenciamento. Pelo TAC, assinado pelo MPF/AP, MP-AP e órgãos do Governo do Estado, em 8 de maio, o documento que reuniria orientações para evitar novas catástrofes na região deveria ser apresentado em 10 dias.

Ao pedir a suspensão das obras da usina hidrelétrica, MPF/AP e MP-AP levaram em consideração os perigos que a continuidade dos serviços representa às pessoas e ao meio ambiente. Neste sentido, os órgãos acusam o Imap de irresponsabilidade ao liberar a retomada das obras sem laudo prévio ou conclusivo, em mais uma clara omissão de seu poder fiscalizatório. Com base nos argumentos, a Justiça concorda que “há fundadas dúvidas sobre a capacidade dos órgãos estatais para fazer a correta avaliação do problema”.

A decisão ressalta que “uma tragédia desse porte, que deixou profundas marcas na vida de um grande número de famílias e no cotidiano do município, para não falar nos danos ao meio ambiente, não pode ficar sem esclarecimentos”.

Investigações em curso – No âmbito do MPF/AP e MP-AP tramitam quatro procedimentos para apurar as falhas na construção da usina hidrelétrica Cachoeira Caldeirão, o primeiro aberto em 2013, dois em 2014, e o mais recente, neste ano, após a inundação. Durante as investigações, foi detectado descumprimento do Plano Básico Ambiental no decorrer das obras. As falhas, segundo MPF e MP-AP, não foram sanadas por omissão do IMAP, órgão que deveria fiscalizar o empreendimento e prevenir eventos como o que ocorreu no início do mês.

Inundação – Em 7 de maio, a cidade de Ferreira Gomes, distante mais de 130 km da capital Macapá, foi inundada em poucos minutos após abertura de ensecadeira pela Empresa de Energia Cachoeira Caldeirão S/A. Não houve aviso à população. O evento atingiu milhares de moradores e provocou danos ambientais e materiais ainda não estimados.

ASSCOM-MPF
__
Justiça suspende obras da UHE Cachoeira Caldeirão. Justiça suspende obras da UHE Cachoeira Caldeirão. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on segunda-feira, maio 25, 2015 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD