Header AD

Crise financeira afeta reajuste dos servidores públicos do Amapá

Crise nas contas públicas do país atinge o Amapá e compromete reajuste dos servidores do estado.



Por Nezimar Borges.

Não há como negar, a crise nas contas públicas do país atinge o Governo do Estado e a Prefeitura de Macapá. Tanto o governador Waldez Góes quanto o prefeito Clécio Luís têm dificuldades em atender as demandas justas do reajuste dos servidores. A justificativa é a queda na arrecadação nas estruturas da União, Estados e Municípios.

Ambos os gestores devem se preparar para críticas mais duras dos adversários. Estes sempre em situação de dificuldades tentam desgastar ao máximo o governante de plantão. Neste caso, pelo menos para Waldez Góes, é interessante culpar a gestão anterior pela crise no país e, por conseguinte no Amapá.

Waldez foi eleito com apoio da maioria dos servidores públicos, pois prometeu valorizá-los, no entanto a situação financeira do estado não viabiliza os ajustes dos justos reajustes, daí o desgaste, ainda mais quando adversários criticam o pedetista por aumentar o próprio salário em mais de R$6 mil, além do aumento salarial concedido ao primeiro e segundo escalão do governo, no início deste ano.

A crise gera desconforto e o caminho trilhado pelos professores municipais, em greve há quinze dias, pode ser o mesmo dos profissionais da saúde estadual, além da insatisfação generalizada dos militares amapaenses, que também podem grevar, pelo menos uma parte deles.

Diante da crise por qual passa o país, nenhum político (embora sedento de poder) gostaria de estar na pele de Dilma Rousseff, Waldez Góes e Clécio Luís. 

O governo de Dilma se contorce para ajustar as contas públicas, toma atitudes que desagradam até a base do próprio partido, como os deputados petistas por exemplo, que não veem com bons olhos o ajuste fiscal do ministro Joaquim Levy, que retira direitos do trabalhador.

Por aqui não adianta esperar benesses neste ano de 2015, pois o tempo é de arrocho. Pode-se compreender, contudo, que o governador Waldez ‘cozinhe o galo’ em relação às promessas de campanha feitas para o servidor. É possível o aumento do salário no papel, como no caso da regência de classe para o professor, mas difícil será torná-lo realidade.

O prefeito Clécio Luís teria se emocionado e chorado em uma das reuniões com o comando de greve dos professores municipais, diante da gravidade da situação das finanças da prefeitura. Como se sabe, Clécio também foi professor e certamente seria o último dos gestores a não desejar aumentar os salários dos docentes.

Como de praxe em tempo de crise, a corda arrebenta para o lado do mais fraco, infelizmente os trabalhadores é que estão pagando pela crise que se abateu sobre o Brasil.
__
Crise financeira afeta reajuste dos servidores públicos do Amapá Crise financeira afeta reajuste dos servidores públicos do Amapá Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on terça-feira, maio 12, 2015 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD