Header AD

Parlamentar amapaense critica lei que terceiriza o trabalho no Brasil

Marcos Reatégui  diz que lei das terceirizações vai "dificultar que os trabalhadores peçam os seus direitos na Justiça do Trabalho".


O deputado Marcos Reatégui (PSC-AP) em entrevista na noite desta quinta-feira, 16, no programa da jornalista Ana Girlene, esclarece os motivos que o levou a votar contra o Projeto de Lei 4330/04, que terceiriza o trabalho no país.

O parlamentar diz que há alguns itens integrantes da lei que deveriam ser alteradas, porque houve mudanças no mundo do trabalho nas últimas décadas. Entretanto, enaltece que a pretexto disso, não se pode tirar direitos dos trabalhadores. “Nós não podemos pegar todos os direitos que os trabalhadores conquistaram e simplesmente alterarmos, retirarmos sem uma análise detalhada da situação”, critica o deputado.

Reatégui afirma que o segundo artigo do PL 4330/04 já começa a demostrar a que veio, ao desmontar a figura empregatícia entre a empresa contratante e o empregado. “Aqui se tira qualquer relação entre a empresa contratante e a empresa contratada [terceirizada] e qual o objetivo disso? Dificultar que os trabalhadores peçam os seus direitos na Justiça do trabalho.”

O parlamentar destaca que a lei retira do empregador (empresa que paga a terceirizada) a possibilidade de produzir o ônus da prova, ou seja, o empregador não vai estar na relação direta com o empregado, porque ele simplesmente terceirizou os serviços, através da empresa que forneceu a mão de obra. “Ela [a empresa terceirizada] é que vai ser acionada pelo trabalhador, mas a empresa contratante, que detém realmente os meios para pagamento, essa ai não vai ser atingida”, esclarece.

Ele revela que haverá perdas para o trabalhador em relação às contribuições previdenciárias, pois pela legislação atual as empresas públicas e privadas são obrigadas a recolher contribuições sociais trabalhistas e com a terceirização as empresas que detém realmente o poder do capital ficariam isenta desta obrigação. além do enfraquecimento dos sindicatos, porque o trabalhador não estará veiculado à empresa de contratação direta, aquela que poderia manter o vínculo empregatício.

O deputado fala ainda da necessidade de uma lei que regulamente ou proíba os serviços terceirizados que existem hoje no país. “Há um desguarnecimento muito grande da condição do trabalhador e essa lei poderia ter tido muitos avanços, porque há a necessidade de ser alteradas algumas situações”.

“Nós temos no Brasil uma realidade, por exemplo, os bancos mantém um número de funcionários muito grande e esta terceirização nos bancos - e aí nós estamos falando de Caixa Econômica e Banco do Brasil - não tem regulamentação. Nós precisamos de um projeto de lei que regularize ou proíba isso, algo tem que ser feito”, finaliza.

Marcos Reatégui é um dos três deputados amapaenses que votaram contra a lei da terceirização do trabalho. Além dele, Janete Capiberibe (PSB) e Marcivânia Flexa (PT) também votaram contra.
__
Parlamentar amapaense critica lei que terceiriza o trabalho no Brasil Parlamentar amapaense critica lei que terceiriza o trabalho no Brasil Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, abril 16, 2015 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD