Header AD

LMS Vigilância está irregularmente constituída, afirma secretaria do TCU

Para Secretaria do TCU, contrato GEA/LMS de R$13 milhões por 6 meses é ilegal porque proprietário da empresa é servidor público do Estado


De acordo com matéria do portal 247, a Secretaria Geral de Administração do Tribunal de Constas da União (TCU) revela que a empresa LMS Vigilância e Segurança Privada Ltda encontra-se irregularmente constituída. Despacho assinado em dezembro de 2014 pelo secretário Eduardo Monteiro de Rezende, referente ao processo de contratação de serviço de vigilância para a Secretária de Controle Externo (Secex) no Amapá,  afirma que irregularidades na constituição da empresa inviabiliza sua contratação pela administração pública.

Leia.

Amapá 247 - Inicialmente vencedora da licitação da Secex, a LMS Vigilância acabou eliminada tão logo a órgão federal teve informações e tomou conhecimento de irregularidades na constituição da empresa. De acordo com a Secretaria-Geral do TCU “o senhor Luciano Marba da Silva, um dos sócios da empresa LMS é também servidor público do Estado do Amapá, no cargo de professor”.

Tais informações segundo o despacho do secretário Eduardo Monteiro, foram inicialmente omitidas da Administração do TCU e, caso o órgão tivesse tomado conhecimento, não teria entregue o objeto da licitação em favor da empresa de Marba “por afrontar os princípios da moralidade e da probidade administrativa”.

O documento da Secretaria-Geral afirma que embora no contrato social o nome de Luciano Marba não conste como administrador responsável pela empresa, ele  detêm 98% do capital social da LMS e, portanto tem o poder de mando. Quanto ao outro sócio, Admar Barbosa da Silva, proprietário de apenas 2% do capital social, embora assine como sócio administrador, dado o contexto “tem poder decisório residual”.

“Verifica-se por conseguinte, que o Sr. Luciano Marba da Silva e a Empresa LMS Vigilância e Segurança Privada Ltda na verdade se confundem, e, embora, formalmente não conste como administrador no contrato social, exerce de fato tal situação” conclui o documento da Secretaria-Geral afirmando que a situação da empresa afronta o art.117, inciso X, da lei 8.112/90 , art.133 inciso X da lei estadual  nº 66/93 e art. 9º, paragrafo 3º da Lei 8.666/93.

A direção da LMS chegou a recorrer da decisão da Secretaria-Geral do TCU tentando demonstrar entendimento diferente, mas não obteve êxito no recurso.

A empresa, porém acaba de assinar um contrato emergencial no valor de R$ 13,5 milhões para prestar serviços de vigilância ao Governo do Estado. O contrato  assinado em 24 de março corresponde ao período de janeiro a junho de 2015.

O empresário Luciano Marba já foi preso acusado de envolvimento na morte de um  sócio e também é acusado pelo Ministério Público de pagar propina à servidores públicos.
__
LMS Vigilância está irregularmente constituída, afirma secretaria do TCU LMS Vigilância está irregularmente constituída, afirma secretaria do TCU Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on terça-feira, abril 14, 2015 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD