Header AD

Steinbruch irá depor na CPI do HSBC

CPI do HSBC vai quebrar sigilo do empresário Benjamin Steinbruch

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), articulador da CPI do HSBC ( que investiga os milionários que possivelmente burlaram o fisco ), ouvirá em depoimento o "homem forte" da era FHC - o empresário Benjamin Steinbruch - dono da CSN, cujo nome aparece na relação dos correntistas do escândalo do HSBC.

Steinbruck foi um privilegiado da era conhecida como a "'privataria' tucana". Ele foi um dos sócios do grupo que na época comprou a estatal brasileira, a Companhia Siderúrgica Nacional (C.S.N), em negócio suspeito de ilegalidades.



Leia.

Da assessoria do senador Randolfe Rodrigues.

CPI do HSBC quer esclarecimentos das autoridades brasileiras sobre a investigação da evasão de divisas. A primeira audiência pública fez novas revelações do escândalo

Brasília, 26 – A reunião da CPI do HSBC aprovou nesta quinta-feira (26), requerimentos para convidar o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, o secretário-geral da Receita Federal, Jorge Rachid, e o presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras – Coaf, Antônio Gustavo Rodrigues, a comparecerem para prestar esclarecimentos.

Os parlamentares querem questionar Rachid e Rodrigues sobre o vazamento de uma lista preliminar, que teria saído da Receita Federal, com quinze nomes de brasileiros com contas no exterior – no caso da Suíça "Chama a atenção que o documento apresentado aqui, tem o timbre da Receita Federal. É por isso que Rachid precisa vir aqui para explicar o vazamento" disse o vice-presidente da CPI do HSBC, Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).

Já o ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, vai ser convidado – em data ainda não definida, para falar sobre os procedimentos da investigação que as autoridades brasileiras estão fazendo sobre a suposta evasão de divisas. Cabe ao governo brasileiro buscar junto ao estado francês, os dados oficiais da lista de brasileiros com contas na Suíça e o ministro precisará esclarecer quais as providências foram tomadas até agora.

Para Randolfe Rodrigues está claro que houve omissão das autoridades com o caso já que a investigação, em vários outros países, começou a partir de 2008. Neste período, o governo francês compartilhou com o governo da Grécia os primeiros dados do escândalo e a partir daí os demais países se interessaram e começaram a investigar "Ou nós temos um sistema de informação de sonegação fiscal muito falho ou as autoridades brasileiras fracassaram para detectar o que pode ser o maior caso de evasão fiscal da história do país" argumentou o vice-presidente.

A reunião dessa quinta, teve a primeira audiência pública da CPI, em que foram ouvidos os jornalistas Fernando Rodrigues, do Portal Uol - único jornalista brasileiro membro fixo da ICIJ (International Consortium of Investigative Journalists) e Chico Otávio de O Globo – Chico pediu acesso aos dados, fez treinamento e agora é considerado membro temporário do ICIJ, consórcio internacional que reúne 185 profissionais de investigação em mais de 65 países. Os dois foram ouvidos por mais de duas horas, mas não apresentaram a lista oficial com os nomes de brasileiros que têm contas na Suíça. Fernando Rodrigues chegou a chamar de crime, por parte da Receita Federal, o vazamento da lista preliminar com 15 nomes de brasileiros.

Os parlamentares nem chegaram a questionar a não divulgação da lista pelos jornalistas. Eles querem informações de fontes oficiais "E os dados oficiais estão com o governo francês. Pra chegar à elas precisamos da ajuda das autoridades brasileiras e em seguida, uma ação imediata junto ao estado francês porque é lá que estão os mais de 8 mil nomes e se alguém vier a ser indiciado por esta CPI deve-se buscar os dados na fonte legal" finalizou Randolfe Rodrigues.

Próximos passos

Na terça-feira (31) haverá uma reunião de trabalho na Procuradoria Geral da República com o procurador-geral, Rodrigo Janot, e com Vladimir Aras, secretário de Assuntos Internacionais da Procuradoria.

A irmã do deputado federal, Paulo Maluf (PP-SP), Tereza Maluf aparece na lista dos brasileiros com contas na Suíça. Terezinha Maluf será convidada a prestar esclarecimentos. O senador Randolfe pretende protocolar pedido de quebra do sigilo fiscal da empresária.

O senador também deve pedir a quebra do sigilo fiscal de outros citados pelos jornalistas na audiência dessa quinta. Entre eles membros das famílias Barata, Queiroz Galvão e Steinbruch, além de Henry Hoyer que seria um dos operadores citados pela lava-jato.
__
Steinbruch irá depor na CPI do HSBC Steinbruch irá depor na CPI do HSBC Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, março 26, 2015 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD