Header AD

Linhão do Tucuruí

Adversários históricos disputam os louros da emancipação energética do Amapá.

Ex-senador José Sarney e ex-governador, Camilo Capiberibe, disputam os passivos eleitorais da interligação energética do Amapá ao Sistema de Interligação Nacional de Energia.
Adversários.
O Amapá começou a ser integrado ao Sistema Interligado Nacional (SIN) através do Linhão de Tucuruí, neste domingo, 1 de março. Com a conclusão da obra, dois adversários históricos da política amapaense “duelam” pela glória de ter sido o “pai da criança”: o ex-senador José Sarney e o ex-governador, Camilo Capiberibe.

“É um sonho e uma luta de 10 anos que se completava [em relação às reuniões com o ex-ministro Silas Rondeau, das Minas e Energia], e eu sei que com isso nós libertamos o Amapá da energia que ficou tanto tempo aí com problemas. E agora o Estado já é hoje exportador de energia e recebe o Sistema Nacional de energia para ter não só a satisfação da demanda interna, mas também receber qualquer tipo de indústria que venha se instalar no Amapá.”, declara o ex-senador José Sarney a uma rádio local.

Ao mesmo tempo em que José Sarney infere que sem ele a obra não sairia do papel, o ex- governador Camilo Capiberibe afirma que a interligação do Estado ao Linhão de Tucuruí é um efeito da quitação da dívida da CEA feito no seu governo, 2011-2014.

Camilo declara ainda que conseguiu resgatar a credibilidade do Estado e acessar, junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES), R$ 1,4 bilhão para garantir o pagamento integral do débito. Com isso, diz que foi possível federalizar a Companhia de Eletricidade (CEA) e possibilitar a interligação ao Sistema Nacional.

“Na época, fomos criticados pela oposição [PDT e PMDB] porque estávamos contraindo empréstimo para resolver definitivamente a questão energética no Estado. Inclusive, durante o período eleitoral, o atual governador [Waldez Góes] disse que a obra não tinha saído do papel. Mentiu para a população, mas hoje a sociedade pode ver o resultado”, disse o ex-governador ao site MZ.

Em meio ao “duelo” José Sarney versus Camilo Capiberibe, o governo Dilma foi lembrado pelo petista Heverson Castro em uma rede social: Dilma trouxe o Linhão [de Tucuruí] e o resto é politicagem.

P.S

A problemática da questão energética se agravou na década passada.  A dívida da CEA junto à União deu um salto de R$95 milhões, em 2002, para mais de R$1,4 bilhão, em 2010. Um aumento de mais de 1473% no período. Antes da federalização, o Amapá que era dependente de energia, hoje, com a interligação e a conclusão das obras de construção das hidrelétricas que estão em curso no interior, o Estado vai passar a ser consumidor e, ao mesmo tempo, exportador de energia. Em função disso, começará a atrair grandes empresas e investimentos que poderão resolver a problemática da dependente  economia da região, chamada de “economia do contracheque” .
__
Linhão do Tucuruí Linhão do Tucuruí Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on segunda-feira, março 02, 2015 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD