Header AD

UEAP - nota de repúdio

Reitoria da UEAP solta nota de repúdio e diz que Governo do Estado afronta a Instituição e a Constituição


Nota assinada pela reitoria da Universidade Estadual do Amapá (UEAP) contraria o que seria uma intervenção do Governo do Estado na Instituição. O repúdio diz respeito às nomeações em cargos de comissão que, segundo a nota, ferem a autonomia da UEAP. "Esse ataque à reitoria se refletiu em um ataque à Universidade e ao Estado Democrático de Direito, pois se trata de uma interferência que fere de morte o princípio constitucional de Autonomia das Universidades", diz um trecho.


 Leia a íntegra.

NOTA DE REPÚDIO

Governo do Estado do Amapá inicia o séquito de sepultamento acadêmico da Universidade do Estado do Amapá

No dia 02 de fevereiro de 2015, o Excelentíssimo Governador do Estado do Amapá, o Sr. Antônio Waldez Góes da Silva, assinou o decreto 0497, demonstrando um claro desconhecimento do que se entende por universidade. O que causou estupefação foi que esse famigerado decreto interveio nomeando alguns professores e funcionários para as funções gratificadas de divisões e pró-reitorias da Universidade do Estado do Amapá (UEAP) à revelia da Reitoria e em total desrespeito à autonomia administrativa das universidades, afrontando a Constituição Federal e o Regimento Geral e Estatuto, que garantem à UEAP o direito na decisão dos seus rumos.

O fato culminou numa instabilidade geral na instituição por não garantir o reconhecimento da reitoria, atual gestão, como autônoma das questões didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial.

Ratifica-se que o reitor, ordenador de despesas, não indicou e nem sequer foi consultado sobre a equipe nomeada pelo decreto supracitado. Não por falta de tentativas do diálogo, pois inúmeras vezes o reitor tentou ser recebido pelo governador para tratar dos assuntos referentes à UEAP. Em última instância, protocolou o ofício nº70 do dia 30 de janeiro de 2015, sugerindo as nomeações com os servidores pretensos a formar a equipe de gestão.

Portanto, é de se estranhar que uma outra lista de servidores com autoria ignorada foi entregue ao palácio com indicações não reconhecidas pela reitoria, tampouco com o conhecimento do reitor, na tentativa de inviabilizar a gestão, com consequências adversas para a continuidade dos trabalhos iniciados em 2014.

Esse ataque à reitoria se refletiu em um ataque à Universidade e ao Estado Democrático de Direito, pois se trata de uma interferência que fere de morte o princípio constitucional de Autonomia das Universidades, uma das maiores vitórias acadêmicas, sonhada e realizada por professores, técnicos e discentes por meio de anos de luta contra governos pseudodemocráticos.

De acordo com o Art. 207 da Constituição Federal, todas as universidades, assim como a UEAP, gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e devem obedecer ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão.

Em seu Inciso VI do Art. 18, o Regimento Geral da UEAP garante ao Reitor a competência para nomear os Pró-Reitores, Diretores dos Campi e Responsáveis por todos os cargos Administrativos e Órgãos Complementares da Universidade. Da mesma maneira, o Estatuto da UEAP, em seu Art. 39, relata que as Funções Gratificadas integrantes da estrutura organizacional da Instituição serão indicadas pelo titular da pasta e providos por ato do Governador do Estado do Amapá. Desta forma, as referidas funções serão indicadas pela Universidade e providas pelo Governador e não indicadas e nomeadas pelo Governador à revelia da autonomia administrativa da UEAP.

Historicamente, as academias se notabilizaram como centro de discussões, dentre outras, de políticas educacionais, de transformação social e de desenvolvimento. Desta forma, deve ter sua autonomia administrativa constitucional respeitada, pois a UEAP nunca deverá ser refém de interesses políticos partidários e, mais grave, de interesses nada republicanos. Portanto, a UEAP não merece os tratamentos ora dispensados.

Ainda que o Estado do Amapá possua dificuldades em virtude da sua localização geográfica, não podemos silenciar-nos diante das perseguições ditatórias de pseudodemocratas que teimam em se estabelecer como lugar comum a quem não cede aos interesses pessoais inconfessáveis dos mais diversos gestores públicos.

Mesmo cientes das intimidações e perseguições que recaíram sobre a reitoria e sobre a Universidade, NÃO SEREMOS CONDESCENDENTES E NÃO NOS CURVAREMOS NA DEFESA IMPLACÁVEL DA AUTONOMIA ADMINISTRATIVA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ, pois é nosso dever como cidadãos, professores e, principalmente, gestores legalmente constituídos.

Que fique claro, que a Universidade reconhece, respeita e nunca se negou a participar das discussões e planejamentos do Governo do Estado. Pelo contrário, a UEAP é amiga e parceira de todos os gestores públicos que contribuem para seu fortalecimento e crescimento regional. O QUE NÃO ACEITAMOS é o enfraquecimento e o desrespeito a uma das instituições mais sérias e importantes para a sociedade amapaense.

Universidade do Estado do Amapá (UEAP), Macapá, Amapá, 10 de fevereiro de 2015.

Dr. Perseu da Silva Aparício
Reitor

Dr. Breno Marques Silva e Silva
Vice reitor

__
UEAP - nota de repúdio UEAP - nota de repúdio Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, fevereiro 11, 2015 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD