Header AD

Imposto sobre grandes fortunas

Imposto sobre grandes fortunas poderia render R$ 10 bi.


Diante da crise financeira por que passa o país, o governo federal não deveria adotar medidas de (re)ajuste fiscal prejudicando os mais vulneráveis economicamente, mas TAXAR os mais ricos, talvez dessa forma o governo saísse das cordas ao dar uma resposta à população, já que a maioria da elite brasileira almeja depor o governo Dilma.

Leia a matéria sobre o assunto retirado do blog do Luiz Carlos Azenha.

Randolfe: Imposto sobre grandes fortunas poderia render R$ 10 bi

publicado em 12 de fevereiro de 2015 às 20:15


No Swiss Leaks, o Brasil é o quarto maior em número de clientes. São 8.667 que tinham cerca de U$ 7 bi depositados no HSBC em 2006/2007. Quantos sonegaram impostos? Alguém acredita que o Fernando Rodrigues/UOL, parceiro do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos no Brasil, vai divulgar toda a lista? E o governo Dilma, vai ficar esperando?

Randolfe ataca ‘pacote de maldades’ e diz que grandes fortunas renderiam mais de R$ 10 bi

BRASÍLIA, 12 – O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) atacou hoje o ajuste fiscal do Governo Dilma como um ‘pacote de maldades’ do Governo Dilma Rousseff, baseado em duas Medidas Provisórias— 664 e 665 —, que reduzem os benefícios de trabalhadores e aposentados e restringe o acesso ao seguro-desemprego.

Randolfe, em discurso na tribuna do Senado Federal nesta tarde, propôs que o Governo Federal apoie a regulamentação do Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF), que segundo ele “atenderia mais da metade dos R$ 20 bilhões que o Governo pretende arrecadar com o seu infeliz Pacote de Ajuste Fiscal”.

O senador do PSOL citou um relatório de 2014 do banco Credit Suisse, com sede em Zurique, na Suíça, listando cerca de 1.900 pessoas com um patrimônio líquido superior a US$ 50 milhões (cerca de R$ 130 milhões), que poderiam ser alcançadas pelo Fisco brasileiro para “dar um quinhão maior de contribuição no combate à desigualdade de renda no País”.

Randolfe Rodrigues destacou, em seu discurso, que cerca de 10 mil famílias no Brasil se enquadram na moldura das grandes fortunas. “Nesse universo privilegiado, metade — ou 5 mil famílias — teria um patrimônio somado equivalente a 40% do PIB brasileiro, a sétima maior economia do mundo, que representa uma riqueza de US$ 2,24 trilhões”, destacou Randolfe.

Nessa conta, lembrou o senador do PSOL, cerca de US$ 900 bilhões estariam concentrados nas mãos das 5 mil famílias mais ricas do País. O Imposto sobre Grandes Fortunas foi aprovado pela Constituição de 1988 (Artigo 153, Inciso VII), mas até hoje não foi regulamentado: “Passaram-se mais de 26 anos e o Brasil ainda não estabeleceu as regras que tornariam viável este imposto ainda intocado pelo Fisco”, reclamou Randolfe.

O senador do PSOL lembrou que “reduzir direitos sociais, aumentar tarifas e preços públicos vai na contramão não só do que defendeu a presidente Dilma Rousseff  na campanha eleitoral, mas também do que quer, deseja e merece o povo brasileiro”. E fez um alerta: “O povo que foi às ruas em 2013 e em 2014, com certeza, retomará as ruas em 2015 por mais e melhores direitos. A sociedade não aceita mais pagar, com os impostos mais caros do mundo, uma estrutura política apodrecida que frauda e corrói seus direitos mais elementares”.

__
Imposto sobre grandes fortunas Imposto sobre grandes fortunas Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, fevereiro 12, 2015 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD