Header AD

Imposto sobre grandes fortunas

Imposto sobre grandes fortunas poderia render R$ 10 bi.


Diante da crise financeira por que passa o país, o governo federal não deveria adotar medidas de (re)ajuste fiscal prejudicando os mais vulneráveis economicamente, mas TAXAR os mais ricos, talvez dessa forma o governo saísse das cordas ao dar uma resposta à população, já que a maioria da elite brasileira almeja depor o governo Dilma.

Leia a matéria sobre o assunto retirado do blog do Luiz Carlos Azenha.

Randolfe: Imposto sobre grandes fortunas poderia render R$ 10 bi

publicado em 12 de fevereiro de 2015 às 20:15


No Swiss Leaks, o Brasil é o quarto maior em número de clientes. São 8.667 que tinham cerca de U$ 7 bi depositados no HSBC em 2006/2007. Quantos sonegaram impostos? Alguém acredita que o Fernando Rodrigues/UOL, parceiro do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos no Brasil, vai divulgar toda a lista? E o governo Dilma, vai ficar esperando?

Randolfe ataca ‘pacote de maldades’ e diz que grandes fortunas renderiam mais de R$ 10 bi

BRASÍLIA, 12 – O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) atacou hoje o ajuste fiscal do Governo Dilma como um ‘pacote de maldades’ do Governo Dilma Rousseff, baseado em duas Medidas Provisórias— 664 e 665 —, que reduzem os benefícios de trabalhadores e aposentados e restringe o acesso ao seguro-desemprego.

Randolfe, em discurso na tribuna do Senado Federal nesta tarde, propôs que o Governo Federal apoie a regulamentação do Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF), que segundo ele “atenderia mais da metade dos R$ 20 bilhões que o Governo pretende arrecadar com o seu infeliz Pacote de Ajuste Fiscal”.

O senador do PSOL citou um relatório de 2014 do banco Credit Suisse, com sede em Zurique, na Suíça, listando cerca de 1.900 pessoas com um patrimônio líquido superior a US$ 50 milhões (cerca de R$ 130 milhões), que poderiam ser alcançadas pelo Fisco brasileiro para “dar um quinhão maior de contribuição no combate à desigualdade de renda no País”.

Randolfe Rodrigues destacou, em seu discurso, que cerca de 10 mil famílias no Brasil se enquadram na moldura das grandes fortunas. “Nesse universo privilegiado, metade — ou 5 mil famílias — teria um patrimônio somado equivalente a 40% do PIB brasileiro, a sétima maior economia do mundo, que representa uma riqueza de US$ 2,24 trilhões”, destacou Randolfe.

Nessa conta, lembrou o senador do PSOL, cerca de US$ 900 bilhões estariam concentrados nas mãos das 5 mil famílias mais ricas do País. O Imposto sobre Grandes Fortunas foi aprovado pela Constituição de 1988 (Artigo 153, Inciso VII), mas até hoje não foi regulamentado: “Passaram-se mais de 26 anos e o Brasil ainda não estabeleceu as regras que tornariam viável este imposto ainda intocado pelo Fisco”, reclamou Randolfe.

O senador do PSOL lembrou que “reduzir direitos sociais, aumentar tarifas e preços públicos vai na contramão não só do que defendeu a presidente Dilma Rousseff  na campanha eleitoral, mas também do que quer, deseja e merece o povo brasileiro”. E fez um alerta: “O povo que foi às ruas em 2013 e em 2014, com certeza, retomará as ruas em 2015 por mais e melhores direitos. A sociedade não aceita mais pagar, com os impostos mais caros do mundo, uma estrutura política apodrecida que frauda e corrói seus direitos mais elementares”.

__
Imposto sobre grandes fortunas Imposto sobre grandes fortunas Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, fevereiro 12, 2015 Rating: 5



SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não é necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD