Header AD

Agassiz Almeida: Maria do Carmo Aquino, a intimorata.

Veio para a vida e a viveu sem se curvar ao deus dólar

Escritor
Maria do Carmo Aquino veio para a vida e a viveu sem se curvar ao deus dólar e dela partiu sem pedir licença ao Deus das religiões. Abominava os cretinos que se transvestiam de democratas para melhor sangrar os povos.

Não conseguindo assistir o nosso país vencer uma estrutura sociopolítica de séculos de espoliação, recolheu-se à ilha de Itamaracá, PE e de lá bradava: “Não serei conivente com a patifaria de um capitalismo cruel que faz dos povos rebanhos humanos e do capital um mito”. Assim, aquela valente se indignou até o último suspiro de vida.

No dia anterior ao seu falecimento, ouço a sua palavra por telefone: “Agassiz, fui convidada para falar sobre o teu livro ‘A ditadura dos generais’, em Recife. Que obra esta tua! É um anátema eterno contra os tiranos”.

Esta grande indignada irrompeu para a vida descendente de uma cepa de indomáveis resistentes, da qual se irradiou têmpera de fortes personificados em Osmar de Aquino e Laura Aquino.

Carregava-se da avidez de um ideal por justiça, da dissecação dos fatos e uma força voluntariosa de lutar. No seu rosto, liam-se os sentimentos de irresignação contra as atrocidades sociais. “Que crueldade os camponeses carregarem cinco séculos de latifúndio”.

Ao olhar milhares de camponeses num encontro em Sapé, PB, vergastava: “Não se pode conviver com uma sociedade na qual os trabalhadores do campo são relegados a párias”.

Trazia consigo uma força ingente em defesa dos injustiçados, e desta forma ela soube compreender a natureza humana: Fez-se forte e não autoritária; enérgica sem ser prepotente.

Dois impulsos moviam aquela personalidade que ora tomba no chão da História: o sentimento do mundo pelas liberdades e a luta em favor de milhões de camponeses cujo fardo de cinco séculos arrastam pelos rincões da América Latina. Frente a estes desafios construiu o seu templo de vida.

Certa vez, me disse tocada de indômita revolta: “Prefiro as tempestades da liberdade do que o silêncio e o conforto do oportunismo”.

Aquela combatente simbolizou o espírito de luta do seu tempo. Predestinou-se a enfrentar forças poderosas, sem temer adversidades. Acreditava no amanhã dos povos. Arrebatava-a um turbilhão revolucionário, e assim abraçou as grandes causas. Depois do golpe militar de 64, tornou-se feroz contra os torturadores ante os quais vituperava: “Não suporto pisar o mesmo chão destes infames”. Que valente guerreira!

Viandante incansável pelos caminhos da vida viajava muito. De Cuba para Moscou e de lá descortinou o mundo sem jamais ensarilhar as armas contra qualquer tipo de tirania.

Nas horas tempestuosas o que aquela filha de Guarabira nos legou? A altivez de jamais ceder aos lacaios.

Quando a covardia humana pelas garras militares encurralava a nação, Maria do Carmo Aquino ergueu a sua fortaleza de resistência na ilha de Itamaracá, e de lá soltava os seus petardos contra os tiranos. Que segurança ela nos passava. Transfigurava-se numa verdadeira “La Passionaria” da Guerra Civil Espanhola! Lá estávamos nós tocados por seu olhar imperativo: Gregório Bezerra, Osmar de Aquino, Francisco Julião, Agassiz Almeida, Abelardo da Hora, Clodomir Morais, Edval Cajá, Assis Lemos e tantos outros companheiros.

No seu mundo de Itamaracá onde conviveu com os trabalhadores do mar - se fez quase um personagem mítico de Hemingway - ouvia relatos fascinantes sobre o universo das águas e, desta forma, abria diálogos oceânicos com os pescadores.

Que fiquem estas palavras à guerrilheira que partiu: os fanfarrões e os degradados morais passam no cotejo interminável dos dias, a história marca os passos dos fortes, e entre estes lá está o nome de Maria do Carmo Aquino de Araújo.


Obs.: Agassiz Almeida é escritor, ativista dos direitos humanos, deputado federal constituinte de 1988, autor das obras “500 anos do povo brasileiro”, “A república das elites”, “A ditadura dos generais”; e recentemente lançou o livro “O fenômeno humano”. É considerado pela crítica como um dos grandes ensaístas do país (Dados colhidos na Wikipédia).
__
Agassiz Almeida: Maria do Carmo Aquino, a intimorata. Agassiz Almeida: Maria do Carmo Aquino, a intimorata. Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on segunda-feira, dezembro 29, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD