Header AD

Sobre a suposta traição ao PT

Na política o direito de espernear tem limite

Ao que parece, não houve traição. Isso é coisa da oposição e de quem talvez não compreenda a política como ela é.

Senão, vejamos a hipotética.

Se todos os eleitores do Camilo Capiberibe (27,53%) votassem na Dora Nascimento somados a todos os eleitores que votaram na Dora Nascimento (10,71%) daria 38,44% frente aos 36% de Davi Alcolumbre. Certo? Porém...

Porém, na política isto não seria lógico, mas ilógico, porque não existe 100% de um votar (inteiramente) no outro.

Têm mais.

Milhares votaram casado, ou seja, que sufragaram na urna Camilo e Dora; e outros, Camilo ou Dora. É ridículo, portanto, comparar à traição.

Isto só serve para quem provavelmente não sabe fazer política ou para quem aja de má fé servindo como ‘bucha de canhão’ para a oposição colocar lenha na fogueira.

Pode estar certo quem proferiu em uma rede social. “Nem o voto do Papa salvaria a petista da derrota”.

Lamentar faz parte do jogo eleitoral. No entanto, na política o direito de espernear tem limite.

Veja o argumento da Alcilene Cavalcante, pode ficar mais claro..

__

Sobre a suposta traição ao PT Sobre a suposta traição ao PT Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, outubro 08, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD