Header AD

Repercute no Brasil a possibilidade do ex-governador Waldez Góes - acusado de desviar mais de R$1bilhão - ser eleito no Amapá

Acusado de integrar esquema que desviou um R$ 1 BI, Waldez deve ser eleito no Amapá

Por Bruno Paes Manso
23 outubro 2014 | 09:16
Repercussão
O mundo dá voltas. Só que no Amapá os giros ocorrem em velocidade tão alta me deixam tonto. Parece que foi ontem que eu estive no Estado para testemunhar a prisão do político que atualmente é o candidato favorito na eleição para governador. Entre setembro de 2010 e outubro de 2011, fui algumas vezes à Macapá acompanhar a Operação Mãos Limpas e seus desdobramentos. A operação foi deflagrada na véspera das eleições estaduais de 2010. Malas de dinheiro e carros luxuosos como Ferrari e Maserati estavam entre os bens apreendidos com os suspeitos.  O inquérito era um show de horrores com casos de prostituição infantil e suspeitas de assassinatos.

Para fazer 18 prisões temporárias e oito preventivas, a Polícia Federal recrutou 700 homens que viajaram 22 horas pelo Rio Amazonas numa operação que custou R$ 1 milhão. O uso de um navio  buscava garantir o sigilo da ação que prendeu alguns peixes graúdos da elite local, como o então ex-governador Waldez Góes, que havia renunciado para concorrer ao senado, e seu sucessor, Pedro Paulo. Também foram para atrás das grades a ex-primeira dama Marília Góes e o presidente do Tribunal de Contas do Estado, José Júlio de Miranda. O inquérito analisou duas toneladas de materiais e documentos. Chegou a conclusão um ano depois que a suposta quadrilha havia desviado R$ 1 bilhão em recursos públicos ao longo de dez anos.  Você é capaz de imaginar, caro leitor, o que R$ 1 bilhão representa para um Estado como o Amapá?

Waldez, que havia governado entre 2003 e 2010, era apontado como peça chave no esquema. Fiz mais de dez matérias detalhando os absurdos administrativos a partir dos vídeos e provas colhidas pela PF. Falei com a população, fui a hospitais e escolas. Faltava pessoal, merendas e remédios. Quase não há esgoto no Estado, o que é temerário para o Rio Amazonas, que banha a capital, imenso como um oceano. Em períodos de maré seca, onde era rio só sobra lama e cidade organiza torneios de futlama.

O escândalo revelado pela Mãos Limpas fez parte da sociedade amapaense se mobilizar. Movimentos contra a corrupção foram criados. Randolfe Rodrigues, o jovem senador do PSOL, ganhou a eleição daquele ano e foi representar os amapaenses em Brasília. Parecia que finalmente as lideranças locais haviam se envergonhado depois de tamanha exposição. Mas não, eu acho que entendi tudo errado. Waldez é o favorito para ganhar as eleições de domingo, de acordo com as pesquisas. Sua mulher, Marília Góes, foi a deputada estadual mais votada. Na campanha, os dois disseram que eram inocentes.

Minha opinião é de um forasteiro, que enxerga tudo com enorme frustração. Também não sou de julgar 0u de achar que a corrupção é o único assunto a ser discutido na política. Só que esse caso é um soco no estômago. Ficam apenas perguntas e mais perguntas. A população amapaense é tolerante com a corrupção e com os desvios bilionários? As acusações da Polícia Federal foram injustas? O trabalho da imprensa e a publicidade do escândalo não adiantaram de nada? Waldez, Marília e a suposta quadrilha eram inocentes ou menos culpados do que pareciam? Mesmo com todos os desvios, eles foram políticos competentes? O que eles representam ou simbolizam para os eleitores que os escolhem? O governo de Camilo Capiberibe, que tenta a reeleição, foi desastroso a ponto de trazer Waldez de volta ao palco? O que Camilo fez (ou não fez) para ser preterido?

Gostaria muito de saber as respostas. Elas certamente me ajudariam a conhecer mais o Brasil e a compreender uma infinidade de coisas que eu nem sequer imagino.

Abaixo segue o vídeo que eu e o fotógrafo Thiago Queiroz fizemos a partir de imagens exclusivas da operação.


__
Repercute no Brasil a possibilidade do ex-governador Waldez Góes - acusado de desviar mais de R$1bilhão - ser eleito no Amapá Repercute no Brasil a possibilidade do ex-governador Waldez Góes - acusado de desviar mais de R$1bilhão - ser eleito no Amapá Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, outubro 23, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD