Header AD

O suspeito palanque de Waldez Góes

Apoiadores da candidatura de Waldez Góes ou foram presos e condenados, ou estão enrolados com a Justiça

Palanque
Candidato ao governo do estado Waldez Góes pelo PDT apresenta os integrantes do seu palanque neste segundo turno das eleições de 2014.

Causa espanto a lista de políticos que respondem na Justiça a Ações Criminais, Administrativas, ou Civis.

Nomes que são acusados de corrupção, outros condenados na Justiça, há até os que foram presos, como é o caso do próprio candidato Waldez, que está condenado na esfera civil e tem que devolver R$78 milhões; embora na esfera penal o juiz Matias Pires Neto o tenha absolvido por falta de provas no caso dos consignados.

Veja a lista dos integrantes do palanque do candidato Waldez que estão enrolados com a Justiça ou que foram presos pela Polícia Federal.

Sebastião Bala Rocha – preso em 2004 na operação Pororoca da Polícia Federal, acusado de formação de quadrilha e fraude em licitação quando era secretário de saúde de Waldez Góes. Naquela operação a PF apontou Rocha como participante de um esquema que teria desviado R$ 103 milhões de recursos da saúde.

Moisés Souza – caiu na operação “Eclésia”; denunciado pelo Ministério público em mais de dez ações por formação de quadrilha, peculato, lavagem de dinheiro; corrupção ativa; ausência de procedimento licitatório (Art. 89 da Lei. 8.666/93).

Mira Rocha - responde a processos do caso da operação Mãos Limpas no STJ; no início deste ano ela prestou depoimento em Brasília. Mira Rocha é citada em relatório da PF, acusada de participar de um suposto esquema de desvio de recursos públicos por meio de uma cooperativa de veículos e uma empresa de publicidade que forneciam notas fraudadas como prestação de serviço para deputada.

Michel JK- O Ministério Público denuncia o deputado em Ações de improbidade administrativa e enriquecimento ilícito.

Antônio Nogueira - ex-prefeito de Santana foi condenado a 8 anos de prisão e recorre na Justiça para não ser preso. Nogueira também foi condenado por improbidade administrativa com a perda da função pública e suspensão dos direitos políticos pelo prazo de três anos.

Jorge Amanajás – O Ministério Público Estadual o denuncia em decorrência da Operação Mãos Limpas, sendo acusado por formação de quadrilha, peculato, lavagem de dinheiro e fraude em licitação.

Marília Góes - presa na operação Mãos Limpas por fraudes na Secretaria de Mobilização Social(SIMS). Segundo apurou o Ministério Público Federal, Marília direcionava certame licitatório, além de práticas de superfaturamento para a aquisição de kits de roupas de bebê, além da contratação do Instituto Vidas Parceiras para a capacitação de servidores, dentre outros, além do uso político dos programas sociais de incumbência da SIMS.

 Waldez Góes – segundo o Ministério Público Federal(MPF) ações de Waldez no governo do Amapáconstituíram ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração, viola os deveres da honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições; foi preso na operação Mãos Limpas acusado dos mais diversos crimes contra a Administração Pública.

Roberto Góes – acusado de formação de quadrilha, peculato, lavagem de dinheiro e ausência de procedimento licitatório; foi preso pela Polícia Federal e passou cerca de dois meses preso no presídio da Papuda em Brasília.

João Henrique – ex-prefeito e vereador de Macapá; renunciou à candidatura de deputado estadual por causa da Lei da Ficha Limpa. João Henrique foi preso na operação Pororoca, em 2004, acusado de desviar mais de R$ 6 milhões em recursos federais  destinados à construção do Hospital do Câncer.

Rosemiro Rocha Freires – ex-prefeito de Santana está proibido pela Justiça de assumir cargo ou função pública por cinco anos e deverá prestar serviços à comunidade. Rocha caiu na operação POROROCA, de novembro de 2004. A Polícia Federal investigava esquema de fraude em licitações de obras federais no Amapá. Segundo a PF, na ocasião, o prejuízo aos cofres públicos poderia chegar aos R$ 100 milhões.

Há outros políticos que apoiam Waldez e que também respondem na Justiça diversos tipos de crimes contra a Administração Pública. No entanto, para não ficar longo demais o post, o destaque é apenas para a maioria dos que estão neste palanque do pedetista (foto acima).
__

O suspeito palanque de Waldez Góes O suspeito palanque de Waldez Góes Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on domingo, outubro 12, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD