Header AD

O suspeito palanque de Waldez Góes

Apoiadores da candidatura de Waldez Góes ou foram presos e condenados, ou estão enrolados com a Justiça

Palanque
Candidato ao governo do estado Waldez Góes pelo PDT apresenta os integrantes do seu palanque neste segundo turno das eleições de 2014.

Causa espanto a lista de políticos que respondem na Justiça a Ações Criminais, Administrativas, ou Civis.

Nomes que são acusados de corrupção, outros condenados na Justiça, há até os que foram presos, como é o caso do próprio candidato Waldez, que está condenado na esfera civil e tem que devolver R$78 milhões; embora na esfera penal o juiz Matias Pires Neto o tenha absolvido por falta de provas no caso dos consignados.

Veja a lista dos integrantes do palanque do candidato Waldez que estão enrolados com a Justiça ou que foram presos pela Polícia Federal.

Sebastião Bala Rocha – preso em 2004 na operação Pororoca da Polícia Federal, acusado de formação de quadrilha e fraude em licitação quando era secretário de saúde de Waldez Góes. Naquela operação a PF apontou Rocha como participante de um esquema que teria desviado R$ 103 milhões de recursos da saúde.

Moisés Souza – caiu na operação “Eclésia”; denunciado pelo Ministério público em mais de dez ações por formação de quadrilha, peculato, lavagem de dinheiro; corrupção ativa; ausência de procedimento licitatório (Art. 89 da Lei. 8.666/93).

Mira Rocha - responde a processos do caso da operação Mãos Limpas no STJ; no início deste ano ela prestou depoimento em Brasília. Mira Rocha é citada em relatório da PF, acusada de participar de um suposto esquema de desvio de recursos públicos por meio de uma cooperativa de veículos e uma empresa de publicidade que forneciam notas fraudadas como prestação de serviço para deputada.

Michel JK- O Ministério Público denuncia o deputado em Ações de improbidade administrativa e enriquecimento ilícito.

Antônio Nogueira - ex-prefeito de Santana foi condenado a 8 anos de prisão e recorre na Justiça para não ser preso. Nogueira também foi condenado por improbidade administrativa com a perda da função pública e suspensão dos direitos políticos pelo prazo de três anos.

Jorge Amanajás – O Ministério Público Estadual o denuncia em decorrência da Operação Mãos Limpas, sendo acusado por formação de quadrilha, peculato, lavagem de dinheiro e fraude em licitação.

Marília Góes - presa na operação Mãos Limpas por fraudes na Secretaria de Mobilização Social(SIMS). Segundo apurou o Ministério Público Federal, Marília direcionava certame licitatório, além de práticas de superfaturamento para a aquisição de kits de roupas de bebê, além da contratação do Instituto Vidas Parceiras para a capacitação de servidores, dentre outros, além do uso político dos programas sociais de incumbência da SIMS.

 Waldez Góes – segundo o Ministério Público Federal(MPF) ações de Waldez no governo do Amapáconstituíram ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração, viola os deveres da honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições; foi preso na operação Mãos Limpas acusado dos mais diversos crimes contra a Administração Pública.

Roberto Góes – acusado de formação de quadrilha, peculato, lavagem de dinheiro e ausência de procedimento licitatório; foi preso pela Polícia Federal e passou cerca de dois meses preso no presídio da Papuda em Brasília.

João Henrique – ex-prefeito e vereador de Macapá; renunciou à candidatura de deputado estadual por causa da Lei da Ficha Limpa. João Henrique foi preso na operação Pororoca, em 2004, acusado de desviar mais de R$ 6 milhões em recursos federais  destinados à construção do Hospital do Câncer.

Rosemiro Rocha Freires – ex-prefeito de Santana está proibido pela Justiça de assumir cargo ou função pública por cinco anos e deverá prestar serviços à comunidade. Rocha caiu na operação POROROCA, de novembro de 2004. A Polícia Federal investigava esquema de fraude em licitações de obras federais no Amapá. Segundo a PF, na ocasião, o prejuízo aos cofres públicos poderia chegar aos R$ 100 milhões.

Há outros políticos que apoiam Waldez e que também respondem na Justiça diversos tipos de crimes contra a Administração Pública. No entanto, para não ficar longo demais o post, o destaque é apenas para a maioria dos que estão neste palanque do pedetista (foto acima).
__

O suspeito palanque de Waldez Góes O suspeito palanque de Waldez Góes Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on domingo, outubro 12, 2014 Rating: 5

Nenhum comentário




SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não é necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD