Header AD

Ato político de delegados teria ligação com Marília Góes

Dos 60 delegados anunciados pelo sindicato, menos de 20 entregaram seus cargos

Delegados entregam cargos, mas rotina não muda a rotina nas delegacias do Estado

A ação de um grupo de cinco delegados que, na manhã desta terça-feira, 23, entregou coletivamente seus cargos não muda em absolutamente nada a rotina nas delegacias do Estado.

"A ação foi mais política do que em defesa da categoria", declarou um delegado aposentado que preferiu o anonimato para não se indispor com os ex-colegas de profissão.

A razão é simples. "O fato de entregarem a titularidade de uma delegacia não os exime de responder por ela, isso porque são profissionais concursados. Eles deixam de fazer as funções administrativas, como escalas e outros serviços burocráticos, mas continuam executando a função de delegados normalmente", explicou.

O que reforça a teoria do delegado aposentado de que a entrega dos cargos tem motivação política se baseia em dois motivos. "É so perguntar porquê estão fazendo isso agora? O outro fator tem relação direta com o grau de envolvimento de cada um deles com a delegada e deputada Marília Góes. É preciso ficar com os olhos bem abertos, mais coisas ainda vão acontecer daqui pra frente", alertou.

De acordo com a Delegacia Geral de Polícia Civil, oito cargos estão vagos por se tratar de aposentadoria, licença especial, servidor designados para outras unidades, Distrito de Lourenço e os municípios de Itaubal do Piririm e Cutias do Araguari, que ainda não possuem delegacia.

Os delegados, integrantes do movimento, pertencem à classe especial e 1ª classe, ou seja, são servidores que ganham subsídios de 19.529,32 e R$ 16. 872, 27, respectivamente, mais o valor de gratificação igual a todos de R$ 1.684,37 para exercer a titularidade.

Dez dos que pediram exoneração são do interior. Os outros dez são da capital.

O trabalho da Polícia Judiciária em todo o Estado do Amapá não será prejudicado com os pedidos de exonerações, ou seja, cargo comissionado é estritamente administrativo. Eles vão continuar normalmente como servidores, cumprindo horário de trabalho e instaurando inquéritos em suas unidades.

Com as exonerações de cargos, o Governo do Amapá vai economizar no pagamento de gratificações a delegados R$ 33.687,40 por mês e R$R 404.248,80 por ano.

Com recursos do Tesouro e do Fundo de Reequipamento Policial (Funrespol), o Governo do Amapá investiu mais de R$ 5 milhões na Polícia Civil, a partir de 2011, na aquisição de equipamentos de informática e inteligência, móveis e utensílios domésticos, armas, munição, coletes, algemas, viaturas, embarcações, entre outros.

(Com informações do MZ Portal  | Agência Amapá)

__
Ato político de delegados teria ligação com Marília Góes Ato político de delegados teria ligação com Marília Góes Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, setembro 25, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD