Header AD

Ato político de delegados teria ligação com Marília Góes

Dos 60 delegados anunciados pelo sindicato, menos de 20 entregaram seus cargos

Delegados entregam cargos, mas rotina não muda a rotina nas delegacias do Estado

A ação de um grupo de cinco delegados que, na manhã desta terça-feira, 23, entregou coletivamente seus cargos não muda em absolutamente nada a rotina nas delegacias do Estado.

"A ação foi mais política do que em defesa da categoria", declarou um delegado aposentado que preferiu o anonimato para não se indispor com os ex-colegas de profissão.

A razão é simples. "O fato de entregarem a titularidade de uma delegacia não os exime de responder por ela, isso porque são profissionais concursados. Eles deixam de fazer as funções administrativas, como escalas e outros serviços burocráticos, mas continuam executando a função de delegados normalmente", explicou.

O que reforça a teoria do delegado aposentado de que a entrega dos cargos tem motivação política se baseia em dois motivos. "É so perguntar porquê estão fazendo isso agora? O outro fator tem relação direta com o grau de envolvimento de cada um deles com a delegada e deputada Marília Góes. É preciso ficar com os olhos bem abertos, mais coisas ainda vão acontecer daqui pra frente", alertou.

De acordo com a Delegacia Geral de Polícia Civil, oito cargos estão vagos por se tratar de aposentadoria, licença especial, servidor designados para outras unidades, Distrito de Lourenço e os municípios de Itaubal do Piririm e Cutias do Araguari, que ainda não possuem delegacia.

Os delegados, integrantes do movimento, pertencem à classe especial e 1ª classe, ou seja, são servidores que ganham subsídios de 19.529,32 e R$ 16. 872, 27, respectivamente, mais o valor de gratificação igual a todos de R$ 1.684,37 para exercer a titularidade.

Dez dos que pediram exoneração são do interior. Os outros dez são da capital.

O trabalho da Polícia Judiciária em todo o Estado do Amapá não será prejudicado com os pedidos de exonerações, ou seja, cargo comissionado é estritamente administrativo. Eles vão continuar normalmente como servidores, cumprindo horário de trabalho e instaurando inquéritos em suas unidades.

Com as exonerações de cargos, o Governo do Amapá vai economizar no pagamento de gratificações a delegados R$ 33.687,40 por mês e R$R 404.248,80 por ano.

Com recursos do Tesouro e do Fundo de Reequipamento Policial (Funrespol), o Governo do Amapá investiu mais de R$ 5 milhões na Polícia Civil, a partir de 2011, na aquisição de equipamentos de informática e inteligência, móveis e utensílios domésticos, armas, munição, coletes, algemas, viaturas, embarcações, entre outros.

(Com informações do MZ Portal  | Agência Amapá)

__
Ato político de delegados teria ligação com Marília Góes Ato político de delegados teria ligação com Marília Góes Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, setembro 25, 2014 Rating: 5

Nenhum comentário




SE O LEITOR TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é espaço dedicado ao jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se não tem conta no PayPal, não é necessidade se inscrever para doar ou assinar, basta apenas usar o cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD