Header AD

Artigo de Agassiz Almeida

Peçam desculpas à nação.

Por Agassiz Almeida (via e-mail)

O que nos leva a esta mensagem em que expresso a posição de várias entidades defensoras dos direitos humanos? Por décadas, esta interrogação angustia o povo brasileiro. Por que em todos os países, como Portugal, Chile, Argentina, Grécia os torturadores e genocidas foram arrastados às barras da Justiça e no Brasil, não? O que responde o corporativismo? Houve anistia e uma guerra suja. Que anistia emanada de um Congresso castrado! Que guerra suja! Algumas centenas de delirantes jovens frente a um milhão de homens armados.

Quem eram aqueles resistentes nascidos nos chãos da Latino-América? Carregavam a obsessão dos místicos, a magia dos utópicos e o heroísmo dos revolucionários.

Para o encontro da verdade com a História o que espera o povo brasileiro das suas Forças Armadas? Abram os arquivos do terror e apontem os nomes daqueles que, à sombra do poder, se desandaram em crimes monstruosos.

Quem nos julgará hoje e amanhã, comandantes? A História. Instituições e homens carregam erros e deformidades. O que objetiva o povo brasileiro, por meio da Comissão Nacional da Memória, Verdade e Justiça? Conhecer os acontecimentos daquele período sombrio (1964/85), em que circunstâncias se desfecharam e os nomes dos personagens. Em todos os tempos, o homem sempre lutou contra a besta humana. Certos tipos carregam um Roubaud (personagem de “A besta humana”, de Émile Zola).

Olhemos os militares sul-americanos a partir do século XIX, especialmente o exército e a marinha do Brasil. O caudilhismo, sob o bafejo de um militarismo cego, despedaçou os ideais de Simón Bolívar, e retaliou a América hispânica em várias republiquetas. Numa grandeza de patriotismo as forças do exército e da marinha do país defenderam a unidade da nacionalidade com a salvaguarda da vastidão do território pátrio.

Em traços rápidos, conceituemos o exército do país cuja postura se firmou naquela e nestas passagens históricas: não se fez capitão do mato de escravos fugitivos, no martirológio dos 18 do Forte de Copacabana, na Revolução de 30, na Força Expansionista contra o nazismo nos chãos da Itália, não se atrelou à ambição norte-americana nas guerras da Coreia e do Vietnam.

Projetemos esta instituição armada nos anos de 1964 e nos dias atuais. Que contraste face àqueles momentos históricos. Embasado num fantasmagórico anticomunismo golpeou o regime democrático em 64 e implantou uma cruel ditadura por 21 anos. A partir de 1970, sob o tacão do ditador Médici uma diretriz estatal abominável adotou-se por estratégia do Pentágono e com alcance em toda a América Latina: institucionalizaram a tortura e o desaparecimento dos mortos. Sinistras ditaduras desabaram sobre os povos latino-americanos que iriam conhecer as suas noites de São Bartolomeu e de Auschwitz.

Rasgue-se o manto debaixo do qual se obscurece a verdade.

O Brasil fez-se signatário de tratados e convenções em defesa dos direitos humanos e projeta-se “tempora ad temporam”. Nós somos apenas meros passageiros do carrilhão da vida.

Comandantes, engrandeçam a nossa história com o gesto das desculpas à nação brasileira! Que dimensão patriótica nesta atitude! Constantino, imperador romano do século IV, desculpou-se pelas atrocidades contra os cristãos; Napoleão, vencedor de memoráveis batalhas, desculpou-se pelo massacre de Lyon, na França, comandado por Fouché; Brasil e EUA se desculparam perante os povos africanos pelas infâmias da escravidão; o papa Bento XVI se desculpou ante o mundo pelos crimes de pedofilia praticados por sacerdotes da Igreja Católica.

O gesto das desculpas encerra duas grandezas: o magnânimo em reconhecer a energia e a coragem dos intimoratos compatriotas que resistiram à ditadura e ao poder das armas, e sob outro aspecto, uma visão superior e compreensiva do mundo.

Apequena-se quem desconhece os instantes da história como estes: o heroísmo dos 300 combatentes das Termópilas há mais de 2.000 anos; o martirológio juvenil dos imolados do Araguaia, o destemor épico daqueles que lutaram contra as ditaduras. Mais grave do que o crime é o silêncio, debaixo do qual se encobrem os criminosos; a ambos transcende este fato: negar ao povo brasileiro o direito de conhecer como os delitos ocorreram e os nomes dos personagens que os praticaram.

Encerre-se esta mensagem, e que estas palavras ecoem na consciência da nação.

Comandantes, cesse tudo o que um dia eclodiu em ódio e resistência, erga-se o gesto que dimensiona esta grandeza, sob o signo pax ad infinitum: PEÇAM DESCULPAS À NAÇÃO BRASILEIRA.
                     
Saudações histórico-democráticas
Agassiz Almeida

Obs. Agassiz Almeida é escritor, ativista dos direitos humanos, como deputado federal constituinte apresentou emendas entre as quais a que cria o Ministério da Defesa e tipifica a tortura como crime de lesa-humanidade. Autor de obras clássicas sobre o elitismo e o militarismo. É considerado pela crítica como um dos grandes ensaístas do país. (Dados colhidos no Wikipédia).
__

Artigo de Agassiz Almeida Artigo de Agassiz Almeida Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on terça-feira, setembro 16, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD