Header AD

Waldez Góes é condenado pela Justiça por desvios de mais R$70 milhões

Justiça confirma condenação dos ex-governadores do Amapá na ação dos consignados

Juiz Paulo Madeira, da 6ª Vara Cível e de Fazenda Pública de Macapá, rejeitou embargos de declaração e manteve a condenação, por atos de improbidade administrativa, dos ex-governadores Waldez Góes e Pedro Paulo Dias, na ação proposta pelo Ministério Público do Amapá (MP-AP), sobre a utilização indevida de recursos oriundos dos empréstimos consignados contraídos por servidores público do Estado.

Com a decisão, o magistrado confirma que a conduta dos ex-governadores está perfeitamente enquadrada no Art. 11 da Lei 8429/92, qual seja: “constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições”.

Para rejeitar a tese de que a ação proposta pelo MP-AP teria caráter político e que houve quebra no princípio do Promotor Natural, o juiz foi enfático: “Em primeiro lugar, o Estado-Juiz não pode partir do pressuposto de que o MP, instituição fundamental para a cidadania, com respaldo na Constituição Federal, tenha agido por motivos políticos. Não há, nos autos, nada que sequer indique essa assertiva. O fato de ter sido designado Promotor de Justiça, no lugar de outro, tem agasalho em previsão constitucional, que dá ao MP autonomia funcional e administrativa”, assinalou.

Segundo Paulo Madeira, a responsabilidade de Waldez Góes e Pedro Paulo já estava claramente exposta na sentença que os condenou: “se os ora Requeridos não exigiam dos seus Secretários as informações sobre um aspecto fundamental de qualquer governo, que é a relação com os servidores públicos, se não procuravam saber se os valores retidos dos servidores estavam tendo a destinação legal, então, podem ser considerados omissos, e devem responder por isso”.

Pedro Paulo tentou sustentar a tese de que os recursos dos empréstimos consignados não seriam públicos e sim das instituições financeiras, mas fracassou. “(...) isso é um aspecto secundário da matéria trazida ao Juízo. O que pesou foi que eram verbas administradas pelo Poder Público, descontadas dos contracheques dos servidores, sem a destinação contratual a que o Poder Público se comprometeu, gerando, com isso, endividamento para o Estado do Amapá, que teve que fazer acordo para não inviabilizar negócios futuros e para proteger os servidores que estavam sendo acionados judicialmente”, reforçou o juiz.

Por fim, embora tenha desconsiderado o dolo, o magistrado não deixa qualquer dúvida sobre a responsabilidade dos ex-governadores. “O que ficou provado, e isso está contextualizado na sentença, é que foram péssimos gestores da coisa pública, sem tomar qualquer medida efetiva para combater algo que era púbico e notório, provocando com suas omissões, sérios prejuízos para a imagem do Estado do Amapá e, em particular, para vários servidores, que viram seus nomes lançados no SPC/SERASA, apesar dos descontos regulares nos contracheques”, frisou.

Waldez Góes e Pedro Paulo foram condenados ao ressarcimento integral do dano, a ser apurado em liquidação de sentença, além de multa equivalente a 100% do valor do prejuízo.

ASCOM/MP
_

Waldez Góes é condenado pela Justiça por desvios de mais R$70 milhões Waldez Góes é condenado pela Justiça por desvios de mais R$70 milhões Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on sexta-feira, agosto 08, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD