Header AD

Jornalismo de esgoto

Como o jornalismo vem sendo manipulado no AP para destruir reputações

Do Folha do Estado
O jornalismo de esgoto das empresas de comunicação de Gilvam Borges - reprodução
O político da pusilanimidade (Edição 114)

Fica cada vez mais evidenciada a disposição dos adversários políticos do governo Camilo Capiberibe em lançar mão de todos os artifícios e meios, principalmente os criminosos, para retomar, à força de fórceps, as chaves dos cofres públicos. Essa tendência que, até recentemente vinha sendo mantida longe dos olhos da população amapaense, veio à tona com a decisão da Câmara Única do Tribunal de Justiça do Amapá em condenar o ex-senador Gilvam Borges pelos crimes de calúnia e difamação cometidos (pasmem!) contra o próprio governador do Estado.

Gilvam utilizou os meios de comunicação do grupo que pertence a família dele para afirmar que Camilo Capiberibe teria, em Oiapoque, negado transporte aéreo a uma criança que, sem deslocamento rápido para a capital, faleceu. Trata-se de uma grande mentira orquestrada pelo próprio Gilvam Borges para vilipendiar e denegrir a imagem do cidadão Camilo Capiberibe.

De acordo com parecer do relador, desembargador Raimundo Vales, é inaceitável que “(...) um cidadão, que já foi representante do povo no Senado Federal se utilize de um meio de comunicação para, a todo custo, denegrir a imagem de adversários políticos, forjando fatos e engando o povo que um dia confiou-lhe o voto”.

A conclusão expressa pelo magistrado no arrazoado que antecedeu seu voto, escancara para a sociedade as metodologias típicas de gangsterismo político perpetradas por Gilvam Borges contra opositores. O ex-senador é conhecido por sua atuação desenvolta nos porões da política estadual, o que constitui um capítulo à parte, revelando uma marginália capaz de criar campo gravitacional próprio, muito além do alcance da Justiça.

Execrado publicamente por adversários covardes, Camilo Capiberibe desabafou: Eu fui vítima de uma trama venal que me prejudicou e fez minha família sofrer”.

Lamentável, senhor Gilvam Borges! Mas, o que esperar de um homem nascido da amargura e refogado longamente em caldo de ódio? O que esperar de um corsário político senão embustes, velhacarias e atos degenerados? Nada mais previsível.

Os descaminhos da Imprensa (Edição 113)

A Imprensa tem papel fundamental na consolidação da democracia e na defesa dos direitos humanos. Principalmente nos dias atuais, com o advento das novas tecnologias e a importância da Internet na vida das comunidades. As mídias sociais (sites, blogs, Facebook, Twitter e demais aplicativos) estão presentes no cotidiano, permitindo que qualquer pessoa tenha seu próprio veículo de comunicação e passe a expressar livremente sua opinião na rede mundial de computadores.

Thomas Jefferson, o terceiro presidente dos Estados Unidos (1801-1809), certa vez afirmou: “Se me fosse dado decidir se devemos ter um governo sem jornais, ou jornais sem um governo, não hesitaria um momento em preferir a última”. Sem dúvida, a Imprensa é o pilar da liberdade e, quando exercida com zelo, é a principal ferramenta da sociedade na construção de uma vida melhor para todos.

Mas, a Imprensa deixa de ter essa importância quando se apequena diante de políticos corruptos, e converte-se em instrumento de barganha nas mãos de empresários inescrupulosos. A imprensa amapaense (com raras exceções) vive seu pior momento, e isso vem ocorrendo desde 2003, quando profissionais e donos de empresas de comunicação foram cooptados pelo então governo Waldez Góes (PDT), resultado de projeto tramado pelo advogado Gutembergue Jácome, iminência parda do pedetista. O que era para ser um procedimento legal, divulgar medidas e ações governamentais, virou um “negócio” de cosa nostra.

As despesas da gestão passada com pagamento de radialistas, jornalistas, donos de jornais e de emissoras de rádio e TV ultrapassaram, e muito, a medida do bom senso. Foram gastos milhões de reais para não deixar que as ações negativas, os desmandos e as malfeitorias do governo Waldez Góes se tornassem de domínio público. E foi no decorrer de oito anos (2003 – 2010) que alguns pseudo profissionais de Imprensa ficaram ricos. Compraram mansões, carrões de luxo, tornaram-se proprietários de imóveis em badalados balneários nordestinos, investiram fortunas em parentes, transformando-os, à força de fórceps, em arremedos de artistas.

Enquanto a imprensa domesticada distraía a população amapaense com notícias inverídicas, proeminentes do governo Waldez agiam desenvoltos nos subterrâneos, promovendo verdadeiros assaltos ao tesouro público. Era de surpreender – e irritar – a indiferença dos jornais para operações da Polícia Federal na Secretaria de Estado da Saúde. Os donos desses veículos mandavam “suavizar” a notícia para não atingir o mandachuva de plantão. Inclusive, o editor-chefe de um desses jornais chegou a ser demitido porque deixou “passar” uma legenda sob a foto de Waldez Góes que dizia “bandido preso”. A legenda fora publicada por engano.

A subserviência da Imprensa não era pelos “belos” olhos de Waldez Góes. Mas, provinha da montanha de dinheiro mensalmente repassada, por meio da Secretaria de Estado da Comunicação e da agência de publicidade Amazoon – Sistema de Comunicação, para os bolsos e contas desses pretensos “barões da mídia”. Por conta desse “ mensalinho”, a quadrilha montada nas entranhas da administração pública estadual pôde agir incólume por anos, saqueando e pilhando o dinheiro da população carente do Amapá.
Esse tempo de trevas na história da Imprensa amapaense ainda não acabou. Emissoras de rádio e TV, jornais e revistas controladas por opositores do governo Camilo Capiberibe continuam utilizando as ferramentas do jornalismo para construir falsas verdades e disseminar o ódio. E o que eles faziam antes, elevando às alturas da mentira e hipocrisia um governo forjado no pântano, tentam repetir às avessas contra um governo democraticamente eleito pela vontade do povo.

Quando homens venais e inescrupulosos utilizam a Imprensa para espalhar mentiras e promover a discórdia entre os incautos é preciso ficar atento, pois, o que eles querem é o retorno das velhas e criminosas práticas políticas. E o que menos importa para eles é o bem-estar do povo amapaense.

Iscariotismo político (Edição 112)

Inconformados com a firme decisão do governador Camilo Capiberibe em rechaçar antigas práticas políticas que em passado recente contribuíram sobremodo para levar o Amapá à indigência social e financeira, alguns deputados e deputadas estaduais da VI Legislatura decidiram instrumentalizar os respectivos mandatos para promover a ingovernabilidade e impedir a implantação de políticas públicas favoráveis ao povo amapaense.

As inconsequências dos atos de “suas excelências” ganham contornos antidemocráticos e adquirem viés de “trama e conspiração” contra um governo legitimamente eleito pela vontade popular, e que hoje encontra dificuldades para desenvolver suas ações buscando melhorar a qualidade de vida de jovens e adultos porque parlamentares estaduais resolveram ignorar as atribuições para as quais foram eleitos e eleitas, para despender esforço e desperdiçar dinheiro do contribuinte com ações meramente revanchistas.

Nas últimas semanas, tribunos e tribunas gastaram mais tempo em construir denúncias, formular  embates, vetar projetos do Executivo ou simplesmente palrar contra o governo do que realmente legislar em favor dos mais carentes, propor leis que gerem emprego e renda, garantir aos desvalidos acesso ao mercado de trabalho.

Tanto esforço concentrado para desacreditar o governo e desgastá-lo junto a sociedade amapaense tem um propósito canhestro: derrubar Camilo Capiberibe e no lugar dele colocar o deputado Bruno Mineiro, ilustre representante da VI Legislatura, a mesma das verbas indenizatórias e diárias exorbitantes. Parece roteiro de filme hollywoodiano, daqueles com trama intricada, mas está acontecendo bem embaixo de nossos narizes.

Sem qualquer exagero, trata-se de manobra típica de iscariotismo político, daquelas praticados em profusão nas republiquetas latino-americanas e que acabam elevando ao poder um grupo político contrário às aspirações populares e disposto a enriquecer às custas do erário. O que já aconteceu no Amapá, entre 2003 e 2010. Por essas e outras, é que não devemos permitir que a história do Amapá volte à lata do lixo. Só o voto resolve.

O perfil tortuoso de Waldez Góes (111)

A declaração de bens do candidato Waldez Góes (PDT) entregue à Justiça eleitoral é um acinte à inteligência - e ao bom senso - do honrado cidadão amapaense. Como pode alguém, que exerceu o cargo de governador do Estado entre 2003 e 2010, declarar que só tem, como patrimônio, um imóvel avaliado em R$ 15 mil?

Raciocinemos por esta perspectiva hipotética. Oito anos multiplicados por 12 meses (um ano) são 96 meses. Digamos que a partir de janeiro de 2003, após tomar posse como governador, Waldez passasse a receber R$ 6 mil de salário. Multipliquemos 96 por 6 e chegaremos à bagatela de R$ 576 mil.
Ou seja, em oito anos (96 meses) Waldez Góes recebeu R$ 576 mil de salários. Dinheiro suficiente para comprar um bom apartamento em qualquer uma das nove capitais da Amazônia Legal.

Mas atenção: estes números são meramente ilustrativos. Incluindo rejustes, diárias e outros penduricalhos de igual ou maior importância, o salário do ex-governador sempre esteve em espiral crescente, alcançando níveis estratosféricos no fim do segundo mandato.

Além dessa patuscada, Waldez Góes também omitiu da Justiça Eleitoral os inúmeros processos cíveis e criminais nos quais ele é réu acusado da prática de crimes como malversação, peculato, concussão, corrupção passiva e ativa, formação de quadrilha e prevaricação. Inclusive sofrendo recente condenação judicial.

Ao ser flagrado no cometimento do deslize, Waldez Góes, por meio de sua assessoria, tratou de buscar apoio junto aos antigos parceiros do mass-media (mídia tradicional). No entanto, o estrago já estava feito, fato evidenciado na reação do povo amapaense, variando entre a pilhéria (o ceticismo) e a revolta, expressa através de gestos e palavras impublicáveis.

A omissão dos processos em trâmite na Justiça comum e a declaração de bens controversa revelam claramente o perfil tortuoso do ex-governador e atual candidato do PDT. Exemplo clássico de quem está disposto a tudo para retomar o controle do tesouro estadual.
_
Jornalismo de esgoto Jornalismo de esgoto Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, agosto 13, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD