Header AD

Radialista Carlos Lobato é suspeito de receber recursos públicos para atacar o governo Camilo

Pedetista Carlos Lobato é acusado de recebe R$ 25 mil/mês para ofender adversários políticos

Radialista Carlos Lobato - Reprodução
Em uma rádio local, quase todo santo dia o filiado ao Partido Trabalhista Brasileiro(PDT), o radialista Carlos Lobato, realiza ofensas e ataques à imagem pública do governador Camilo e a integrantes do Ministério Público do Estado (MPE). Lobato responde nos Tribunais a dezenas de ações e recentemente foi condenado pela Justiça por calúnia e difamação desferidas contra o governador do Estado. O MPE também o denunciou por ter recebido mais de R$ 100 mil da Assembléia Legislativa do Amapá(ALAP) quando o deputado Moisés Souza presidia aquela Casa de leis. Além do mais, documentos revelam que o radialista recebe todo mês R$ 25 mil da ALAP como forma de "patrocínio" do programa Tribuna da Cidade, apresentado por ele em uma das emissoras do ex-senador Gilvam Borges. A retribuição seria a de atacar adversários do grupo político denominado de "harmonia".



Do blog do Heverson Castro - O radialista e advogado Carlos Lobato não tem do que reclamar quando o assunto é receber dinheiro público para atacar com ofensas e calúnias os adversários políticos de quem o patrocina. Somente a Assembleia Legislativa do Estado Amapá (Aleap), paga mensamente R$ 25 mil ao radialista para diariamente cumprir a missão de atacar integrantes do governo do Estado e do Ministério Público do Estado (MPE). O radialista tem como mira principal o governador Camilo Capiberibe (PSB) e secretários de pastas importantes como a Saúde, cuja titular Olinda Consuelo tem sido alvo preferencial de Lobato que chegou ao despautério de criticar a cor dos cabelos da secretária.

O pagamento é realizado em nome da empresa Mega Construções e Comércio Ltda , conforme fatura de pedido de inserção do mês de agosto emitida pela empresa de publicidade M2, responsável pelos contratos publicitários da Assembleia Legislativa.

A Mega Construções é a mesma empresa denunciada em outubro pelo Ministério Público do Estado (MP/AP) por ter recebido R$ 107,5 mil do legislativo durante a gestão do deputado e presidente afastado da Assembleia, Moisés Souza (PSC). Em razão deste contrato o MP/AP ingressou com Ação de Improbidade Administrativa (ACP) em desfavor do radialista Carlos Lobato e dos deputados estaduais Moisés Reátegui de Souza e Jorge Evaldo Edinho Duarte Pinheiro, além da empresa Mega Construções e Comércio Ltda. 

Segundo a ação, a Assembleia Legislativa do Estado do Amapá – Aleap firmou contrato de publicidade com a empresa M2 Comunicação Ltda., tendo o referido contrato sido prorrogado, em 29 de março de 2011 e em 09 de janeiro de 2012, por ato do ex-presidente da Aleap, Moisés Souza. O Inquérito Civil Público nº 058/2012-PRODEMAP, instaurado para apurar possíveis atos de improbidade, revelou que, no período de 06 de abril de 2011 a 23 de abril de 2012, a M2 Comunicação recebeu, somente da ALEAP, o montante de R$ 4.3 milhões.

Conforme relatório financeiro apresentado pela empresa M2 Comunicação, no período de junho de 2011 a junho de 2012, Carlos Lobato, por intermédio da empresa Mega Construções e Comércio Ltda., pertencente à Maria do Socorro Lima Sena, sua irmã, recebeu R$ 180,3 mil para, em contrapartida, veicular no programa radiofônico "Tribuna da Cidade" inserções contendo matérias de publicidade institucional da Aleap. 

O relatório indica, ainda, que foram pagas 2.244 inserções, de 60 e 120 segundos cada, e desse total, 1.210 deixaram de ser veiculadas, já incluídas 63 inserções que foram compensadas, ou seja, exibidas em outros dias. “Conclui-se, portanto, que, no período citado (junho de 2011 a junho de 2012), Carlos Lobato deu prejuízo de R$ 107.520,00 aos cofres públicos, na medida em que foi pago dinheiro público sem a contraprestação do serviço, valor que, corrigido até o mês de setembro de 2013, chega a R$ 118.198,28”, informou o promotor de Justiça Afonso Guimarães.

“O radialista Carlos Lobato, em razão dos fatos, aferiu vantagem indevida, uma vez que possuía pleno conhecimento da ilicitude e a praticava livre e conscientemente, haja vista que era o único a dispor de controle administrativo, jornalístico e editorial sobre o programa Tribuna da Cidade. Já os deputados Moisés Souza e Edinho Duarte, à época presidente da casa de leis e primeiro secretário, respectivamente, deixaram de fiscalizar a execução dos serviços e permitiram o pagamento de serviços não realizados. A empresa Mega Construções e Serviços Ltda., pelo menos no aspecto formal, está ligada ao ilícito”, ressaltou Afonso Guimarães. 

Na Ação, ajuizada na Vara Cível e de Fazenda Pública da Comarca de Macapá, o Ministério Público do Amapá pede a condenação dos acusados pela prática dos atos de improbidade administrativa, dando à causa o valor de R$ 118.1 mil.

Carlos Lobato frequentemente tem o nome envolvido em operações da Policia Federal realizadas no Amapá. Em 2004 foi preso durante a operação Pororoca, em 2010 a PF realizou busca a apreensão na residência do radialista durante a operação "Mãos Limpas" e voltou a fazer novamente durante a realização da operação "Flor de Lis", realizada em novembro deste ano.
_
Radialista Carlos Lobato é suspeito de receber recursos públicos para atacar o governo Camilo Radialista Carlos Lobato é suspeito de receber recursos públicos para atacar o governo Camilo Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on sábado, agosto 09, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD