Header AD

Sem trégua

MPE monta força-tarefa para combater ilícitos eleitorais

Nesta segunda-feira, 21 de julho, o Ministério Público Eleitoral no Amapá (MPE/AP) reuniu membros para dialogar sobre força-tarefa a ser realizada durante o período eleitoral para coibir ilícitos. Os promotores eleitorais – membros do Ministério Público do Estado (MP-AP) designados para a função eleitoral – vão auxiliar na atividade nos municípios. A reunião aconteceu na Procuradoria Geral de Justiça a convite da procuradora-geral de Justiça, Ivana Cei.

Em ano de eleições gerais, em que se escolhem presidente, senadores, governadores, deputados federais e estaduais, o procurador regional eleitoral – membro do Ministério Público Federal no Amapá (MPF/AP) designado para a função –, é o responsável por propor ações contra os candidatos. O julgamento cabe ao Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP). Nos municípios, os promotores eleitorais fiscalizam, apuram e encaminham informações para dar suporte à atuação do procurador regional eleitoral.

MP Eleitoral – O MPE não possui estrutura própria. É composto por membros do MPF/AP e MP-AP designados para a função eleitoral. O procurador regional eleitoral Paulo Santiago chefia o MPE no Amapá. Promotores eleitorais, das promotorias dos 16 municípios do estado, contribuem com o chefe do MPE para garantir atuação abrangente.

O Centro de Apoio Operacional (Caop) Eleitoral, do MP-AP, tem atuação específica na área. A procuradora-geral de Justiça, Ivana Cei, reconhece a importância dos promotores responsáveis pelas Comarcas do interior durante o pleito. É papel deles auxiliar no combate aos ilícitos eleitorais para que o pleito seja realizado de acordo com os objetivos da Procuradoria Regional Eleitoral e dos Tribunais Eleitorais.

Para a promotora de Justiça e coordenadora do Caop Eleitoral, Rosemary Andrade, a reunião foi essencial para definir a atuação dos promotores. “Tratamos de estratégias de atuação, o que direciona as ações, ajuda a dividir responsabilidades e organiza nosso planejamento até o fim do período eleitoral”, disse.

Paulo Santiago, procurador regional eleitoral, reforça o papel do MPE. “Já temos o Ministério Público Eleitoral atuante no Amapá. Com o suporte dos promotores eleitorais, vamos fortalecer ainda mais a atuação no interior do Estado. Eles vão estar na linha de frente fiscalizando e apurando os ilícitos”, declarou.

Membros do MP Eleitoral – Promotores eleitorais das 13 zonas compõem a força-tarefa do MPE. São eles: Klissiomar Dias (1ª - Amapá e Pracuúba), Alcino Oliveira (2ª - zona sul de Macapá), Fábia Martins (3ª - Calçoene), Neuza Rodrigues (4ª - Oiapoque), Ricardo Crispino (5ª - Mazagão), Nilson Alves (6ª - Santana), Bruno Nayron (7ª - Laranjal do Jari), Marcos Valério (8ª - Tartarugalzinho), Laércio Nunes ( 9ª - Ferreira Gomes), Luiz Pedrosa (10ª - zona norte de Macapá, Itaubal do Piririm e Cutias do Araguari), Wueber Penafort (11ª - Serra do Navio e Pedra Branca do Amapari), Fábia Nilci (12ª - Porto Grande) e Tiago Diniz (13ª - Vitória do Jari).

ASCOM/MPE
Sem trégua Sem trégua Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on terça-feira, julho 22, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD