Header AD

Justiça bloqueia bens de Moisés Souza e Edinho Duarte

Justiça determina o afastamento, bloqueio e indisponibilidade de bens de deputados estaduais, empresários e funcionários da ALAP

A juíza Alaíde Maria de Paula, da 4ª Vara Cível e de Fazenda Pública de Macapá, julgou a ação civil pública por ato de improbidade administrativa, ingressada pelo Ministério Público do Estado do Amapá (MP-AP), contra deputados estaduais, funcionários efetivos e comissionados da Assembleia Legislativa do Estado do Amapá (ALAP). A magistrada determinou que os funcionários sejam afastados das funções, e também, junto com deputados e empresários, tiveram os bens, contas bancárias e aplicações financeiras bloqueadas, assim como, a indisponibilidade dos bens.

Os envolvidos são os deputados estaduais Moisés Reátegui Souza e Jorge Edinho Duarte; os funcionários do quadro efetivo, Janiery Torres Cantuária, Vitório Miranda Cantuária, Fran Soares Júnior; funcionários comissionados, na época, Lindemberg Abel do Nascimento, Edmundo Tork Filho, José Maria Miranda Cantuária (Zeca); empresário Felipe Edson Pinto; e o representante da empresa MCB Assessoria e Consultoria LTDA-ME, Marlon da Costa Borges.

A ação diz respeito à contratação da empresa MCB Assessoria e Consultoria LTDA-ME, contratada pela ALAP para prestar serviço de assessoria técnica na elaboração e confecção da prestação de contas do exercício de 2010. O contrato de nº 002/2011-AL/AP, é no valor de R$ 400 mil reais. O MP-AP apurou que o serviço nunca foi prestado, e que a dispensa de licitação, que garantiu a contratação da empresa, não obedeceu aos ditames da Lei de Licitação.

O caso – Em 2012, a Promotoria de Justiça do Patrimônio Cultural e Público de Macapá ofertou a denúncia ao Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), resultado da Operação Eclésia, deflagrada no mesmo ano. Segundo a acusação, a empresa MCB-LTDA foi contratada de forma ilegal para prestar dois serviços distintos, a da ação julgada, agora, e outra, de digitalização de documentos. As investigações do MP-AP revelaram que “a contratação não passou de simulação com o fim de possibilitar a apropriação ilegal de dinheiro público e que os serviços nunca foram executados”.

O processo iniciou em fevereiro de 2011. Sete dias depois, a MCB-LTDA foi contratada com dispensa de licitação e, em 3 de março do mesmo ano, recebeu o pagamento,  através de dois cheques que somam R$ 400 mil.  De acordo com o MP-AP, a contratação não se justifica, uma vez que a ALAP conta com profissionais com condições técnicas de elaborar a prestação de contas.

O MP-AP apurou, em depoimentos, que Felipe Edson Pinto facilitou a entrada da empresa na ALAP e Edmundo Tork Filho garantiu os contratos. E, ainda, que Marlon da Costa Borges tentou prestar os serviços, no entanto, foi orientado a apenas emitir a nota fiscal, sacar o dinheiro e entregar o pagamento do suposto serviço para Felipe, responsável por repassar os valores para os demais membros do esquema. Consta no processo, ainda, que, para comprovar a prestação do serviço, a ALAP apresentou, na época, “um conjunto de quatro laudas capeadas pelo ofício nº 216/2011/PRESI/AL, de 2/5/2011, assinado pelo deputado Moisés Souza”.

O principal objetivo da ação contra os envolvidos refere-se à recuperação dos valores desviados, e à aplicação das sanções previstas na lei de improbidade administrativa, como a perda do cargo público, a proibição de contratar com a administração pública, e a suspensão dos direitos políticos. Caso sejam condenados, os requeridos podem perder os direitos políticos pelo prazo de 8 (oito) anos.

A decisão – A juíza deferiu o pedido de limitar impetrado pelo MP-AP e determinou o afastamento do exercício das funções de Janiery Torres Cantuária, Vitório Miranda Cantuária, Fran Soares Júnior, Lindemberg Abel do Nascimento, Edmundo Tork Filho e José Maria Miranda Cantuária. A magistrada determinou contra estes mesmos, mais os deputados Moisés Reátegui Souza e Jorge Edinho Duarte, e os empresários Felipe Edson Pinto e Marlon da Costa Borges, o bloqueio e indisponibilidade de bens, contas bancárias e aplicações financeiras. O pedido de afastamento dos parlamentares não foi analisado pela juíza, pois perdeu o objeto, uma vez que já se encontram afastados da mesa diretora, por decisão do Tribunal de Justiça (TJAP) na esfera penal, em outro processo.

Com base nas apurações do MP-AP, a juíza Alaíde Maria de Paula cita que “mostra-se necessário o bloqueio/indisponibilidade de bens dos réus para garantir o ressarcimento de possível dano ao erário público”. Sobre o afastamento, “figura como medida de cunho eminentemente cautelar, porquanto visa a resguardar a instrução processual”. “As alegações são gravíssimas, a meu ver, o afastamento dos demandados é medida plausível”, finaliza na decisão judicial.

ASCOM/MPE
_
Justiça bloqueia bens de Moisés Souza e Edinho Duarte Justiça bloqueia bens de Moisés Souza e Edinho Duarte Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, maio 21, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD