Header AD

Habeas Corpus é negado a Marba

Justiça nega Habeas Corpus a Luciano Marba

Reprodução
O desembargador Agostino Silvério, do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá (TJAP), negou o pedido de Habeas Corpus Preventivo com pedido de liminar em favor do empresário Luciano Marba Silva, na manhã desta quinta-feira (22). Para a justiça amapaense, o pedido de prisão preventiva feito pelo Ministério Público do Amapá (MP-AP) preenche a comprovação indiciária da autoria e da materialidade delitiva, como também os requisitos exigidos pelo art. 312 do vigente Código de Processo Penal Brasileiro.

O MP-AP, por meio da Promotoria de Justiça de Investigações Cíveis, Criminais e Defesa da Ordem Tributária (PICCDOT), deu entrada em duas denúncias contra o empresário Luciano Marba Silva, sócio majoritário da empresa LMS - Vigilância a Segurança Privada Ltda.

As denúncias são decorrentes de filmes apreendidos, no dia 23/10/2013, por ocasião das buscas realizadas na casa de Luciano Marba e na sede da empresa LMS. No primeiro vídeo, filmado pelo próprio empresário, no final de maio de 2011, ele aparece entregando R$ 100.000,00 (cem mil reais) para Edilberto Pontes Silva, esposo da então secretária de Educação do Estado, Miriam Alves Correa Silva, para tentar impedir que o Governo do Amapá colocasse em prática um estudo realizado pela Secretaria de Estado da Educação (SEED), que previa uma economia de R$ 800 mil reais, por mês, com a contratação dos serviços de vigilância nas escolas, o que implicaria a não renovação do contrato com a LMS.

No outro filme, também feito por Luciano Marba, em fevereiro de 2012, durante o procedimento licitatório da SEED para a contratação de serviços de vigilância das escolas da rede estadual, ele aparece entregando R$ 15.000,00 (quinze mil reais) para Bruno da Costa Nascimento, assessor da Comissão Especial de Licitação da secretaria. Nesse filme, o empresário, juntamente com o sócio de sua empresa, Admar Barbosa da Silva, negocia com Bruno Nascimento a alteração de cláusulas do edital, objetivando favorecer a LMS e, ainda, a necessidade de o presidente da CPL, Eliomar Sosinho Ribeiro, rejeitar um recurso apresentado pela empresa Vigex - Vigilância e Segurança Privada Ltda.

No primeiro caso, os vídeos foram utilizados por Cleobernaldo Ribeiro Leite, que, além de Policial Civil, trabalha na LMS, para a prática de extorsão contra os funcionários públicos filmados, segundo apurou o MP-AP.

Para os Promotores de Justiça responsáveis pelas investigações, Luciano Marba Silva praticou, como autor ou coautor, vários crimes, dentre os quais: corrupção ativa, corrupção passiva, extorsão, afastar interessados à licitação e formação de quadrilha.

O pedido de prisão de Luciano Marba foi aceito, no último dia 15, pelo juiz Matias Pires Neto, da 4ª Vara Criminal de Macapá. Até o momento, o empresário não foi encontrado pela Polícia Civil.

ASCOM/MP-AP
_
Habeas Corpus é negado a Marba Habeas Corpus é negado a Marba Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quinta-feira, maio 22, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD