Header AD

Histórico da Banda Larga no Amapá

Banda larga: o retrato de 38 meses de história da fibra ótica no Amapá

Isabelle Braña(Agência Amapá)

  14 de janeiro de 2011. Foi nesse dia que o Governo do Amapá deu início à largada para a conquista da internet banda larga, por meio de fibra ótica, para o Estado. Com apenas duas semanas de gestão, Camilo Capiberibe, governador do Amapá, já iniciava uma série de articulações para mudar a história da internet no Estado.

Tudo começou quando foi instituída a Comissão da Banda Larga, coordenada pelo Centro de Gestão da Tecnologia da Informação (Prodap). O objetivo era fazer o levantamento da infraestrutura existente no Amapá para que o projeto da banda larga pudesse ser implantado.

Em 1º de fevereiro, o governo disponibilizou um formulário com algumas importantes questões para compreender a realidade da internet. A finalidade era diagnosticar as necessidades futuras. Assim, houve reuniões com diversos provedores de acesso à internet para averiguar suas propostas e apontar a solução de banda larga no Amapá.Governo do Estado e Oi assinam convênio para instalação de internet banda larga no Amapá

Proposta de parceria

Ao longo do mês de fevereiro, o Governo do Amapá iniciou uma série de reuniões com a empresa de telefonia Oi, que já apontava a Guiana Francesa como o melhor caminho para trazer a banda larga por meio de fibra ótica. A proposta foi reforçada na mesma época pela empresa Guayacom e o cônsul da França do Amapá, Jean-François Le Cornec. No encontro, propuseram uma parceria com o Amapá para que a banda larga fosse via Caiena/Saint-Georges/Oiapoque/Calçoene/Macapá.

Enquanto os estudos eram feitos no Estado, Camilo Capiberibe já articulava a inclusão do Amapá no Plano Nacional de Banda Larga (PNBL). Resultado da disposição conjunta do Governo do Estado, do Governo Federal e da iniciativa privada, Camilo conseguiu do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, o compromisso de aportar R$ 14 milhões, equivalentes a 50% dos recursos necessários para implantar a banda larga no Estado.

Após meses de discussão com empresas públicas e privadas, entre elas a Rede Nacional de Pesquisas (RNP), Processamento de Dados do Pará (Prodepa) e a Telecomunicações Brasileiras S.A. (Telebras), o governo começava a ver a solução para o isolamento digital do Amapá.


Finalmente, no dia 27 de setembro de 2011, durante reunião sobre a integração binacional de comunicação Brasil-França, constatou-se que a empresa Oi possuía a melhor proposta de projeto para o Estado. Dessa forma, ela se comprometia a realizar a interconexão terrestre, Calçoene-Oiapoque, utilizando infraestrutura de posteamento.

Carta de intenção

Semanas depois, Camilo Capiberibe assina carta de intenção à Telemar Norte/Leste S.A., a Oi, com o objetivo de viabilizar a rede de fibra ótica pela empresa de telefonia no Amapá e, consequentemente, a integração do Estado à rede de fibra ótica nacional da operadora.

Exatos oito meses após a assinatura da carta de intenção, o Governo do Estado lança as obras da banda larga no Amapá. A solenidade ocorreu no dia 1º de junho de 2012 e contou com a presença do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo Silva.

A obra foi fruto do consórcio binacional Oi-Guyacom, que consiste no convênio entre o Governo do Estado e a empresa Oi. O custo foi dividido, igualitariamente, entre os parceiros. A medida faz parte da política de desenvolvimento Estado.

Logo após o lançamento das obras, o Prodap, órgão responsável pelos projetos de tecnologia do Amapá, iniciou a fiscalização e acompanhamento das obras. Mensalmente, a equipe se deslocava para os municípios nos quais a empresa atuava para verificação dos trabalhos.



Negociação e contrapartida

Além do cumprimento do calendário de vistoria, o Governo do Amapá, por meio do Prodap, acompanhou a negociação com a comunidade indígena de Oiapoque. Como contrapartida pela passagem das obras da banda larga por terras indígenas, a comunidade fez exigências à empresa Oi. Após meses de deliberações, apresentações de propostas e reuniões, finalmente indígenas de Oiapoque liberaram a passagem das obras por suas terras.

No mesmo período, a Oi anunciava a entrega das obras para o primeiro semestre de 2013, no entanto, não foi possível cumprir com o prazo. A negociação com os índios de Oiapoque, o longo período de chuva na região e a burocratização do trâmite administrativo do processo fizeram com que a entrega das obras tivesse o prazo prolongado.


Foram mais de cem dias de extensas reuniões, discussões e negociações até que as obras fossem concluídas. Finalmente, no último dia 13, o governador Camilo Capiberibe anunciou, em suas redes sociais, o lançamento da internet banda larga por meio da fibra ótica.

Um marco na história

A solenidade ficará como um marco na história do Estado. O lançamento será nesta segunda-feira, 17 de março de 2014, às 8h, nas dependências do Teatro das Bacabeiras.

A banda larga chega ao Amapá com toda transparência. As obras estão regularizadas, cumpriram todas as normas, atenderam as exigências da lei, fizeram valer a vontade da comunidade indígena e garantem uma série de benefícios para a população do Amapá.
_
Histórico da Banda Larga no Amapá Histórico da Banda Larga no Amapá Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on domingo, março 16, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD