Header AD

Relatório diz que Waldez Góes arruinou o Amapá

Sebastião Máximo secretário da Seplan informou Pedro Paulo em abril de 2010 que dívida do Estado já passava de 1 Bilhão

MZ - Portal/Diário
Relatório

Um relatório confidencial enviado no dia 30 de abril de 2010 ao então governador, Pedro Paulo Dias de Carvalho, revela a realidade financeira que o ex-governador Waldez Góes (PDT) deixou o Estado, após 7 anos e três meses de governo. O documento enviado pelo secretário de planejamento à época, Sebastião Rosa Máximo, detalha a crise financeira, o estado de pré-falência e o caos nas contas públicas.

De acordo com o relatório preliminar das dívidas do governo realizado a partir da análise dos demonstrativos contábeis, e encaminhado anexo ao documento, o passivo circulante naquele momento ultrapassava R$ 1 bilhão de reais. Os dados confirmam os números apresentados em 2011, pelo atual governador Camilo Capiberibe, quando o referido passivo já ultrapassava R$ 1,5 bilhões.

"Reitero a Vossa Excelência que, a enfermidade financeira do Estado não é só grave, ela é gravíssima, o Estado pede socorro, enquanto agoniza em seu leito de morte! A situação pode ser compara a uma patologia cancerígena, que precisa ser logo extirpada, para não comprometer todo o corpo" relatou a Pedro Paulo o então secretário Sebastião Máximo.

O secretario informou Pedro Paulo que o Estado estava a beira de um colapso. O déficit mensal era de R$ 32 milhões, sendo R$ 11 milhões com a previdência, R$ 11 milhões com as consignações em folha de pagamento e R$ 10 milhões com fornecedores e crescia a cada mês. O Estado gastava bem mais que a capacidade de arrecadação, tornando o patrimônio líquido negativo.

Waldez deixou o Estado inadimplente com os órgãos da administração pública federal, fornecedores, prestadores de serviços, encargos sociais e previdenciários, consignados, precatórios, contrapartida de convênios federais e parcelas de convênios realizados com as prefeituras. Góes utilizou indevidamente R$ 27 milhões da conta de investimento do BNDES na conta salário. Havia um débito parcelado com a Amprev de R$ 130 milhões e outro a parcelar de R$ 145 milhões.

"Existe um débito parcelado com AMPREV de R$130 milhões de reais e outro a parcelar de R$ 145 milhões de reais, deste ultimo 65 milhões de reais foram deduzidos dos salários dos servidores e não repassados aos órgãos previdenciários; com as consignações em folha de pagamento o comprometimento chega a R$ 585 milhões de reais dos quais R$ 34 milhões encontram-se vencidos e deduzidos dos salários dos servidores e não quitados junto as consignatárias"

Na ocasião os órgãos da administração pública direta não recebiam recursos, nem mesmo para o custeio das despesas administrativas e de manutenção, desde outubro do ano anterior, ou seja, outubro de 2009. O ressarcimento ao Governo Federal referente aos salários dos servidores federais a disposição do Estado e alugueis não eram pagos há exatos 12 meses. Órgãos do governo que funcionavam em prédios locados, entre eles escolas e delegacias, recebiam constantes ordens de despejo. A Lei de Diretrizes Orçamentárias não era cumprida e a Lei de Responsabilidade Fiscal ignorada.

De 2009 para 2010, o número de contratos administrativos utilizados como moeda de troca durante o período eleitoral, saltou de 1.645 para 2.141elevando os gastos mensais de R$ 4 milhões para R$ 5,2 milhões. Em praticamente todas as secretarias a despesa era maior que a receita. Na educação, por exemplo, a despesa era de R$ 692.1 milhões e o orçamento previsto de R$ 590 milhões.

O relatório mostra que Waldez deixou o Estado praticamente falido, mergulhado em dívidas, com a máquina publicada parada, serviços essenciais (saúde, segurança e educação) praticamente desativados.

Outro problema grave encontrado era o descompasso gigantesco entre a receita estimada no orçamento e a receita efetivamente realizada. Somente no primeiro semestre de 2010 o prejuízo acumulado era de R$ 111 milhões. Ainda assim, como forma de manter a chamada "harmonia entre os poderes", o Legislativo, o Judiciário, o Tribunal de Contas e o Ministério Público tiveram acréscimos em seus repasses acima de R$ 70 milhões para o exercício 2010.

Máximo disse ao governador que esses recursos seriam suficiente para garantir o pagamento do 13º salário dos servidores que, na ocasião, corria sério risco de não ser pago. No final do exercício o Estado pagou o décimo terceiro, porém o salário de dezembro foi empurrado para o governo seguinte.

Pedro Paulo foi informado ainda que o Estado precisava adotar urgentemente um "plano emergencial de redução e controle dos gastos públicos", reduzindo contratos, cargos de confiança, aluguel de veículos, diárias e uma série de outras medidas. "Por ultimo informo a vossa excelência, que a minha permanência na Seplan esta condicionada a aplicação imediata de medidas urgentes "Plano de redução e controle dos gastos públicos". As quais se tomadas há mais tempo teriam evitado o Caos".

Mesmo ciente da grave situação do Estado, o então governador, aliado político de Waldez optou em manter a situação, piorando ainda mais o quadro financeiro e administrativo do Estado. Em outubro de 2010 Waldez e Pedro Paulo foram presos durante a operação Mãos Limpas, realizada pela Polícia Federal, acusados de coordenarem um grandioso esquema de corrupção que saqueou milhões dos cofres públicos.

Quanto aos prejuízos financeiros o Estado ainda vem pagando dividas dos dois governos, estimadas em mais de R$ 1,5 bilhão. No entanto a administração atual do governador Camilo apesar da situação pré-falimentar que recebeu o estado, vem equilibrando as finanças públicas e recuperando a capacidade de investimento do estado mesmo diante de um cenário econômico desfavorável no âmbito nacional, através de grandes obras como: A rodovia AP 426 entregue no Município do Amapá, estádio Zerão que será entregue no próximo dia 15, construção da Ponte sobre o Rio Matapi que vai tirar o Mazagão do isolamento e o Cidade Macapaba com mais de 4 mil novas moradias. Garantindo assim nível elevado de geração de empregos segundo Ministério do trabalho e emprego e crescimento econômico.

O Documento












_

Relatório diz que Waldez Góes arruinou o Amapá Relatório diz que Waldez Góes arruinou o Amapá Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on domingo, fevereiro 02, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD