Header AD

Quem tem medo da História?

História - Canção pela Unidade da América latina - Chico Buarque e Pablo Milanes

Do blog : ϟ●• História e Sociedade •●ϟ

“O historiador” Veio para ressuscitar o tempo e escalpelar os mortos, as condecorações, as liturgias, as espadas, o espectro das fazendas submergidas, o muro de pedra entre membros da família, o ardido queixume das solteironas, os negócios de trapaça, as ilusões jamais confirmadas nem desfeitas. Veio para contar o que não faz jus a ser glorificado e se deposita, grânulo, no poço vazio da memória. É importuno, sabe-se importuno e insiste, rancoroso, fiel. (Carlos Drummond de Andrade)

Cancion por la unidad de Latino America (ou, Quem tem medo da História?)
"Manifestação", Berni
A História anda mal contada entre muitos estudantes. Acham que ela "não serve para nada", que "parece um faroeste: de um lado os mocinhos, de outro os bandidos", "só se interessa pelo passado", "é matéria pra dar uma lida rápida, decorar e esquecer..."

Descontados os exageros naturais, esses comentários têm sua razão de ser. O ensino da História há muito vem sendo criticado pelos próprios professores e historiadores e por todos os que se ocupam do assunto. Essas pessoas têm advertido  com frequência para o fato de que somos um país sem memória, que não respeita suas tradições, não preserva seu patrimônio cultural e tem uma cultura histórica de fazer chorar. "De quinze em quinze anos, o Brasil esquece o que aconteceu nos últimos quinze anos", afirmou, perplexo, na década de 1970 o jornalista Ivan Lessa.

[...]

E quem garante que a História
É carroça abandonada
Numa beira de estrada
Ou numa estação inglória?

(Cancion por la unidad de Latino America, Chico Buarque de Hollanda e Pablo Milanez)

[...]

Questionamentos e lembranças são vitais para se reduzir o grande desencontro entre a História e o povo brasileiro. Diminuir esse abismo é necessário para compreendermos melhor (e até mudar) o país em que vivemos. Quais as razões deste desencontro, que afeta especialmente os estudantes, um segmento da sociedade particularmente interessado em conhecer a verdade?

Uma das principais razões é que durante muito tempo nossa História foi mal contada e nossa memória mal preservada. Boa parte dos nossos antigos historiadores, influenciada pela ideologia do colonizador e ligada às classes dominantes do seu tempo, interpretou com noções conservadoras, elitistas e preconceituosas a realidade brasileira e latino-americana em geral.

Elitismo e preconceito em relação aos índios, negros, operários, sertanejos, colonos imigrantes - a todos aqueles, enfim, que foram "escalados" para participar da vida social apenas com o trabalho braçal. E conservadorismo em relação a praticamente tudo que pudesse significar a mudança da estrutura social.

Ao tratar a História como matéria destinada essencialmente a glorificar acontecimentos e personagens, esses historiadores difundiram a ideia de que o papel da História era transmitir aos jovens os "bons exemplos" legados pelos "heróis nacionais", o que deveria ser feito através, basicamente, da memorização dos grandes feitos das elites dominantes. A velha História limitava-se assim a exaltar e a justificar a supremacia dos poderosos, ao passo que desvalorizava e até omitia a presença das classes e grupos sociais dominados. Era uma História que não fazia menção a desigualdades, injustiças e conflitos sociais. Uma História, enfim, sem povo ativo e criativo: de um lado (é o faroeste!), havia os "heróis da pátria"; de outro, estava um povo, ora passivo (portanto ausente da cena histórica), ora "desordeiro", povo-bandido, uma mera perturbação na vida das elites.

Era inevitável que esta História, ao invés de ampliar o conhecimento dos brasileiros a respeito de si próprios, provocasse um distanciamento crescente entre si mesma e o povo. Esse último, em consequência, não se reconhece inteiramente na sua História, nem a valoriza como devia. A falta de consciência histórica somava-se, assim, a tantas outras faltas (de direitos, informação, saúde etc.), dificultando ou mesmo impedindo a consolidação em nosso país de uma cidadania plena.

Um bom exemplo disto é a incapacidade de grande parte do povo brasileiro para agir como sujeito da sua história até hoje, ou seja, como soberano, o que é um dos pré-requisitos básicos para haver democracia em qualquer país.

Mas a História (e o seu ensino) mudaram no Brasil nas últimas décadas. Hoje, os historiadores a consideram - tal como as demais "ciências" do homem: a Sociologia, a Antropologia, Ciência Política etc. - como um meio importante para se compreender e problematizar o processo de constituição e transformação das sociedades. [...]

[...]

Num país como o Brasil, de profundos contrastes e injustiças, entendemos o processo educativo, tal como propõem alguns de nossos melhores educadores, essencialmente como um ato de amor. [...]

Hoje, a meta principal da educação em História no Brasil não é buscar o "conteúdo crítico" (isto há muito já foi iniciado), nem "descobrir" as técnicas milagrosas de ensino e aprendizagem. Urgente é trilhar os caminhos que propiciem, antes de tudo, a identificação dos estudantes com a História do seu país. Esta, a nosso ver, a condição indispensável para que prosperem tanto o conhecimento, quanto o amor pelo que é ensinado, valores fundamentais no trabalho dos verdadeiros educadores, e que infelizmente andam em falta.

ALENCAR, Francisco et al. História da sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1996.

Ouça e reflita:
_
Quem tem medo da História? Quem tem medo da História? Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on domingo, fevereiro 16, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD