Header AD

Sarney e a forma de abater adversários

Sarney: um pedregulho no meio do caminho

Por: João Capiberibe

Enfrentar José Sarney, no Amapá ou no Maranhão, não é um desafio de pouca monta. É bom lembrar, quem foi rei nunca perde a  majestade. Governador, presidente da república por cinco anos, presidente do Senado algumas vezes, funções que lhe permitiram nomear muita gente, com ou sem mérito, por ato republicano ou secreto. Resumo da opera: o "home" é poderoso. Logo, no confronto, as chances de sucesso são remotas e os riscos elevadíssimos. Por essas poucas e contundentes razões, raros são os que ousam bater de frente com o dito cujo. Mas, em tempo de maior transparência e fiscalização nem tudo são flores para seus comandados. Vira e mexe alguns deles dão  com os costados atrás das grades da PF, como vimos quando da operação Mãos Limpas e ultimamente com outra operação que prendeu o superintendente da FUNASA, um ex-prefeito e uma ex-prefeita de municípios do Amapá.

A mão pesada de Sarney

Eu e Janete fomos eleitos em 2002. Ela, a mais votada para a Câmara Federal, eu, com a votação que obtive, fiquei com a segunda vaga de senador. Sarney, achando que eu poderia lhe causar embaraço acionou seus comandados que, do nada, inventaram uma história mirabolante. Compraram duas testemunhas para nos acusar de lhes ter comprado os votos por 26 reais cada, pagos em duas parcelas. No TRE do Amapá, tal absurdo não prosperou, mas no terreno minado de Brasília, numa velocidade de fórmula um, o TSE pimba! Cassou nossos mandatos. Recorremos ao STF. Nesse ínterim, fui procurado por um figurão da República - cujo nome me reservo o direito de não revelar, pelo menos agora - com uma proposta redentora. Disse-me que Sarney estava aberto ao entendimento, disposto a fumar o cachimbo da paz e ajudar a preservar nossos mandatos. Depois de lhe dizer que de minha parte não havia qualquer desavença pessoal, que nossas divergências eram políticas, perguntei-lhe o que deveria fazer para merecer seus préstimos. Com singeleza e candura, adiantou-me o emissário que Sarney estimaria muitíssimo que eu passasse a integrar sua trupe no Senado. Confesso que fiquei meio entalado, tratei de respirar fundo, contei até três antes de dizer qualquer coisa. Refeito do susto, expliquei-lhe calmamente que, enquanto Sarney presidia a ARENA, partido de sustentação da ditadura civil-militar, eu e Janete estávamos na trincheira da resistência pela democracia, e que se tivéssemos que escolher entre nossos mandatos e nossas biografias, a decisão já estava tomada.

Uma semana depois eu e Janete reunimos com os filhos para lhes comunicar que seríamos cassados, o que finalmente aconteceu alguns meses depois dessa nossa conversa.
_
Sarney e a forma de abater adversários Sarney e a forma de abater adversários Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on quarta-feira, janeiro 08, 2014 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD