Header AD

Veja tenta influenciar virada no STF

VEJA ABORDA CAIXA DOIS PARA TENTAR VIRAR O JOGO NO STF

Edição/247 Fotos: Reprodução | Sintepav | Divulgação:

Edição/247 Fotos: Reprodução | Sintepav | Divulgação:

 Reportagem de capa da revista semanal, sobre o "rei dos laranjas" Adir Assad, que teria movimentado R$ 1 bilhão, recebidos de empreiteiras como Delta Engenharia e Andrade Gutierrez, para disfarçar propinas pagas a diversos políticos, visa convencer ministros do Supremo Tribunal Federal de que a proibição às doações privadas fará explodir o caixa dois; revista alega que, sem o dinheiro de grandes empresas na política, será impossível combater a hegemonia do PT, o que seria uma "calamidade"; há, no entanto, uma contradição: sistema atual, que permite doações, não impediu caixa dois bilionário, como aponta a própria revista

14 DE DEZEMBRO DE 2013 ÀS 08:03 

247 - O ativismo político da revista Veja produziu mais uma capa. Neste fim de semana, a principal reportagem da revista semanal da Editora Abril, assinada pelos repórteres Alana Rizzo, Daniel Pereira e Rodrigo Rangel, é dedicada ao empresário paulista Adir Assad, que seria o "rei dos laranjas".

De acordo com a reportagem de Veja, Assad teria recebido cerca de R$ 1 bilhão de grandes empreiteiras, emitindo notas fiscais de empresas que, em tese, seriam subcontratadas por elas, sem prestar os serviços. O motivo seria simples: por meio de Assad, as empreiteiras disfarçariam as propinas e as doações ilegais feitas a políticos.

Nesse esquema, os principais doadores seriam a Delta Engenharia, do empresário Fernando Cavendish, que teria transferido R$ 440 milhões para Adir Assad, a Andrade Gutierrez, de Sergio Andrade, que teria destinado R$ 110 milhões, e a Galvão Engenharia, de Dario Galvão, com R$ 62 milhões.

A reportagem de Veja, no entanto, não aponta os beneficiários. Apenas insinua que o caso contribuiu para enterrar a CPI do Cachoeira, porque atingiria o governo de Sergio Cabral, no Rio de Janeiro, o PMDB fluminense, o PT paulista e diversos partidos.

Nesse sentido, a reportagem entrega menos do que promete na capa, quando anuncia: "O rei dos laranjas - Como Adir Assad ajudou grandes empresas brasileiras a repassar 1 bilhão de reais em propinas a políticos e caixa dois de campanhas eleitorais".

Ou seja: quem tiver a ilusão de encontrar os beneficiários do esquema das empreiteiras, não os encontrará na reportagem de Veja.

No entanto, ela foi publicada com destaque porque tem outra finalidade: ajudar a virar o jogo, no Supremo Tribunal Federal, na ação proposta pela Ordem dos Advogados do Brasil contra o financiamento privado de campanhas políticas. Quatro ministros – Joaquim Barbosa, Luiz Fux, Dias Toffoli e Luís Roberto Barroso – já votaram contra doações de empresas.

A reportagem de Veja termina com um pequeno editorial a respeito. "A engenharia financeira comandada pelo empresário não é um caso isolado no país. São variados, e multipartidários, os esquemas de pagamento de propina e financiamento ilegal de campanhas. Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar uma ação direta de inconstitucionalidade, ajuizada pela OAB, que pretende proibir a doação de empresas a partidos e candidatos. À primeira vista, o recurso é meritório", diz o texto.

Em seguida, Veja prevê efeitos colaterais e prejuízos de natureza política para a oposição. "A restrição à doação legal tende a reforçar as doações por fora e semear o terreno para o surgimento de novos Assad. A mudança vai privilegiar duplamente o PT. Se for instalado o financiamento público de campanha, o partido, por ter a maior bancada federal, receberá a maior parte do bolo (...) uma democracia sem oposição viável e sem perspectiva de alternância de poder é uma calamidade".

Resumindo: a capa com o "rei dos laranjas" é apenas um apelo de Veja aos sete ministros do STF que ainda não votaram para que virem um jogo até agora perdido por quatro a zero.

PS: A edição de Veja desta semana também traz a Carta ao Leitor sobre o tema. No texto, Eurípedes Alcântara, diretor de redação da revista, afirma que a proibição às doações privadas revela preconceito ideológico do STF em relação ao setor privado. No entanto, o que explica tanto a reportagem como o editorial é o temor de que a oposição, especialmente o PSDB, não tenha meios para enfrentar o PT, num sistema sem o peso do dinheiro privado.

(leia ainda o artigo "República das empreiteiras?")
_

Veja tenta influenciar virada no STF Veja tenta influenciar  virada no STF Reviewed by Nezimar Borges/ Ana Maria Marat on sábado, dezembro 14, 2013 Rating: 5

SE VOCÊ TEM ALGUMA NOTÍCIA PARA COMPARTILHAR, ENVIE PARA O WHATSAPP (96)98135-3197.


O Diário do Meio do Mundo é um site de jornalismo independente. Contribua para mantê-lo online. Obrigado! Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para doar ou assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Para quem prefere fazer depósito em conta: Banco do Brasil; Agência: 2825-8; CC: 219.880-0.


Post AD